Alimentos in natura devem ser maioria na dieta, diz governo

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

06 Novembro 2014

Deixe de lado o óleo de coco e o whey protein. No novo guia nutricional do governo, o que vai para o prato é arroz, feijão, legumes e verduras.

A reportagem é de Johanna Nublat Flávia Foreque, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 05-11-2014.

O documento, que serve como referência de nutrição saudável para escolas e profissionais de saúde, é ilustrado com sugestões de cardápio e prioriza o consumo de alimentos in natura ou pouco processados. A última versão do guia era de 2006.

"Não estamos propondo um regime ou tratamento. A gente está pensando numa alimentação para prevenir problemas", afirma Carlos Monteiro, professor da USP e coordenador de equipe técnica que elaborou o guia.

A intenção é reforçar a importância do consumo de alimentos em detrimento de produtos. "A barra de cereal é uma reengenharia de alimentos, não há garantia de que funcione da mesma maneira que os alimentos originais", exemplifica Monteiro.

Segundo o ministro Arthur Chioro (Saúde), a abordagem do guia é "qualitativa". "Não estamos proibindo nada. Ninguém está dizendo não use sal, tire o açúcar'", disse.

Para Nicholas Freudenberg, sanitarista da Universidade da Cidade de Nova York, guias baseados em quantidades adequadas de açúcar, sal ou gordura favorecem a indústria de alimentos. "Isso permite manipular ingredientes para fazer os produtos parecerem mais saudáveis."