Matrimônio, mistério, sacramento. A intervenção de Adolfo Nicolás Pachon no Sínodo dos Bispos

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A virada autoritária de Piñera. O fracasso de um governo incompetente e corrupto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Novembro 2014

Publicamos a intervenção do Pe. Adolfo Nicolas Pachon, jesuíta espanhol, desde 2008 Superior Geral da Companhia de Jesus, pronunciado durante a Terceira Congregação geral do Sínodo dos Bispos sobre a Família, no dia 7 de outubro de 2014.

A tradução é de Benno Dischinger.

1) Li com sumo interesse o Instrumentum Laboris preparado para o Sínodo e admirei o modo como se fez uma síntese muito organizada de respostas que, sem dúvida, procedem de muitos Continentes e com diversos pontos de partida, tanto teológicos como pastorais. Sem embargo, fiquei com a impressão de que algo faltava.

Eu definiria esta falta como falta de sentido histórico em colocar quando e quando entrou a Igreja na normativa do matrimônio e da Familia, e, em segundo lugar, uma falta notável de conexão com a Sabedoria humana, que está por trás dos processos milenários conducentes a descobrir a Família como a melhor forma de convivência humana para todos.

Espero que estes dois temas sejam estudados a fundo, com a contribuição positiva das diversas Religiões a esta realidade tão humana como determinante de nossas sociedades e nosso futuro.

2) Eu gostaria de centrar minha apresentação no fato de que muito do que dizemos sobre o tema, está baseado numa comparação inadequada. E esta consiste em aplicar ao amor humano, falível e frágil, como todo o humano, a consistência, firmeza e profundidade do amor de Deus. Esta transposição não tem bases nem na psicologia humana, nem nos apoios que pode oferecer uma Sociedade; e todos os que estamos aqui reunidos somos testemunhas como esta pretensão desmorona, com o conseqüente sofrimento dos interessados e de suas famílias.

Talvez tenhamos que mudar ligeiramente o modo de falar sobre o Matrimônio como Sacramento. Agora o aplicamos ao Matrimônio entre cristãos e é fácil produzir a impressão de que o Sacramento coincide com a cerimônia, se esta segue os cânones. Talvez tenhamos que falar do Matrimônio como Sacramento como falava São Paulo, quer dizer, não uma cerimônia, senão a realidade mesma de duas pessoas que compartem toda sua vida com amor, e isso expressa o Amor de Deus. De modo que é no final que podemos dizer com toda verdade que tal ou qual matrimônio tem sido Sacramento do amor de Deus.

Usar, portanto, a analogia do amor de Deus, para desenvolver toda uma disciplina que pode implicar e inclusive chegar até a negação da Comunhão Eucarística, pode ser algo bastante desproporcionado, que roça com a injustiça.

3) Não tiro conclusões. Estes são temas que vale a pena estudar e que temos todo um alento para fazê-lo antes do Sínodo Ordinário de 2015. Vamos estar muito ocupados neste ano estudando questões de muita envergadura, entre as quais se encontram:

a. Um estudo histórico de como a Igreja entrou a contribuir à vida de Família.

b. Um amplo estudo que nos enriqueça e torne conscientes da contribuição de outras Religiões ao Matrimônio e à Família, como contribuição da Sabedoria humana, na qual trabalha o Espírito de Deus.

c. Um aprofundamento do que São Paulo entendeu como o “Mistério” do Matrimônio – e que Tertuliano mais tarde traduziu como “Sacramentum”.

d. Um aprofundamento, igualmente, da consistência teológica que levou a Igreja a tratar o Matrimônio como um dos sete Sacramentos.

e. Os novos desafios que chegam à Família da Revolução Informática e que já está mudando as relações e a comunicação em seu seio. Isto nos levaria mais além da ação de tratar os problemas que vem da Revolução Industrial, a qual sucedeu faz já 150 anos e aos quais estamos chegando com muito atraso.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Matrimônio, mistério, sacramento. A intervenção de Adolfo Nicolás Pachon no Sínodo dos Bispos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV