A guerra da troika na Europa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A foto do migrante no colo do marinheiro: “É a Pietà do mar”

    LER MAIS
  • Nem normal, nem novo normal, mas bem viver

    LER MAIS
  • Nota de apoio ao Padre Edson Adélio Tagliaferro. Mais de cem padres já assinaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Julho 2015


"A estratégia do Syriza cumpriu uma tarefa importantíssima: colocar a nu a verdadeira economia de coações e chantagens que o sistema político-econômico europeu/mundial utiliza para subjugar os povos europeus aos “ajustes fiscais” e medidas de austeridade. Diante da dissolução iminente, o apelo do coletivo italiano Effimera é singelo e por resistência, testemunhando tempos decisivos de reorganização das forças. Hoje, nós no Brasil também somos Grécia, sob o estado de sítio do neocolonialismo financeiro. Aliás, somos muitas grécias e há bastante tempo", afirma UniNômade, 13-07-2015, ao traduzir e publicar o editorial de Effimera.

 

Eis o artigo.

A Europa está em guerra. Uma guerra declarada há anos pela oligarquia tecnofinanceira, com medo de que a crise norte-americana dos subprimes viesse a dilapidar o patrimônio dos bancos, que então precisam ser salvos pelos próprios estados europeus. Aplicou-se o golpe de estado na Grécia (Papandreu) e na Itália (nomeação de Monti graças a Napolitano) e se tutelaram Portugal, Irlanda e Itália. Agora se está organizando mais um golpe de estado na Grécia. A guerra leva sempre à ruína.

Na Itália, levou à precarização do trabalho e ao trabalho grátis. Na Grécia, 30% da população vivem em condições de pobreza. A guerra, hoje, aplica novos instrumentos. É a bazuca do aperto da liquidez e da asfixia econômica. Nada de novo. Antigamente, se chamava estado de sítio. Nesse momento, a Europa morre. Não existe mais. Não nos sentimos mais cidadãos europeus, menos ainda italianos.

Sentimo-nos habitantes do mundo apenas. A conclusão do Eurogrupo foi impor a capitulação à Grécia, segundo a regra do ‘bater em um para educar a todos’, e a referência à Espanha é óbvia.

Não existem mais álibis. Não se pode mais calar. É hora de lançar um plano ambicioso e pensar na auto-organização da Europa. Temos diante de nós uma ingente tarefa: voltar a construir, a partir das ruínas.

A partir também da análise de circuitos econômicos e monetários alternativos que não nos coloquem sob a espada de Dâmocles da troika. Precisamos nos libertar da chantagem do neocolonialismo financeiro. Para além das diversas leituras da crise. A guerra não consente divisões. Sobretudo entre quem faz de coração a denúncia do neoliberalismo e a construção de um mundo mais justo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A guerra da troika na Europa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV