O rótulo alterado

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • Em 10 anos, Brasil desmatou à toa 7 milhões de hectares de floresta amazônica

    LER MAIS
  • PEC dos gastos é severa com mais pobres e violará direitos humanos, diz relator da ONU

    LER MAIS
  • Congresso pode obrigar avisar empresa antes de fiscalizá-la por escravidão

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

05 Maio 2015

"Qual a razão econômica do nobre deputado se empenhar tanto na alteração de um simples rótulo que dava o direito de escolha às pessoas? Por que tanto empenho do deputado em garantir o lucro do agronegócio em detrimento do direito do cidadão de escolher o que ele deseja consumir? Ok, se o sujeito acredita que transgênicos não são problema e os consome; mas onde fica o meu direito de não acreditar que eles são produtos benéficos para a minha saúde? Enquanto isso, na Europa até mesmo a ração animal é identificada quando usa produtos geneticamente modificados", escreve Adriana Franciosi, jornalista e fotógrafa, em artigo publicado no jornal Zero Hora, 05-05-2015.

Eis o artigo.

Mais uma vez, a liberdade de escolha é afrontada pela Câmara dos Deputados, que acaba de aprovar a resolução da retirada dos rótulos do “T” que alertava para produtos transgênicos. O projeto de autoria do deputado gaúcho Luis Carlos Heinze (PP-RS) é uma síntese da inexistência de liberais de fato neste país: liberais que defendam o princípio básico de liberdade de escolha. Isso significa que eu, você ou a mãezinha que escolhe a papinha do seu filho não poderemos saber que tipo de produto vamos consumir. Segundo o deputado, não há necessidade de informar o público, já que, na visão dele, os transgênicos são absolutamente seguros. Será?

Qual a razão econômica do nobre deputado se empenhar tanto na alteração de um simples rótulo que dava o direito de escolha às pessoas? Por que tanto empenho do deputado em garantir o lucro do agronegócio em detrimento do direito do cidadão de escolher o que ele deseja consumir? Ok, se o sujeito acredita que transgênicos não são problema e os consome; mas onde fica o meu direito de não acreditar que eles são produtos benéficos para a minha saúde? Enquanto isso, na Europa até mesmo a ração animal é identificada quando usa produtos geneticamente modificados. E o consumidor europeu cada vez mais exige a identificação de todo e qualquer rótulo, e cada vez consome menos esse tipo de alimento. Mas por aqui os “interéeeeesssessss” do lobby mais rastaquera continuam dando as cartas. São eles que elegem esses senhores com seus discursos moralistas, anticorrupção e mil blá-blá-blás, mas que no fundo só representam interesses econômicos muito bem conhecidos.

Enfim, termino rezando para que nasça algum liberal neste país que defenda o princípio da liberdade de escolha. Ou, quem sabe, apelamos para a velha esquerda defender um princípio liberal, garantindo o nosso direito. Esse Congresso atual é para envergonhar qualquer cidadão minimamente informado. E, mais uma vez: não sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra. O Brasil está na contramão da legislação dos países mais desenvolvidos, que têm, sim, a identificação dos produtos como transgênicos ou não. O nobre deputado Heinze, que já ofendeu índios, negros e homossexuais como “tudo aquilo que não presta”, diz bem a que veio.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O rótulo alterado