Debate sobre gays nos desfiles de São Patrício irrita católicos conservadores

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • “O Judiciário foi usado como vingança e impediu que a democracia siga seu curso”, afirma a antropóloga Lilia Schwarcz

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Março 2015

O Dia de São Patrício está tão associado com o catolicismo romano quanto o é com os americanos descendentes de irlandeses, mas neste ano alguns dos fiéis não ficaram felizes com a inclusão de gays e lésbicas que marcharam, pela primeira vez com um banner próprio deles, nos desfiles de Boston e de Nova York.

A reportagem é de David Gibson, publicada pelo Religion News Service, 16-03-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Pela primeira vez no domingo, 15 de março, membros do OutVets, grupo de ex-combatentes militares gays, marcharam no desfilo do Dia de São Patrício, no sul de Boston. A eles se juntou o deputado republicano Seth Moulton, ao centro. (AP Foto/Steven Senne)

Os Cavaleiros de Colombo, de Massachusetts, e uma escola católica local não aceitaram participar no desfile em Boston nesse domingo (15 de março) depois que dois grupos LGBTs – o OutVets e o Boston Pride – marcharam após décadas de lobby e batalhas judiciais.

“O venerável nome deste santo não deveria ser apropriado desta forma tão barata por políticos teoricamente católicos e organizações anticatólicas”, disse C.J. Doyle, presidente da Catholic Action League e líder da oposição.

O desfilo de Nova York acontece na 5ª Avenida, nesta terça-feira (17 de março), dia em que se comemora a festa de São Patrício, e o Cardeal Timothy Dolan está recebendo pedidos por parte de católicos conservadores para não participar como Mestre de Cerimônias porque um grupo LGBT estará desfilando no evento.

Quando a NBC (rede de tevê que transmite o evento) primeiramente anunciou, em setembro passado, que uma organização de LGBTs estaria marchando, Dolan manifestou apoio aos organizadores do desfile e rezou para que “o evento continue a ser uma fonte de unidade para todos nós”.

Os críticos não pouparam Dolan por sua postura, e têm intensificado os seus esforços na medida em que o dia se aproxima.

“Agora não pode haver dúvida: Timothy Dolan foi feito de otário pelos organizadores do desfile comemorativo ao Dia de São Patrício, aqui em Nova York. Ele deve renunciar o papel de Grão-Mestre de Cerimônias”, escreveu Matthew Hennessey no website da revista conservadora católica Crisis.

“Ao liderar a procissão, ele abençoa inteiramente este caso vergonhoso”, concluiu.

Por outro lado, alguns defensores dos direitos dos gays e lésbicas, bem como alguns simpatizantes, estão intensificando os protestos para este dia, dizendo que mais e mais grupos gays deveriam se fazer presentes no evento em Manhattan.

“É claro que a decisão do ano passado foi apenas para aplacar os patrocinadores do desfile”, disse Rosie Mendez, que é membro do Conselho Municipal da Cidade de Nova York. “Até que os meus irmãos e irmãs gays irlandeses possam participar deste desfile, eu não estarei marchando”.

O prefeito Bill de Blasio disse, no começo deste mês, que iria boicotar o desfile se não fossem incluídos mais grupos LGBTs; em protesto, de Blasio não marchou no ano passado.

“Precisamos de algo mais para que realmente tenhamos certeza de que viramos esta página. Muitas pessoas acham – e com razão – que isto que conseguimos é uma mudança muito pequena para merecer a nossa participação”, acrescentou de Blasio.

Enquanto isso no estado da Virginia, o pastor de uma paróquia católica em Norfolk rompeu os laços com o conselho local dos Cavaleiros de Colombo depois que o grupo escolheu o governador Terry McAuliffe para ser o Grão-Mestre de Cerimônias do desfile. McAuliffe é católico e apoia o direito ao aborto e a casamento homoafetivo.

O Rev. Dan Beeman, da comunidade Holy Trinity, em Norfolk, disse aos paroquianos, em 8 de março, que “ficou perplexo quando soube que os Cavaleiros (...) decidiram homenagear o governador”.

Os dois bispos católicos da Virginia, Dom Francis DiLorenzo (da Diocese de Richmond) e Dom Paul Loverde (da Diocese de Arlington), publicaram uma declaração conjunta apoiando a postura do Rev. Beeman.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Debate sobre gays nos desfiles de São Patrício irrita católicos conservadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV