Agrotóxicos: pobre daquele que crê estar seguro pela atuação governamental

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Julho 2015

"Apesar do negro cenário, o agrotóxico nosso de cada dia está presente em nossa vida conseguindo atravessar as autoridades fiscalizatórias com inacreditável facilidade. Partindo-se da legislação, pouquíssimas são as substâncias que possuem um limite máximo de exposição permitido ou mesmo um limiar tolerável no meio ambiente", escreve Anderson Valle, biólogo e Agente Ambiental Federal do Ibama, em artigo publicado por EcoDebate, 02-07-2015.

Eis o artigo.

As vendas anuais de agrotóxicos e afins no Brasil entre os anos de 2000 e 2012 tiveram um crescimento de 194,09%. Este crescimento tem se dado de forma exponencial atingindo 477.792,44 toneladas de ingredientes ativos comercializados nesse ano. Dentre eles, o herbicida cujo ingrediente ativo é o glifosato (comercializado pela Monsanto com o nome de Randup) aparece sempre na primeira colocação representando entre 30% e 50% das vendas nacionais. 

Ele é registrado para uso em 26 culturas. Pertence ao grupo químico glicina substituída e em sua monografia é informado que tóxico para organismos aquáticos, pouco tóxico para organismos do solo, aves e abelhas, e pouco bioacumulável. Também que é um produto pouco a medianamente persistente no solo, pouco móvel e apresenta elevada adsorção ao solo. Porém, há estudos indicando sua capacidade carcinogênica, seu potencial de alteração da reprodutibilidade e a capacidade de causar mutação genética em seres humanos.

Apesar do negro cenário, o agrotóxico nosso de cada dia está presente em nossa vida conseguindo atravessar as autoridades fiscalizatórias com inacreditável facilidade. Partindo-se da legislação, pouquíssimas são as substâncias que possuem um limite máximo de exposição permitido ou mesmo um limiar tolerável no meio ambiente. Por exemplo, vamos retomar o caso do glifosato: existe um limite de tolerância na água para que seja considerada potável, mas não no solo para que não cause um determinado dano ecológico. Outros ingredientes ativos nem limite indicativo de potabilidade para água possuem, ou seja, as normas consideram a água potável, mesmo que ela esteja infestada de veneno.

Barranco abaixo no controle de tais substâncias estão os órgãos públicos responsáveis pelo monitoramento, controle e registro do uso de agrotóxicos. Atualmente não há no Brasil um panorama nacional das áreas contaminadas por agrotóxicos. O glifosato é servido através da carne da vaca que se alimentou da pastagem contaminada e da soja transgênica, modificada geneticamente para resistir a altíssimas doses do herbicida.

A justificativa para que nenhum teste seja feito para medir o nível do glifosato nos alimentos que consumimos é que ele não é detectado pelo teste de multirresíduos, capaz de detectar vários outros agrotóxicos de uma só vez, e que realizar testes específicos para sua detecção se tornaria demais oneroso.

Orcei junto á Bioagri em junho deste ano, e o valor para o teste, por amostra, em alimento, solo ou água ficaria em torno de 1.200,00 reais por amostra. A este valor, o pensamento das autoridades públicas possivelmente seja: custear a desintoxicação é mais barato do que realizar os testes.

Entretanto, é possível que esta conta esteja errada. Nem mesmo o Ministério da Saúde tem noção destes valores, tanto que abriu edital de pesquisa no valor de 1.500.000,00 reais para ter acesso a algum valor aproximado. Em sua tese de doutorado, Wagner Soares estimou que nos cenários em que há maior risco nos estabelecimentos rurais verificou-se que para cada dólar gasto com a compra dos agrotóxicos US$ 1,28 poderiam ser gerados em custos externos com a intoxicação. Na prática, compramos agrotóxicos e enriquecemos os agricultores para depois assumirmos o gasto público da saúde.

Diante deste cenário, fugir da alimentação industrializada e primar pelo consumo de orgânicos é o que nos trará uma menor, mas não total, exposição aos agrotóxicos.

Notas

1. RABELO, Rafaela Maciel; VASCONCELOS, Reinaldo Aparecido; BUYS, Bruno Dorfman Mac Cormick; REZENDE, Jaciara Aparecida, DE MORAES, Karina de Oliveira Cham; OLIVEIRA, Régis de Paula Oliveira. Produtos agrotóxicos e afins comercializados em 2009 no Brasil: uma abordagem ambiental. IBAMA. Brasília. 89p. 2010. Disponível aqui

2. MAXIMIANO, Adriana de Araujo. Manual para requerimento de avaliação ambiental: agrotóxicos e afins. 1ed. Brasília: IBAMA. 2009. Disponível aqui.

3. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA. E ABASTECIMENTO (MAPA). Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários (AGROFIT). 2015. Disponível aqui.

4. ANASTASSIADES, M.; LEHOTAY, S.J.; STAJNBAHER, D.; SCHENCK, F.J. Fast and easy multiresidue method employing acetonitrile extraction/partitioning and “dispersive solid-phase extraction” for the determination of pesticide residues in produce. Journal of AOAC International, v. 86, n. 2, p. 412-431. 2003.

5. HIRAHARA, Y.; KIMURA, M.; INOUE, T.; UCHIKAWA, S.; OTANI, S.; HAGANUMA, A.; MATSUMOTO, N.; HIRATA, A.; MARUYAMA, S.; TIZUKA, T.; UKYO, M.; OTA, M.; HIROSE, H.; SUZUKI, S.; UCHIDA, Y. Validation of multiresidue screening methods for the determination of 186 pesticides in 11 agricultural products using gas chromatography. Journal of Health Science, v. 51, n. 5, p. 617-627. 2005.

6. FRENICH, A.G.; MARTÍNEZ VIDAL, J.L.; LÓPEZ-LÓPEZ, T.; CORTÉS AGUADO,S.; MARTÍNEZ SALVADOR, I. Monitoring multi-class pesticide residues in fresh fruits and vegetables by liquid chromatography with tandem mass spectrometry. Journal of Chromatography A, v. 1048, n. 2, p. 199-206. 2004.

7. NGUYEN, T.D.; YU, J.E.; LEE, D.M. A multiresidue method for the determination of 107 pesticides in cabbage and radish using QuEChERS sample preparation method and gas chromatography mass spectrometry. Food Chemistry, v. 110, n. 1, p. 207-213. 2008.

8. LESUEUR, C.; KNITTL, P.; GARTNER, M. Analysis of 140 pesticides from conventional farming foodstuff samples after extraction with the modified QuECheRS method. Food Control, v. 19, n. 9, p. 906-914. 2008.

9. MAJORS, Ronald E. QuEChERS – A new technique for multiresidue analysis of pesticides in foods and agricultural samples. LC GC Europe, v. 20, p. 574. 2007.

10. PAYA, P.; ANASTASSIADES, M.; MACK, D. Analysis of pesticide residues using the Quick Easy Cheap Effective Rugged and Safe (QuEChERS) pesticidemultiresidue method in combination with gas and liquid chromatography and tandem mass spectrometric detection. Analytical and Bioanalytical Chemistry, v. 389, p. 1697-1714. 2007.

11. CACHO, C.; TURIEL, E.; MARTÍN-ESTEBAN, A.; PÉREZ-CONDE, C.; CÁMARA, C. Clean-up of triazines in vegetable extracts by molecularly imprinted solid-phase extraction using a propazine-imprinted polymer. Analytical and Bioanalytical Chemistry, v. 376, p. 491-496. 2003.

12. IVANOFF, João Pedro Polito. Avaliação da potencialidade de utilização do método Quechers na análise multiresíduos de agrotóxico em hortigranjeiros. 2011. 38p. Trabalho de concluão de curso. (Graduação em Química Industrial). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Agrotóxicos: pobre daquele que crê estar seguro pela atuação governamental - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV