Responsabilidade por clima ainda divide reunião da ONU

Revista ihu on-line

Biomas brasileiros e a teia da vida

Edição: 500

Leia mais

Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Mais Lidos

  • Richard Allen - 26 de março

    LER MAIS
  • O golpe de classe jurídico-parlamentar como farsa e tragédia

    LER MAIS
  • Brasil lança campanha internacional pelo empoderamento das mulheres rurais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

12 Dezembro 2014

As responsabilidades diferenciadas dos países na crise climática continuam sendo o ponto-chave da conferência de Lima, a CoP-20, que se aproxima do fim. A questão, que se refere à divisão dos cortes nas emissões de gases-estufa e aos desembolsos dos recursos financeiros, irá se estender para a próxima conferência, em Paris, onde se espera que seja assinado o acordo global climático a vigorar a partir de 2020.

A reportagem é de Daniela Chiaretti, publicada pelo jornal Valor, 12-12-2014.

A proposta brasileira, chamada de "círculos concêntricos", com três faixas onde poderiam se abrigar os países ricos, as grandes economias em desenvolvimento e os países mais vulneráveis (cada um com as suas metas e obrigações), foi muito discutida para o texto dos elementos do acordo - uma espécie de protótipo do que deve ser assinado na conferência francesa, em 2015.

"A nossa proposta é uma tentativa de superar a dificuldade", disse o negociador-chefe do Brasil, embaixador José Antonio Marcondes de Carvalho. Ele rebateu a intenção dos EUA e do bloco europeu de "autodiferenciação" - ou seja, se colocarem com as mesmas obrigações das economias emergentes, por exemplo - e disse que o que está sendo negociado em Lima está dentro do que diz a convenção do clima. "A convenção é lei em todos os países. O que eles propõem é uma ilegalidade que não podemos permitir."

O discurso do secretário de Estado americano, John Kerry, no início da tarde de ontem, foi em outra direção. "Todos os países têm que fazer a sua parte. E se você é uma grande nação em desenvolvimento e não está liderando, então, você é parte do problema", resumiu. "Mas é bem simples, não podemos ficar discutindo as fatias de cada um."

Mais da metade das emissões vem do mundo em desenvolvimento, frisou Kerry. "Ninguém aqui acredita que o acordo climático será a bala de prata que irá resolver esse problema", disse, lembrando que a janela de oportunidade está fechando rapidamente e que a solução passa pelas políticas energéticas. "Temos que tomar ações concretas e medidas ambiciosas. O acordo em Paris não é uma opção. É uma necessidade imperativa."

Gao Feng, um dos chefes da delegação chinesa, disse que "a convenção é um guia de princípios". Para os países em desenvolvimento, o mais caro é o que diz que todos os países têm responsabilidades na crise global climática, mas alguns têm que fazer mais que os outros, os desenvolvidos - argumento conhecido pela sigla CBDR.

Elina Bardram, chefe da delegação europeia, disse que o mundo não é o mesmo de 1992, quando a convenção do clima foi criada. "Todos respeitamos o princípio do CBDR, mas temos que aplicá-lo de um jeito mais contemporâneo. Hoje há muito mais diversidade na competitividade nas diferentes economias, os PIBs mudaram, assim como a capacidade de enfrentar a mudança do clima."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Responsabilidade por clima ainda divide reunião da ONU