Protesto contra nova sede do BC Europeu termina com 350 presos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Março 2015

Deveria ser um grande dia para o Banco Central Europeu (BCE), mas se tornou uma batalha campal. A inauguração da nova sede do BCE, em Frankfurt, cujo custo chega a 1,2 bilhão de euros (4,1 bilhões de reais), foi manchada pelos confrontos. A polícia da cidade informa em sua conta no Twitter que 350 pessoas foram presas por perturbação da ordem pública.

A reportagem é de Luis Doncel, publicada no jornal O Globo, 19-03-2015.

Os manifestantes, alguns encapuzados, lançaram pedras, levantaram barricadas e bloquearam várias ruas com cestos de lixo e pneus incendiados no centro da capital financeira da Alemanha. Pelo menos sete carros da polícia foram incendiados, e há dezenas de feridos. O presidente do BCE, Mario Draghi, considera o novo edifício um símbolo do “melhor que a Europa pode conseguir junta.”

Assim que começou seu discurso, por volta das 11h30 na hora local (7h30 em Brasília), Draghi mencionou os manifestantes nas ruas de Frankfurt. “Dizem que a Europa está fazendo muito pouco. Outros, como os populistas, dizem, por sua vez, que está fazendo demais. Mas nenhum dos dois oferece soluções aos desafios que temos hoje”, disse o chefe do BCE.

Draghi concorda com os manifestantes que “a solidariedade é um elemento central para a integração europeia”, mas faz ressalvas a esse discurso. “A zona do euro não é uma união política na qual alguns países tenham que pagar permanentemente por outros”, acrescentou durante um evento que contou com a presença dos governadores dos bancos centrais nacionais da zona do euro. Portanto, as acusações contra o BCE são, segundo Draghi, “injustas”.

Os organizadores da manifestação, um grupo chamado Blockupy, em alusão ao movimento Occupy Wall Street de 2011, estimam que 10.000 pessoas participaram do protesto diante da sede do BCE.

O Blockupy quer dar voz aos elementos mais críticos em relação a instituições como a troika, o organismo formado pelo BCE, pela Comissão Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional, que supervisiona as reformas em países que foram resgatados na zona do euro.

“Nosso protesto é contra o BCE como membro da troika que, apesar de não ter sido eleita democraticamente, dificulta o trabalho do Governo grego. Queremos que as políticas de austeridade terminem”, afirmou à Reuters Ulrich Wilken, um dos organizadores da manifestação. “Queremos um protesto pacífico, mas barulhento”, destacou.

O edifício, no qual boa parte dos funcionários do BCE trabalha há dois meses, custou mais de 1,2 bilhão de euros, 350 milhões a mais do que a estimativa inicial. São torres gêmeas de 182 metros de concreto, vidro e aço, cuja construção levou 12 anos.

A instituição teve que continuar pagando o aluguel (de 200.000 euros por mês) de sua antiga sede, a Eurotower, para acomodar milhares de empregados contratados para as novas tarefas de supervisão. A instituição financiou toda a operação com recursos próprios

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Protesto contra nova sede do BC Europeu termina com 350 presos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV