Lima pode avançar em corte mais severo de gases de efeito estufa

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • Irma ou o fim da natureza. Artigo de Slavoj Zizek

    LER MAIS
  • Ataques a religiões de matriz africana fazem parte da nova dinâmica do tráfico no rio

    LER MAIS
  • Ataques contra o Pe. James Martin expõem um câncer dentro da Igreja Católica. Artigo de Robert W. McElroy, bispo de San Diego

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

09 Dezembro 2014

Negociadores de 195 países decidiram avançar em Lima no texto-base do acordo final sobre redução de emissões de gases do efeito estufa a ser assinado em Paris, em novembro de 2015. Copiado pela imprensa e por organizações não-governamentais na 20.ª Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP-20), no Peru, esse rascunho amplia a ambição do acordo de Paris ao mencionar seu objetivo final de impedir o aumento da temperatura média do planeta superior a 2ºC “ou 1,5ºC” até o fim deste século.

A reportagem é de Denise Chrispim Marin, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 09-12-2014.

Os textos anteriores se restringiam à meta de 2ºC. O valor de 1,5°C imporá ao mundo um corte mais severo de emissões, entre 2020 e 2100.

O rascunho não tem valor legal e tampouco foi plenamente digerido por grande parte dos negociadores presentes em Lima. “Se vocês não entenderam, não se preocupem, não são os únicos”, disse uma diplomata europeia. Mas é considerado bom começo para a discussão.

“Sairá um rascunho melhor daqui de Lima, com status jurídico claro”, declarou um negociador brasileiro. O Brasil e outros países esperam anexá-lo ao texto final da COP20, de Lima, cuja versão preliminar igualmente foi copiada ontem. Esse segundo texto traz o modelo segundo o qual as negociações de 2015 devem ser conduzidas e as ofertas nacionais, apresentadas. Terá de definir, entre outras questões básicas, qual o ano-base de comparação para os cortes de gases.

Círculos

No desenho do texto final, a proposta brasileira de criar “círculos concêntricos” vem ganhando força. Trata-se de um meio-termo entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. A fórmula prevê que os primeiros, no círculo central, terão de fazer ofertas mais ambiciosas. Os demais, como o Brasil, fariam ofertas adequadas a suas condições. Mas deixariam claro os compromissos de convergir para o centro. “Nenhuma proposta atraiu tanta atenção em Lima”, afirmou o ministro Raphael Azeredo, diretor do Departamento de Meio Ambiente do Itamaraty.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Lima pode avançar em corte mais severo de gases de efeito estufa