'Não existe pureza ideológica em tempos de crise', diz Tsipras ao explicar acordo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS
  • Cardeal peruano defende agenda do Sínodo amazônico após ataques de Müller e Brandmüller

    LER MAIS
  • Padilha: suspensão de programa de medicamentos gratuitos coloca vidas e empregos em risco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Julho 2015


Durante entrevista concedida à TV pública da Grécia nesta terça-feira (17/07), o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que “não existe a segurança da pureza ideológica em tempos de crise” e ressaltou que “os que pensam que podem julgar estão iludidos”.

O premiê destacou que foram cinco meses de “decisões críticas” e que “lutou tanto quanto foi possível”. “Não vou permitir que falem que não respeitei os princípios da esquerda ou dos movimentos de nosso país”, afirmou.

A reportagem é de Vanessa Martina Silva, publicada por Opera Mundi, 14-07-2015.

Durante toda a entrevista, Tsipras deixou transparecer a dificuldade de aprovar o acordo de resgate e disse não ter encontrado apoio internacional. “Fui à Rússia, à China e aos Estados Unidos e ninguém disse que iria me apoiar. Não havia outras opções”, ressaltou.

Com relação ao ex-ministro da Economia Yanus Varoufaxis, que renunciou ao cargo após a vitória do “não” no referendo realizado no início do mês, Tsipras disse que eles mantêm uma boa relação e que o economista foi fundamental nas negociações, mas ponderou: “Ser um excelente acadêmico não faz necessariamente de você um bom político. É um economista brilhante e eu assumo as responsabilidades por seus erros”.

Com relação à posição que será adotada pelo partido antiausteridade de Tsipras, o esquerdista Syriza, diante de um possível racha na votação do acordo que será votado amanhã, o premiê cravou: “sou primeiro-ministro, não um ditador. Respeito a postura de cada deputado. Cada um votará de acordo com suas responsabilidades” e eliminou a possibilidade de expulsar os deputados que votarem contra o acordo: “a cultura do Syriza é baseada no diálogo”.

Da mesma forma, reafirmou que a sessão de amanhã será presidida pela presidente da casa, a deputada, Zoe Konstantoupoulo, que já se posicionou contra as medidas, mas disse que ao contrário do que fora cogitado, não irá renunciar.

“Um capitão, ainda que esteja em um mau caminho, a pior coisa que pode fazer é deixar o barco”, concluiu Tsipras ao justificar sua postura e ressaltar que não irá renunciar ou fugir das responsabilidades de primeiro-ministro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Não existe pureza ideológica em tempos de crise', diz Tsipras ao explicar acordo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV