Dilma chega a Quito em meio a críticas de 'perda de interesse' na Unasul

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Dezembro 2014

A presidente Dilma Rousseff participa nesta sexta-feira da reunião de chefes de Estado dos países da União Sul-americana de Nações (Unasul), em Quito, no Equador, em meio a críticas de que o Brasil teria perdido interesse nesta integração - que começou por iniciativa brasileira.

O cientista político argentino Rosendo Fraga, do Centro de Estudos Nova Mayoría, disse que o papel do Brasil "como potência global" acabou deixando sua política regional "um pouco no segundo plano".

A reportagem é de Marcia Carmo, publicada por BBC Brasil, 04-12-2014.

Para Fraga, a Unasul foi "instrumento prioritário" na política exterior brasileira na primeira década do século XXI, mas depois perdeu importância.

"O Brasil impulsionou a Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos) os Países, que reúne todos os países da América Latina, e o âmbito global passou a ter maior peso na política exterior brasileira, com seu papel nos Brics e no G20".

O cientista político chileno Ricardo Israel, ex-candidato presidencial, diz que a Unasul "foi uma criação do Brasil", mas que o país "não quis exercer a liderança que lhe correspondia e a deixou nas mãos dos bolivarianos", em uma referência a Venezuela, Equador e Bolívia.

O professor de ciências políticas e estudos internacionais da universidade Torcuato Di Tella, de Buenos Aires, Juan Gabriel Tokatlian, compartilha dessa visão. "Apesar de o Brasil ter sido decisivo para a criação da Unasul, passou a lhe dar menor relevância desde a mudança presidencial de Lula para Dilma", afirmou.

No entanto, o professor da Universidade Untref, de Buenos Aires, Félix Peña, disse que percebe o Brasil "bastante envolvido" na Unasul, principalmente após o primeiro dia de reunião, um encontro de chanceleres e ex-chefes de Estado em Guayaquil, onde o ex-presidente Lula fez um discurso sobre a integração regional e foi bastante aplaudido pelos presentes.

"Eu acho que o fato de o Brasil ser Brics e impulsionar a Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos) não diminui em nada seu interesse e decisão de levar a Unasul cada vez mais adiante."

"Uma coisa não prejudica a outra, um grupo não limita o outro. Ao contrário. E para mim esse interesse do Brasil ficou claro no encontro em Guayaquil", disse Peña, falando da capital argentina.

Segundo ele, as palavras de Lula "refletem o mesmo apoio" da presidente Dilma à Unasul. Procurado pela BBC Brasil, o Itamaraty não respondeu às críticas dos outros analistas.

Na quarta-feira, em Guayaquil, ao lado do ex-secretário-geral da Unasul, o ex-presidente colombiano Ernesto Samper, Lula disse que a região tem conseguido resolver seus próprios problemas e sem interferência externa, como a dos Estados Unidos. "Se não podem ajudar, que não atrapalhem", disse.

E acrescentou: "A integração é uma solução e não um problema", afirmou. Ele fez elogios ao processo de paz liderado pelo atual presidente colombiano Juan Manuel Santos com o grupo guerrilheiro Farc, elogiou ainda a postura da Argentina na disputa com financistas internacionais e recordou os ex-presidente Hugo Chávez, da Venezuela, e Nestor Kirchner, que morreram, pelo apoio que deram à Unasul. Seu discurso foi transmitido ao vivo pelas TVs equatorianas.

Democracia

Os analistas argentinos, chilenos e uruguaios ouvidos pela BBC Brasil concordaram que a Unasul mostrou ser "efetiva" em vários momentos na hora de "defender a democracia", mas que o mesmo empenho não ocorreu em questões como a integração física e de infraestrutura, por exemplo.

"A Unasul foi eficiente para preservar as democracias, como demonstrou nos casos do Paraguai, da Bolívia, da Venezuela e do Equador (que viveram diferentes turbulência políticas)", disse o professor uruguaio de história e de ciências políticas da Universidade da República, de Montevidéu, Gerardo Caetano.

"Mas a Unasul poderia ter avançado em outras áreas como a infraestrutura", afirmou.

Na mesma linha, falando de Santiago, no Chile, o professor de ciências políticas da Universidade de Valparaíso Guillermo Holzmann afirmou que ocorreram avanços na área de defesa, com a criação e desenvolvimento do Conselho Sul-americano de Defesa, que possibilitou a "transparência dos orçamentos de defesa e metodologias de comparação de gastos no setor", mas, ressalvou, com avanços "tímidos" na área de energia, entre outras.

"A verdade é que a Unasul tem tarefas pendentes", disse Holzmann.

Num artigo no jornal espanhol El País, Tokatlian afirmou que a criação da Unasul foi "transcendental" na América do Sul, mas nos últimos anos, disse, ela "parece estar perdendo o norte".

A Unasul reúne Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Colômbia, Peru, Chile, Bolívia, Equador, Suriname e Guiana. Uma união que inclui tanto países do Mercosul, ancorado na união aduaneira, como da Aliança do Pacífico, baseado no livre comércio.

Dilma

A presidente Dilma desembarcará diretamente em Quito, nesta quinta, e não participou das atividades com chanceleres e outros presidentes na cerimônia de transmissão da presidência temporária da Unasul do Suriname para o Uruguai em Guayaquil, a trinta e cinco minutos de voo da capital equatoriana.

Nesta sexta, ela participa da reunião com os presidentes da Unasul e da inauguração da sede da Unasul - um edifício moderno que teria custado ao governo equatoriano US$ 38 milhões e se chamará Nestor Kirchner, em homenagem ao ex-presidente argentino morto em 2010, de acordo com o jornal La Nación, de Buenos Aires.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dilma chega a Quito em meio a críticas de 'perda de interesse' na Unasul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV