Remoções forçadas e sem aviso preocupam moradores de comunidades no Rio

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 10 Junho 2015

No Santa Marta, na Zona Sul do Rio; na Vila Autódromo, próxima ao Parque Olímpico na Zona Oeste; e na Favela do Metrô na Zona Norte. Uma série de “remoções relâmpago”, ou seja, remoções forçadas com pouco ou nenhum aviso prévio e frágil aprovação da Justiça,ocorreram em favelas de toda a cidade na última semana, em um clima de confusão e tensão no que parece ser uma nova etapa na política de remoção.

A reportagem é publicada por Pulsar Brasil, 09-06-2015.

Apenas 14 meses antes dos Jogos Olímpicos de 2016, a tomada de terras que tem caracterizado o período pré-Olimpíadas parece ir em uma direção cada vez pior. De janeiro de 2009 a dezembro de 2013, mais de 20 mil famílias, ou 67 mil pessoas, foram removidas de suas casas. O número de vítimas continua a crescer.

A Vila Autódromo, por exemplo, se tornou conhecida por décadas de resistência exemplar, o que resultou em títulos de posse para a comunidade e serviu de inspiração para as outras.

No entanto, frente a cinco anos de intimidação e incertezas, com autoridades da Prefeitura determinadas a limpar a área devido à sua proximidade com os Jogos Olímpicos, e as moradias de luxo que vão se seguir a eles, cerca de 90 por cento dos 600 moradores já deixaram a comunidade, aceitando ofertas de compensação financeira ou moradia pública da Prefeitura. Um pequeno grupo, no entanto, continua resistindo às remoções.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Remoções forçadas e sem aviso preocupam moradores de comunidades no Rio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV