Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

CNI vê como 'urgente' projeto da terceirização, combatido por centrais

Ao divulgar a agenda legislativa do setor para 2015, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) passou dois recados para o governo e ao mesmo tempo acendeu o alerta vermelho para as centrais sindicais. A entidade lista 128 propostas consideradas prioritárias. Dezoito fazem parte de uma "pauta mínima" e cinco são consideradas urgentes. Entre essas cinco, está o Projeto de Lei (PL) 4.330, sobre terceirização, que sofre cerrada oposição das centrais sindicais e está previsto para ser votado na primeira semana de abril.

A reportagem é de Hylda Cavalcanti, publicada pela Rede Brasil Atual, 24-03-2015.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, defendeu o ajuste fiscal em curso e deixou claro que “é imperativo fazê-lo para buscar o equilíbrio das contas públicas e combater a inflação”. Mas fez uma crítica à desoneração das empresas na folha de pagamento, cujo percentual o Executivo pretende reduzir. Por outro lado, ele divulgou na pauta pelo menos quatro projetos que afetam diretamente a vida dos trabalhadores: além da terceirização, redução da jornada de trabalho, dupla vista nas fiscalizações de trabalho e novas regras para dispensa de empregados.

O documento – que é elaborado e encaminhado há 20 anos – foi entregue ao presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), em solenidade marcada por auditório lotado de parlamentares e representantes do empresariado de todos os estados. E destacado por muitos aplausos a Calheiros quando Andrade agradeceu por ter devolvido ao Executivo a medida provisória que altera as alíquotas de desoneração da folha de pagamento (que foi reenviada ao Legislativo na forma de um projeto de lei). “O ajuste é indispensável, mas deve ocorrer sem que se transforme em ambiente de asfixia do setor produtivo”, ressaltou o dirigente da confederação.

Segundo Andrade, as desonerações não foram responsáveis pela redução de receitas da União. E, ao contrário disso, levaram a receita a aumentar, se comparadas proporcionalmente. "A realidade torna necessária uma reforma tributária no país, como forma de ajudar o setor a aumentar sua produtividade e ter maior competitividade.”

A CNI também apontou como uma matéria por cuja aprovação pretende trabalhar, mas com ressalvas, a MP 664, que trata de alterações no acesso a benefícios previdenciários. O intuito é fazer com que as empresas não sejam obrigadas a arcar com uma parcela maior do salário dos funcionários que tirarem licença médica. Conforme a legislação atual, o empregador responde pelos primeiros 15 dias de afastamento, e depois os empregados são encaminhados para a Previdência Social. O texto da MP amplia este período para 30 dias. "A mudança vai desestimular novas contratações", afirma o presidente da confederação.

Matérias polêmicas

Entre as propostas cujo teor é considerado divergente do que deseja a CNI, estão a redução da jornada de trabalho (PEC 231/1995) e novas regras sobre dispensa de empregados (MSC 50/2008). Entre os projetos que a CNI confirmou apoiar e deixou claro que pretende trabalhar para que sejam aprovados estão, nesta lista de prioridades, o da nova Lei de Licitações (PLS 559/2013), o de acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado (PLC 2/2015) – considerado um retrocesso por parte de ambientalistas e movimentos sociais –, a exigência de dupla vista nas fiscalizações de trabalho (PLS 149/2014) e o Código de Defesa do Contribuinte (PLS 298/2011).

O argumento apresentado pela entidade é de que estas matérias, se aprovadas da forma defendida pelo setor patronal, serão capazes de melhorar o ambiente de negócios e estimular a economia em temas como burocracia, tributação e infraestrutura. Em relação ao PL da terceirização, por exemplo, o documento enfatiza que a falta de regulamentação da terceirização é fonte de insegurança a empresas e empregados prestadores de serviços, “que põe sob risco constante milhões de empregos formais em toda a economia”.

Ao abordar a questão, a CNI apresentou, inclusive, dados de uma pesquisa que realizou segundo a qual 70% das empresas do setor industrial utilizam serviços terceirizados e 57% teriam sua competitividade prejudicada caso sejam impedidas de contratá-los.

A grande briga nessa questão, a terceirização da atividade-fim, que é contestada pelas centrais sob a argumentação de que leva à precarização do trabalho, é apoiada pelos dirigentes da entidade. “Na terceirização, prevalecem os serviços especializados e diretamente ligados às etapas produtivas, não se resumindo aos serviços auxiliares. A terceirização não pode ser confundida com precarização das relações de trabalho porque não é”, disse o empresário goiano Gilvandro Torres.

Na mesma linha, o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Filho – ex-presidente da própria CNI –, afirmou que a questão da terceirização, hoje, é a necessidade de dar segurança jurídica para as empresas e trabalhadores, deixando claro seu entendimento de que considera irrelevante atividade-fim ou atividade-meio. “Acho que o assunto não deve é ficar parado no Congresso. A questão do que é atividade fim ou meio pode ser melhor discutida, embora eu ache que não haja problema terceirizar também a atividade-fim, contanto que passe a existir um marco seguro (para a terceirização)”, acentuou .

Robson Andrade afirmou ser preciso "desatar as amarras para criar um ambiente empreendedor no país, que seja propício ao desenvolvimento sustentável com crescimento econômico e todas as reformas macroeconônicas necessárias”. “Em essência, não há mais espaço para timidez. Precisamos agir e lutar para que as reformas importantes para tornar nossa economia mais competitiva sejam realizadas.”

Na prática, as 128 propostas que integram a chamada agenda legislativa 2015 da CNI refletem os pilares da agenda de competitividade descrita em 42 documentos preparados pela entidade, no ano passado.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já avisou que colocará o PL 4.330 em pauta no início do mês que vem. Ele se reuniu com o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, para tratar do assunto.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium