Suplicy encerra mandato sem ser recebido por Dilma

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Janeiro 2015

O primeiro senador eleito pelo PT deixará o Senado daqui a dois dias, após 24 anos de mandato, com a frustração de não ter sido recebido sequer uma vez pela presidente Dilma, sua companheira de partido. Há um ano e meio, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) aguarda ser chamado pela presidente. O pedido foi reiterado pessoalmente em dezembro, quando ele a cumprimentou durante a sua cerimônia de diplomação. Na última terça (27), Suplicy enviou uma carta a Dilma em que questiona se alguém do Palácio do Planalto quer impedir o encontro entre os dois. Novo e-mail foi encaminhado hoje (quinta, 29) ao gabinete de Dilma com o mesmo propósito. Nenhum retorno até o momento.

A reportagem é de Fábio Góis e Edson Sardinha, publicada por Congresso em Foco, 29-01-2015.

Prestes a assumir a Secretaria de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Suplicy disse que não perdeu as esperanças – mesmo diante do fato de que seu mandato chega ao fim, na prática, amanhã (sexta, 30), e ele ainda terá compromissos acadêmicos no Nordeste (os novos senadores assumem no próximo domingo, 1º de fevereiro). O senador viajou para fazer palestras na Universidade Federal do Maranhão, mas ressalta que voa imediatamente para Brasília se Dilma chamá-lo para uma audiência.

“Se for da conveniência dela me receber no sábado, ou ao final da manhã ou de tarde, então pedi para me avisarem de hoje [quinta, 29] para amanhã. Eu gostaria muito, para que ela possa cumprir o que me disse”, declarou Suplicy à reportagem, por telefone, informando data e horário de voos que, ao primeiro sinal de Dilma, seriam alterados para permitir o encontro. “Eu disse a ela que há 24 anos sou senador do PT pelo estado de São Paulo, que ela sabe o quanto eu a tenho apoiado em praticamente todas as pautas discutidas, e sempre votado de acordo com o governo. E que seria justo que ela pudesse me receber. Estou nessa expectativa.”

Alckmin na agenda

Nada há definido na agenda presidencial sobre um encontro com Suplicy – o que não impede que a presidente o chame para uma reunião sem protocolos. Dilma, que acaba de participar da III Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, na Costa Rica, volta a Brasília na noite desta quinta-feira (29). Segundo a assessoria da Presidência da República, Dilma deve chegar à capital no final desta noite. Amanhã, às 14h30, ela receberá no Palácio do Planalto o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), para tratar da crise hídrica que assola o estado.

Perguntado sobre a razão de Dilma não tê-lo recebido em mais de quatro de anos de mandato, Suplicy não tergiversou. “Você vai precisar perguntar para ela”, disse, bem- humorado. No dia 6 de janeiro, o senador enviou uma mensagem à presidente, lamentando o veto que ela impôs a um projeto de sua autoria que instituía a linha de pobreza oficial no país.

“Vamos marcar”

Na mais nova carta enviada à petista, Suplicy lembra que ela mesma assumiu o compromisso de recebê-lo ainda como senador. A declaração foi arrancada de Dilma por Suplicy em dezembro, quando a presidente foi diplomada para o seu segundo mandato presidencial.

Na ocasião, em meio aos cumprimentos, o senador perguntou à companheira de partido se não considerava justo o encontro, dada sua importância histórica como um dos fundadores do PT e de sua atuação fiel como membro da base no Parlamento. E dela ouviu: “Mais do que justo!”, disse-lhe Dilma, acrescentando: “Vamos marcar”.

Na véspera de enviar a carta a Dilma, ainda na segunda-feira (26), Suplicy consultou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, para saber se alguém do Planalto queria impedir seu encontro com a presidente. Rossetto garantiu ao parlamentar que não havia qualquer objeção e que falaria com a própria Dilma para que o recebesse.

Papa e Evo Morales

A preocupação do senador é relatada na carta em que lembra a dificuldade que o presidente da Bolívia, Evo Morales, teve para ter uma audiência com o Papa Bento XVI no Vaticano. Segundo Suplicy, Evo passou dez anos em vão à espera de um encontro com o sumo pontífice que nunca se realizou. Coube ao Papa Francisco, argentino, realizar o desejo do presidente boliviano. “Ele [Evo] queria muito conversar, uma vez que justo na Igreja Católica da Bolívia havia forte oposição a ele. Souberam que todas as vezes que ele tentava, a Cúria na Bolívia se movimentava para que não acontecesse”, escreveu Suplicy, que conta ter sido aconselhado por petistas a se “postar no Palácio do Planalto até ser recebido”.

Os desencontros entre Suplicy e Dilma não são de hoje. Em 1º de novembro de 2010, um dia após a petista se tornar a primeira mulher a conquistar a Presidência da República, o senador levou orquídeas até a casa dela. Mas não pode entregar o presente. Aliás, não passou do portão: foi barrado por assessores de Dilma. “Disseram que ela está descansando. Na hora que ela quiser, voltarei para dar um abraço pessoalmente”, declarou a jornalistas, na ocasião, o senador.

Apesar das dificuldades na relação, o senador nunca se queixou da presidente. Em entrevista ao Congresso em Foco, ele disse que faltou sensibilidade e diálogo ao governo ao vetar o projeto que instituía a linha de pobreza. Os palacianos não teriam entendido, segundo o senador, as diretrizes da sua proposta. Na tão esperada audiência com Dilma, Suplicy pediria a constituição de uma comissão para discutir como será implementado o seu programa de Renda Básica de Cidadania, um complemento de renda a que cada cidadão terá direito, independentemente de classe social. Ele evita dizer se sente magoado com Dilma.

A íntegra da carta pode ser lida aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Suplicy encerra mandato sem ser recebido por Dilma - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV