A alternativa. Artigo de Antonio Delfim Netto

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja precisa mudar a forma de escolher seus bispos

    LER MAIS
  • Após 11 anos, FMI ronda o Brasil a convite de Meirelles

    LER MAIS
  • Terceirização, uma solução de terceira para a economia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

05 Março 2015

preciso deixar de lado a hidrofobia, enfrentar todos os preconceitos, dar claro apoio ao programa do governo e confiar na capacidade de execução de seus ministros. Deixemos de tentar saber se há gasolina no tanque, iluminando-o com um fósforo aceso. Há!", escreve Antonio Delfim Netto, economista, em artigo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, 04-03-2015.

Eis o artigo.

Não é preciso ser um sofisticado economista "ortodoxo" ou "heterodoxo", classificação que, às vezes, apenas esconde duas igrejas secretas que guardam para si e seus sacerdotes "verdades" que a outra não vê e que, legítima e reciprocamente, colocam em dúvida, para saber que qualquer medida de política econômica tem, necessariamente, dois efeitos:

1) sobre o nível da atividade, um aumento ou uma subtração do PIB, isto é, do valor adicionado pela combinação do capital e do trabalho e

2) sobre como se distribuirão os benefícios (no caso de aumento do PIB) e os custos (no caso da subtração) do valor adicionado apropriado, respectivamente, pelo capital (lucro) e pelo trabalho (salário).

No momento em que, pressionados pelas circunstâncias, os países têm de fazer ajustes fiscais, que, até para efeito de "credibilidade", precisam ser acompanhados de reformas estruturais, como é o caso do Brasil, um país em rápido envelhecimento e com péssimas perspectivas para o seu sistema de seguridade social, o sucesso exige tanto arte política quanto competência técnica.

O novo programa do governo não pretende ser "ótimo", mas apenas o mais razoável possível dentro do espaço político disponível. Ele leva em conta os dois efeitos acima mencionados e tenta calibrá-los sem comprometer o nível de igualdade de oportunidade que já atingimos (efeito catraca). O seu grande problema é acordar as esperanças de todos os agentes e mostrar-lhes que a distribuição dos seus custos tem uma proporcionalidade que lhe garante o mínimo de moralidade para que não seja politicamente rejeitada. Como é óbvio, a tarefa só será executada com a compreensão, aprovação e forte apoio de toda a sociedade.

Honestamente, é preciso deixar de lado a hidrofobia, enfrentar todos os preconceitos, dar claro apoio ao programa do governo e confiar na capacidade de execução de seus ministros.

Deixemos de tentar saber se há gasolina no tanque, iluminando-o com um fósforo aceso. Há! Por mais que seja desagradável, é preciso reconhecer que a perspectiva da tempestade perfeita continua a nos espreitar. A alternativa que resta ao Brasil, se não tiver ânimo e forças para restabelecer, de fato, a sua credibilidade fiscal, é aceitar a perda do seu grau de investimento.

A partir daí, ainda que as agências de risco estejam meio desmoralizadas, será uma questão de tempo (não de se...) sermos vítimas de um turbilhão pelo qual, acreditem ou não os "heterodoxos", os famosos mercados dos "ortodoxos" vão nos impor o seu "ajuste", pouco se importando com seus custos ou com os seus efeitos. Nos meus 87 anos, já vi muito leão virar gato...