"Não faremos um ato pró-Dilma", diz presidente da CUT

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Março 2015

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, garante que as manifestações marcadas pela entidade (em parcerias com outras 15 organizações) para o dia 13 de março não terão como mote a defesa da presidente Dilma Rousseff (PT). Na sexta-feira e no domingo outros atos marcados pelas redes sociais pedirão seu impeachment. "Estamos preocupados com as medidas econômicas do governo. Somos contra as medidas de ajuste fiscal, mas não engrossamos nenhum tipo de golpismo", disse o dirigente.

A reportagem é de Pedro Venceslau, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 13-03-2015.

Um manifesto divulgado nesta quarta-feira, 4, e assinado por diversas entidades, entre elas a UNE, MST e CUT, defendem a "luta contra medidas de ajuste fiscal que prejudicam a classe trabalhadora". "Governo nenhum pode mexer nos direitos da classe trabalhadora. Quem ousou duvidar da nossa capacidade de organização e mobilização já viu do que somos capazes", diz o texto. Em outro trecho, o manifesto afirma que "defender os trabalhadores é lutar contra medidas de ajuste fiscal que prejudicam a classe trabalhadora".

As manifestações também protestarão contra as MPs 664 e 665, que restringem o acesso ao seguro desemprego, ao abono salarial e pensão por morte e auxílio-doença. Historicamente ligadas ao PT, as entidades envolvidas nos atos classifica a política de ajuste fiscal de Dilma como um "ataque a direitos duramente conquistados pela classe trabalhadora". Apesar do tom crítico, os atos sairão em defesa da Petrobrás e da democracia. Apesar de vagas, essas duas bandeiras serão a senha para que se entoe palavras de ordem contra o movimento que defende o impeachment da presidente.

Tensão

O grupo "Revoltados Online", que defende o impeachment de Dilma, marcou uma manifestação no mesmo dia e no mesmo local, com direito a um show da banda paranaense "Os Reaças". "Da nossa parte não vai ter violência. Orientamos nossa base a não entrar em provocação", diz o presidente da CUT.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Não faremos um ato pró-Dilma", diz presidente da CUT - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV