Congresso precisará considerar clima ao planejar infraestrutura, diz Nobre, secretário do MCTI

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Fevereiro 2015

Secretário do MCTI participou de café da manhã com especialistas na Câmara dos Deputados para discutir soluções para a crise da água no Brasil

A reportagem foi publicada pelo portal Brasil e reproduzida pelo portal EcoDebate, 05-02-2015.

O secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Carlos Nobre, defendeu nesta quarta-feira (4), em café da manhã da Frente Parlamentar Ambientalista, na Câmara dos Deputados, que o Brasil precisa colocar mudanças climáticas em todo o planejamento da infraestrutura nacional de agora em diante.

Essa questão é central para ser debatida no Congresso: como planejar um futuro da infraestrutura que dependa dos recursos naturais? Levamos em consideração mudanças climáticas ou não?”, questionou.

Na visão do secretário, essa tomada de conhecimento por Câmara dos Deputados e Senado Federal é essencial para o Brasil adaptar suas novas obras de abastecimento, energia e transporte à variabilidade climática, “porque vocês é que debatem o futuro do País, vocês é que aprovam o orçamento, vocês é que orientam as políticas públicas de desenvolvimento sustentável”.

Ele comentou os efeitos da imprevisibilidade do tempo no trabalho de hidrólogos, que aprendem, geralmente em escolas de engenharia civil, a estabelecer limiares de extremos climáticos no momento de projetar obras de infraestrutura, para que rodovias, pontes e reservatórios, por exemplo, resistam a inundações e secas.

Qual é a falha conceitual? É que as séries históricas em que eles se baseiam para esses estudos não são mais válidas. O clima está ficando mais variável. Esses cálculos têm que ser todos refeitos”, explicou.

Consciência

Para o deputado federal Sarney Filho (PV-MA), coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, o Congresso precisa conhecer mais o processo de mudanças climáticas, a fim de elaborar leis e propostas que minimizem efeitos da crise hídrica no País, tema principal do café da manhã na Câmara.

Quanto mais os parlamentares tomarem conhecimento da gravidade da situação, mais sensíveis estarão para poder se juntar a essa força da sociedade civil, que precisa garantir que os serviços ambientais sejam prestados ao Brasil e ao mundo”, disse Sarney Filho.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Congresso precisará considerar clima ao planejar infraestrutura, diz Nobre, secretário do MCTI - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV