Monedero, após sua saída: “Sinto-me livre das correntes; penso que Pablo tem inveja de mim”

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 18 Maio 2015

Aquele que foi o “número três” do Podemos mostra-se desenganado com a política e defende que sua saída foi “uma chamada de atenção”. “É terrível que não tenhamos tido tempo para parar a bola e ver como estamos”, garante.

 
Fonte: http://bit.ly/1IDbUb9  

A reportagem é publicada por Voz Populi, 15-05-2015. A tradução é de André Langer.

Juan Carlos Monedero defendeu o “desarmamento” dos “generais medíocres” que fazem parte do Podemos e lançou um aviso sobre a possível tendência do partido à moderação. “A moderação desarmaria o Podemos”, disse em uma entrevista concedida ao jornal El País, recolhida por Europa Press.

O cofundador e ex-dirigente do Podemos defendeu que sua saída foi “uma chamada de atenção” e acrescentou que, por este motivo, o secretário-geral do partido ‘morada’, Pablo Iglesias, “sem dúvida” já mudou seu discurso e estratégia política. “O pior que pode acontecer é que quando um líder falar já se saiba de antemão o que ele vai dizer”, argumentou.

Monedero não quis citar os nomes desses “generais medíocres” – foi perguntado diretamente por Íñigo Errejón – aos quais, segundo ele, “é preciso perdoar sua mediocridade sempre que for desarmada”. Falou exclusivamente de Pablo Iglesias: “As classes médias necessitam daquilo que o Podemos começou a dar novamente – comentou –, ferramentas de indignação diante das pessoas que nos estão arranhando”.

Aquele que fora o “número três” do Podemos recordou seu papel como cofundador e como professor de muitos dos membros do Podemos. “Um aluno nunca decepciona o seu professor”, disse. Não obstante, mostrou-se desenganado com a política, queixando-se dos “ataques desproporcionais” que chegaram a produzir nele “ira”. De fato, disse que o ministro Cristóbal Montoro lhe disse que “iria triturá-lo”.

“Eu não me sinto quebrado”, comentou finalmente sobre sua saída do Podemos, ao que acrescentou: “Penso que Pablo (Iglesias) tem inveja de mim. É terrível que não tenhamos tido tempo para parar a bola e ver como estamos. A política não pode ser como essas famílias que só se encontram nos serviços”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Monedero, após sua saída: “Sinto-me livre das correntes; penso que Pablo tem inveja de mim” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV