Brasil lidera casos de leishmaniose tegumentar na América Latina e Amazonas registra mais de 9 mil casos nos últimos anos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Agosto 2015

O Brasil é o primeiro país dos 12 países prioritários da América Latina com maior número de casos de leishmaniose tegumentar se destacando, principalmente, na forma cutânea com cerca de 20% evoluindo na forma mucosa. No Amazonas foram registrados mais de 9 mil casos no últimos cinco anos. Os dados foram apresentados, na manhã desta terça-feira (11), pela diretora técnica da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS/AM), a epidemiologista Rosemary Costa Pinto, durante a 1ª Conferência Internacional em Leishmaniose Cutânea na região amazônica.

A reportagem é de Luciete Pedrosa, publicada por amazonia.org.br, 12-08-2015.

Até a próxima quinta-feira (13), especialistas do várias partes do mundo estarão reunidos no Auditório do Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) para discutir diretrizes e novas perspectivas de pesquisas na área de inovação e tecnologia desta doença.

Sobre o tratamento da leishmaniose, a epidemiologista explica que vários estudos estão sendo feitos, principalmente, o de custo-efetividade, uma vez que o uso dos antimoniais tem um custo menor do que as opções que são oferecidas. “Por outro lado, a alternativa de tratamento é mais difícil, porque exige uma aplicação de nível ambulatorial ou hospitalar em função de contraindicações de medicamentos”, diz.

Na opinião da epidemiologista, o avanço nessa área, ao longo dos últimos 30 anos, é muito devagar. “Levando-se em conta que a leishmaniose é uma doença negligenciada e os grandes laboratórios não têm interesse em desenvolver pesquisas”, ressalta.

A pesquisadora Antonia Franco também participou da primeira sessão de palestras da Conferência com o tema “Leishmaniose cutânea no Estado do Amazonas”, logo a seguir o pesquisador da Fiocruz Rio de Janeiro, Mauro Marzochi, falou sobre os “Aspectos históricos e epidemiológicos da leishmaniose cutãmeo-mucosa pela leishmania (Viannia) braziliensis”.

Abertura Oficial

A abertura oficial da Conferência Internacional em Leishmaniose aconteceu na noite da última segunda-feira (10), no Auditório do Bosque da Ciência, com a presença do diretor do Inpa, o pesquisador Luiz Renato de França; da presidente da conferência, a pesquisadora Antonia Maria Ramos Franco, e do secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão.

“A Conferência promoverá a discussão de novas estratégias mais viáveis e efetivas para ser empregadas nos programas de vigilância e controle, de acordo com os princípios e diretrizes do Sistema Único e Saúde (SUS)”, ressaltou a pesquisadora Antonia Franco.

Para o diretor do Inpa, os cientistas que trabalham com doenças negligenciadas, mais do que cientistas, são pessoas idealistas e humanistas, porque têm a coragem e a bravura de trabalhar com algo que não se tem visibilidade. “Esse evento sobre leishmaniose cutânea é um avanço para se conseguir essa visibilidade”, ressaltou.

Também participaram da cerimônia de abertura, o comandante do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), o coronel Alcimar Marques Martins, a representante da FVS/AM, Rosimary Pinto, e o diretor da Fiocruz Amazonas, Sérgio Luiz Bessa Luz.

Durante a cerimônia de abertura, o Dr. Edgar Marcelino de Carvalho, da Fiocruz Bahia, proferiu a palestra “Visão estratégica da leishmaniose”. A cerimônia também foi marcada com homenagens, in memoriam, ao renomado pesquisador Prof. Dr. Ralph Lainson, um dos mais reconhecidos parasitologistas do mundo científico, e ao pesquisador Dr. Jorge Arias, que por muitos anos se dedicou ao combate à leishmaniose. Também foi homenageado o casal de pesquisadores do Inpa, Roberto e Maricleide Naiff.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil lidera casos de leishmaniose tegumentar na América Latina e Amazonas registra mais de 9 mil casos nos últimos anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV