Jubileu: os presos em São Pedro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • Francisco desafia Trump com primeiro cardeal afro-americano

    LER MAIS
  • Surgem provas de que o Vaticano censurou o Papa Francisco em 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Mai 2015

Desta vez, não há números. Um milhão de peregrinos, dois milhões ou talvez mais, quem sabe. O Ano Santo da Misericórdia do Papa Francisco deverá entrar para a história como um momento de espiritualidade em massa. Mas nada de números.

A reportagem é de Franca Giansoldati, publicada no jornal Il Messaggero, 06-05-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Não haverá shows, nem negócios, somente a redescoberta da caridade, da fé, da possibilidade individual de encontrar luz na escuridão. É isso que o Jubileu Extraordinário será no imaginário coletivo.

"Eu não gosto de fazer previsões, até porque não faz sentido. Hoje, não podemos ser infalíveis sobre os números. E, além disso, com Francisco, os números são maiores do que os do passado. Isso nos faz pensar em uma consistente presença de peregrinos." Quantos? Dom Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização, levanta os olhos para o céu. O fator Francisco é uma variável imprevisível.

A máquina está se colocando em movimento. Na próxima semana, haverá a primeira reunião bilateral entre Itália e Santa Sé para planejar a acolhida, o início de uma jornada que entrará na sua fase operacional no dia 8 de dezembro próximo, com a abertura da Porta Santa.

Embora em Roma estejam previstos apenas cerca de 20 eventos mundiais – incluindo o Jubileu dos doentes, dos catequistas, o dos prisioneiros, que será uma novidade absoluta, porque Bergoglio quer convidar os detentos para São Pedro –, resta o suspense sobre quantas pessoas Francisco vai atrair para Roma, ele que é o papa amado pelas multidões e que atua sobre as pessoas como um ímã.

Presos

O primeiro encontro está agendado para os dias 19 a 21 de janeiro. Será reservado àqueles que trabalham no setor da organização das peregrinações. Nessa ocasião, será pedido que os participantes façam um trecho a pé, para se preparar para atravessar a Porta Santa. "É um sinal para fazer com que se compreenda que o Ano Santo é uma verdadeira peregrinação e, como tal, deve ser vivida."

No dia 6 de novembro, será realizado o Jubileu dos encarcerados. "Ele não acontecerá apenas nas prisões, mas estamos estudando a possibilidade de que alguns presos possam vir a São Pedro." A realização concreta, no entanto, ainda deverá ser vista.

Roma continua sendo o centro do Jubileu, mas só idealmente: muitas iniciativas estarão conectadas às periferias do mundo, nos santuários, nas dioceses. Outra novidade importante diz respeito ao envio de uma força-tarefa de religiosos, os missionários da misericórdia, aos quais será dado o poder de absolver pecados reservados à Santa Sé ou ao bispo. Por exemplo, o aborto.

"Ele serão o braço longo do papa." Na prática, poderão absolver os médicos pelo aborto provocado e também quem abortou. Embora, atualmente, cada bispo já possa conceder por iniciativa própria a faculdade de perdão ao cônego penitenciário.

Enquanto isso, foi apresentado o logotipo, foi ativada a página da internet (www.im.va) e está sendo estudado um aplicativo para smartphones. É a misericórdia 2.0.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jubileu: os presos em São Pedro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV