A longa marcha dos neoliberais para governar o mundo

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros - O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

O Brasil na potência criadora dos negros - O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Estar nas encruzilhadas da história.'' As conversas do Papa Francisco com os jesuítas de Myanmar e Bangladesh

    LER MAIS
  • Como a Reforma da Previdência atinge os mais pobres

    LER MAIS
  • “Essa Reforma da Previdência interessa ao sistema financeiro”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Julho 2015

Com a fundação da Mont Pélerin Society (MPS) em 1947, teve início a longa marcha que levou o neoliberalismo a conquistar uma hegemonia totalitária sobre a economia e a política. Com as dramáticas consequências que ainda hoje experimentamos.

A opinião é do sociólogo italiano Luciano Gallino, professor emérito da Universidade de Turim, em artigo publicado no jornal La Repubblica, 27-07-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Quando eu abro as janelas de manhã, nestes dias, o olhar cai inevitavelmente no Mont Pélerin, para além do lago. É uma montanha suíça a poucos quilômetros de Montreux, conhecida desde os anos 1920 pelos bons hotéis e pelo clima suave.

É também o lugar a partir do qual teve início, com a fundação da Mont Pélerin Society (MPS) em 1947, a longa marcha que levou o neoliberalismo a conquistar uma hegemonia totalitária sobre a economia e a política da Europa inteira. Com as dramáticas consequências que ainda hoje experimentamos.

Gramsci acharia muito interessante a estratégia adotada pela MPS para conquistar a hegemonia, entendida no seu pensamento como um poder exercido com o consentimento daqueles que se submeteram a ele. Em vez de constituir mais uma fundação ou um think tank especializado em promover este ou aquele ramo da economia, a MPS optou por construir em grande escala um "intelectual coletivo".

Em 1947, quando Friedrich Hayek reuniu um pequeno grupo de economistas e outros intelectuais (incluindo Maurice Allais, Walter Eucken, Ludwig von Mises, Milton Friedman, Karl Popper) para fundar a MPS, os congregados eram apenas 38, em sua maior parte europeus. No fim dos anos 1990, eles tinham se tornado mais de mil, espalhados por todo o mundo, embora a maioria continuasse vindo da Europa.

Radicados em grande parte na academia, esse coletivo intelectual não redigiu ambiciosos manifestos programáticos (as "intenções" formuladas em 1947, no momento da fundação, são uma pequena página bastante banal, que também se pode ler de modo idêntico no site da MPS), nem grande projetos de reformas institucionais. Em vez disso, produziu milhares de ensaios e livros, muitos de nível notável, que giram todos em torno de temas que, para os sócios da MPS, eram e são a essência do neoliberalismo: a liberalização dos movimentos de capital; a superioridade fora de questão do livre mercado; a categórica redução do papel do Estado como construtor e guardião das condições que permitam a máxima difusão de um e de outro.

Graças a esse trabalho imenso e capilar, por volta de 1980, as doutrinas econômicas e políticas neoliberais tinham ocupado todos os espaços essenciais nas universidades e nos governos. Obviamente, não foi apenas a MPS que se consumiu para tal fim, mas o seu papel foi enorme. Não exagerava um historiador do pensamento neoliberal (Dieter Plehwe) quando definiu a MPS, anos atrás, como "um dos mais poderosos órgãos de conhecimento da nossa época".

No entanto, os sócios não se limitaram a publicar artigos e livros. Muitos deles chegaram a ocupar posições centrais no aparato de governo dos maiores países. Nos tempos da presidência Reagan (1981-1988), de cerca de 80 conselheiros econômicos do presidente, mais de um quarto eram da MPS.

As liberalizações financeiras decididas pelo governo Thatcher na primeira metade dos anos 1980, que mudaram o rosto da economia britânica, foram elaboradas, em grande parte, pelo Institute of Economic Affairs, uma filiação da MPS fundada e dirigida por dois sócios, Antony Fisher e Ralph Harris.

A cúpula da indústria francesa e alemã sempre foram numerosos nas fileiras da MPS, entretendo estreitas relações com os sócios provenientes do mundo político.

De destaque foi a participação italiana na MPS. Entre os seus primeiros sócios, estava Luigi Einaudi. Dois italianos foram presidentes: Bruno Leoni (1967-1968) e Antonio Martino (1988-1990), que ainda figura entre os sócios, ao lado de (salvo engano) Domenico da Empoli, Alberto Mingardi, Angelo Maria Petroni, Sergio Ricossa.

Duas características marcam fortemente a hegemonia da MPS sobre a cultura e a práxis econômico-política dos Estados europeus a partir dos anos 1980. A primeira é a desmesura da vitória sobre qualquer outra corrente de pensamento – especialmente na economia. O keynesianismo, desde as origens o arqui-inimigo da MPS, foi reduzido à insignificância e, com ele, o pensamento de Schumpeter, de Graziani, de Minsky. Sobrevivem aqui e ali, em algum departamento universitário, mas na política econômica da União Europeia contam como zero.

À força de liberalizações inspiradas pela cultura da MPS, o sistema financeiro domina a política não menos do que a economia – como demonstrou mais uma vez o caso grego. Os sistemas públicos de proteção social estão em curso de avançada demolição: não servem, ao contrário, são nocivos, pois cada indivíduo, segundo a cultura neoliberal, é responsável pelo seu destino.

A escola e a universidade foram reformadas, começando pela Alemanha para acabar pela Itália, de modo a funcionar como empresas. Wilhelm von Humboldt deve estar se revirando no túmulo.

A segunda característica da cultura econômica neoliberal de formato MPS é a sua incrível resistência às pesadas refutações que a realidade lhe inflige há ao menos 15 anos. O início dos anos 2000 viu o colapso das empresas dot.com, glorificadas pelos economistas neoliberais, que, em nove de cada dez casos, eram estratagemas nos quais as Bolsas, em nome da hipótese de que os mercados sempre são eficientes, apostavam bilhões de dólares.

O fim dos anos 2000, ao contrário, testemunharam ao quase colapso da economia mundial, minada pelas finanças baseadas deliberadamente em milhões de empréstimos hipotecários que as famílias não tinham meios para pagar.

Depois de 2010, os economistas neoliberais e os políticos por eles doutrinados impuseram às populações da União Europeia as políticas de austeridade, que se revelaram um fracasso total na opinião dos seus próprios promotores. Em síntese, os economistas formato MPS predispuseram os dispositivos que produziram a grande crise; não a viram chegar; não souberam explicá-la e propuseram remédios que pioraram a situação. Apesar de tudo isso, continuam ocupando a sala de comando das políticas econômicas da União Europeia.

Se alguém pudesse perguntar a Gramsci como é que as esquerdas europeias, independentemente de como se denominem, começando pela italiana, foram abaladas sem opôr resistência pela ofensiva hegemônico do neoliberalismo iniciada em 1947 a partir de Mont Pélerin, talvez ele responderia "porque vocês não os souberam imitar".

Ao rio de publicações voltadas a afirmar a ideia dos mercados eficientes, vocês não souberam opor nada de semelhante, para demonstrar com argumentos sólidos que os modelos com os quais se queria demonstrar tal ideia se fundamentam em pressupostos totalmente inconsistentes.

Além disso, continuaria Gramsci, onde estão os seus artigos e livros que, dirigindo-se tanto aos especialistas, quanto aos políticos e ao grande público, cimentam-se para provar, a cada dia, com argumentos sólidos, a superioridade técnica, econômica, civil, moral da saúde pública sobre a privada; das pensões públicas sobre as privadas, diante dos ataques cotidianos às primeiras pela mídia e pelos políticos, baseados geralmente em dados incorretos; do Estado sobre as empresas privadas para produzir inovação e desenvolvimento, hoje, assim como em toda a segunda metade do século XX; da importância econômica e política dos bens comuns sobre o absurdo das privatizações?

Como a natureza tem horror ao vácuo, o vazio cultural, político, moral das esquerdas foi pouco a pouco preenchido pelas sucessivas levas de leitores, eleitores, professores, funcionários de partido e das instituições europeias, instruídas pelo coletivo intelectual que surgiu da MPS.

É preciso construir o consenso, e a MPS demonstrou saber fazer isso. As esquerdas nem sequer tentaram.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A longa marcha dos neoliberais para governar o mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV