Prisões de jovens e negros impulsiona crescimento da população carcerária no país

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • “Tudo o que está na ‘Amoris Laetitia’ foi aprovado por mais de dois terços dos padres sinoda

    LER MAIS
  • Manual de ciberataque contra o Papa Francisco. Artigo de Antonio Spadaro

    LER MAIS
  • Em quem se escorar?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 08 Junho 2015

'Mapa do encarceramento', que será lançado nesta quarta-feira pelo governo federal mostra que jovens e negros predominam nas prisões do país; pesquisa derruba defesa da redução da maioridade penal.

A reportagem é de Helder Lima e publicada por Rede Brasil Atual, 02-06-2015.

O encarceramento de jovens e negros no Brasil nos últimos anos impulsionou o crescimento da população carcerária, que passou de 296,9 mil pessoas, em 2005, para 515,4 mil em 2012, com elevação de 74%.

Os jovens, ou seja, os presos com idade entre 18 e 29 anos, representam 54,8% desse universo, enquanto os negros são 60,8% do total, segundo mostra o estudo “Mapa do Encarceramento – Os jovens do Brasil”, que é lançado nesta quarta-feira (3), em Brasília, pelo governo federal, por meio da Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) e Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O estudo foi conduzido pela socióloga Jacqueline Sinhoretto, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). “Esse crescimento tem a ver com escolhas de política criminal, com o tipo de delito que as polícias estão vigiando e que o sistema de justiça está dando prioridade. O foco é a prisão de jovens e negros. Nesse período, o encarceramento cresceu em todos os estados”, afirma Jacqueline.

A pesquisa traz um recorte racial e etário da população carcerária no país. Os dados permitem uma análise comparada com informações de ocorrências de homicídios, pondo em dúvida a eficácia do encarceramento massivo para a redução desse tipo de crime. O relatório deve ajudar o governo federal e gestões estaduais sensíveis à questão a adotarem ações e políticas para reduzir as vulnerabilidade dos jovens.

“Esse crescimento foi impulsionado por crimes que não são os mais graves. A imagem de que a cadeia está lotada de monstros não condiz com a realidade que estamos mostrando na pesquisa”, afirma Jacqueline. Ela diz que os governos estaduais estão priorizando, em primeiro lugar, “prender pessoas que cometem crimes contra o patrimônio; em segundo lugar com drogas; e em terceiro lugar, crimes contra a vida”.

A pesquisa também permite questionar a redução da maioridade penal, de 18 para 16 anos, defendida pelas bancadas conservadoras do Congresso Nacional, onde a proposta de emenda constitucional (PEC 171) está tramitando. “Fizemos o levantamento sobre adolescentes cumprindo medidas de privação de liberdade e aí vemos que o perfil não é o que está sendo propagado pela mídia, de criminosos contumazes, de homicidas desbragados”, diz Jacqueline. Segundo ela, o perfil predominante se relaciona a crimes de pequena monta.

“Prender jovens já é o que o país está fazendo, é o que as políticas públicas estão fazendo e isso por si só não tem o potencial de reduzir o crime violento”, afirma. “A gente compara as taxas de encarceramento com as taxas de homicídio e o que vemos é que na maior parte dos estados cresceu o número de presos e poucos estados conseguiram reduzir os homicídios. Portanto, colocar os jovens na cadeia não é igual a reduzir homicídios”. Para Jacqueline, não há nenhuma lógica que leve a acreditar em efeitos positivos da redução da maioridade na criminalidade.

Jacqueline defende que a redução da maioridade vai agravar o problema do crime e da violência no Brasil. “Você vai colocar pessoas que têm um perfil vulnerável, por serem muito jovens, em prisões precárias, superlotadas, em que você tem a presença de organizações criminais, onde você tem um número de pessoas que são mortas dentro dessas prisões, que ainda é maior do que a violência que você tem nas ruas. Vai aumentar a superlotação e a força das organizações criminais para recrutarem esses jovens”, assegura.

Um dado que chama a atenção na pesquisa é o crescimento exponencial da população carcerária no estado de Minas Gerais no período, à razão de 624%. Para Jacqueline, esse aumento é uma “aberração”. Ela afirma que “a população carcerária cresceu como um todo, e num primeiro momento eles tiveram um efeito de redução de homicídios, mas no período em que analisamos o homicídio voltou a crescer, estão prendendo muito e não estão conseguindo reduzir a criminalidade”.

O dado mais preocupante, segundo a pesquisadora, é a influência da privatização do sistema carcerário, levada adiante pelo governo de Aécio Neves (PSDB). “É um detalhe preocupante, Minas é um estado que tem presídios privados e, portanto, existe um negócio em torno do crescimento do número de vagas no sistema prisional, de gente que lucra para ter muitos presos”, diz.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Prisões de jovens e negros impulsiona crescimento da população carcerária no país