Gaël Giraud, jesuíta, economista-chefe da Agência Francesa de Desenvolvimento?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • Francisco desafia Trump com primeiro cardeal afro-americano

    LER MAIS
  • Surgem provas de que o Vaticano censurou o Papa Francisco em 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 04 Fevereiro 2015

 
Fonte: http://bit.ly/1vqUM3i  

Gaël Giraud (foto), jesuíta e economista, poderá ser nomeado, proximamente, para o posto de economista-chefe da Agência Francesa de Desenvolvimento. A AFD é o “braço armado” da ação de desenvolvimento do Estado francês em matéria de desenvolvimento.

A reportagem é de Marie Dancer e publicada pelo jornal francês La Croix, 02-02-2015. A tradução é de André Langer.

Aos 45 anos, Gaël Giraud destacou-se até agora por seus trabalhos e suas defesas da transição energética e ecológica na Europa, mas também de profundas reformas do sistema bancário e financeiro.

“Falar às elites” para “fazer evoluir a situação”

Classificado com um antiliberal de esquerda, este economista irritou seriamente uma parte da classe política e econômica ao criticar abertamente a reforma bancária dotada pela França em 2013, lei que institui “uma separação [das atividades bancárias] que não regulam nada”, escreveu no semanário católico Pèlerin (11 de setembro de 2014). Gaël Giraud contribui também regularmente para as páginas do Forum, do jornal La Croix.

Caso a sua nomeação para a AFD se confirmar, poderá colocar em prática uma das suas maiores convicções: “Podemos nos mexer a vida toda sem que nada se move”, disse ao La Croix no dia 06 de setembro de 2014. “Para evitar isso, é preciso falar às elites que tem a possibilidade de fazer evoluir a situação: políticos, empresários, banqueiros, funcionários do Bercy. No campo da transição ecológica ou das lógicas financeiras, a resistência mais forte vem da cúpula da pirâmide”.

Por um desenvolvimento humano sustentável

A transição energética e ecológica constitui o segundo grande tema de pesquisa deste economista super diplomado (Normale-Sup e École Nationale de Statistique, tese na Polytechnique), com posto no CNRS e membro da Escola de Economia de Paris. A sua implementação daria “sentido à história europeia”, declarou ao La Croix (30 de novembro de 2012).

Um tema que faz sentido também para a Agência Francesa de Desenvolvimento. Metade das suas ações tem um “benefício climático”, ou seja, um impacto positivo na luta contra a mudança climática. Para esta instituição, com efeito, o desenvolvimento não se opõe à luta contra o aquecimento global. Pelo contrário, eles podem caminhar juntos.

Além de seus trabalhos acadêmicos e suas incursões nas esferas políticas e econômicas, Gaël Giraud não chegaria à AFD sem experiência de campo. Ele realiza pontualmente viagens de estudo à África. Recém diplomado, fez dois anos de cooperação no Chade, junto com crianças de rua.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Gaël Giraud, jesuíta, economista-chefe da Agência Francesa de Desenvolvimento? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV