Hans Küng, o teólogo que escolherá a ''doce morte''

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • As sete antífonas do 'Ó': celebrando o mistério da vinda de Jesus

    LER MAIS
  • O que está acontecendo no Vaticano

    LER MAIS
  • Evangélicos franceses enfrentam retaliação após o sucesso de Trump e Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Março 2015

Rebelde, contracorrente, herege, anticonformista. Até o fim. O teólogo Hans Küng reivindica o direito de escolher o momento último, o da passagem final. A eutanásia é a sua última batalha teológica.

A reportagem é de Franca Giansoldati, publicada no jornal Il Messaggero, 23-03-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"O indivíduo possui tanto uma responsabilidade diante de Deus e das pessoas, quanto o direito de decidir autonomamente a própria vida e a própria morte."

Agora que a saúde o está abandonando, o teólogo de Tübingen reforçou a tese da autodeterminação, mesmo que em desacordo com o magistério da Igreja.

A reviravolta se justifica porque põe fim aos sofrimentos e às fases últimas das mais graves doenças degenerativas. Em um livro intitulado Morire Felici? Lasciare la vita senza paura [Morrer felizes? Deixar a vida sem medo] (Ed. Rizzoli, 158 páginas), o teólogo exige aberturas teológicas, reivindicando o seu ser católico e cristão.

"Em mim, não há nenhum retrocesso na fé." O livro foi concluído em junho do ano passado, pouco antes que as suas condições de saúde sofressem uma deterioração causada pelo Parkinson.

"Literalmente, de um dia para o outro, eu tive a impressão de ter perdido o controle da minha vida, uma situação que melhorou pouco a pouco só depois de semanas de tenaz assistência médica. Foi justamente a experiência que eu queria evitar a todo o custo, não poder mais decidir livremente sobre a minha vida e a minha morte, deixar fugir o momento certo."

Küng explica que essa convicção amadureceu ao longo do tempo. Em particular, observando, há vários anos, a morte do irmão Georg, causada por um tumor no cérebro e a morte, mais recente, do amigo e colega Walter Jens, reduzido a um estado vegetativo. "Essas experiências consolidaram a minha convicção: não quero morrer assim!"

Küng declara continuar ainda "professando a primeira das quatro normas imutáveis da ética mundial, a do respeito por toda vida". Ele assegura que o dogma da sacralidade da pessoa continua sendo uma pedra angular da cultura católica, apesar do direito à doce morte.

Não se trata de princípios antitéticos, nem de uma contradição. "Justamente à luz dessa fé na vida, posso escolher com a minha responsabilidade quando e como morrer. Se isso me fosse permitido, gostaria de me apagar de modo consciente e de dizer adeus aos meus entes queridos com dignidade."

Vida eterna

De acordo com ele, tal atitude "se fundamenta na esperança da vida eterna". Em suma, a eutanásia "não tem nada a ver com um autoassassinato arbitrário e ímpio". A legalização da "morte consciente" é capaz de interpretar de maneira mais profunda o valor da sacralidade da pessoa?

As perguntas de Küng se sobrepõem: por que não aceitar a possibilidade de restituir gentilmente o dom da vida? "Faz parte do meu modo de conceber a vida e está ligada à minha fé na Vida Eterna a escolha de não prolongar por tempo indeterminado a vida terrena."

E mais: "É consequência do princípio da dignidade humana o princípio do direito à autodeterminação, até mesmo para a última etapa. Do direito à vida, não decorre em caso algum o dever de continuar vivendo em todas as circunstâncias. A ajuda a morrer deve ser entendida como uma ajuda extrema para viver".

Atualmente, Hans Küng (que está hospitalizado na Suíça) anunciou que quer pôr fim à sua vida quando forem perceptíveis os sintomas da degradação espiritual e física. Ele é membro da Exit, a organização que auxilia aqueles que desejam ser ajudados a morrer serenamente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hans Küng, o teólogo que escolherá a ''doce morte'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV