Sínodo não vai mudar doutrina sobre os gays, diz cardeal brasileiro

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Outubro 2014

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno Assis, que participa da Assembleia-Geral Extraordinária do Sínodo, no Vaticano, disse que o encontro visa discutir mudanças pastorais, mas não doutrinárias, em relação ao matrimônio e à homossexualidade.

A reportagem é de Fabiano Maisonnave, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 17-10-2014.

Falando por telefone, de Roma, o cardeal admitiu que faltam relatos de "experiências concretas" dentro do sínodo com relação ao acompanhamento de homossexuais.

Eis a entrevista.

Qual é a importância do documento preliminar "relatio" da Assembleia?

A partir das falas dos padres sinodais se fez a "relação depois das intervenções no plenário" [relatio post disceptationem]. Divulgada, ela teve grande repercussão, devido à sua abertura em diversas direções pastorais.

A partir desta quinta, entramos numa fase de preparação da mensagem que será aprovada no final do sínodo. Depois, será apresentada o Relatio Synodi, síntese do que foi trabalhado por consenso.

Esse documento, a ser aprovado na última sessão, será objeto de estudo das conferências episcopais e das dioceses do mundo todo.

É um processo longo, que começou em 2013 e será concluído no final do sínodo, em outubro de 2015. As proposições, que chegam no máximo a 60, serão entregues ao papa e à Secretaria-Geral do Sínodo para que ele tome a decisão de publicar ou não.

Normalmente, se publica a chamada Exortação Pós-Sinodal, que se torna, se aprovada pelo papa, o resultado final do sínodo, que vai orientar a igreja em todas essas questões relativas à família, tanto do ponto de vista doutrinal como do pastoral.

O documento abre a possibilidade para que a igreja altere a sua doutrina com relação aos homossexuais e ao divórcio?

No campo doutrinal, não muda. No campo pastoral, pode haver mais ou menos sensibilidade pelos padres sinodais. Em princípio, fica claro que não se trata de discriminar ninguém, trata-se de acolher, apoiar e aconselhar. Mas as orientações finais serão dadas pelo papa.

A igreja, neste sínodo, não discute a doutrina sobre o matrimônio, a família. Para nós, o matrimônio é sempre a união de um homem e uma mulher. É uma união fundada no amor, com características próprias, a indissolubilidade, a fidelidade, a unidade.

Tampouco com relação a homossexuais. Para nós, a união entre pessoas do mesmo sexo não pode ser equiparada a um matrimônio e não pode ter os mesmos direitos que damos à família como fundamento da sociedade.

No sínodo, não apareceram experiências concretas em relação ao acompanhamento dessas pessoas. Mas, certamente, há experiência nesse campo e, nesse processo sinodal, aparecerão sugestões mais concretas. Muitas vezes, o acompanhamento dessas pessoas fica limitado ao fórum íntimo, no confessionário, à consciência.

A reação negativa de alguns cardeais ao texto preliminar reflete uma divisão do sínodo?

Não é documento definitivo. A síntese dos problemas que emergiram das discussões é captada dentro da visão de quem faz essa síntese, do relator-geral e do secretário especial, com outros membros da comissão. Reflete os pontos mais importantes que foram tratados, mas ela em si não é votada.

Qual a diferença entre este sínodo e os anteriores?

Substancialmente, não houve. O que encontramos em relação ao papa Francisco é que ele é uma pessoa muito informal. Isso cria um clima de muita abertura, muita transparência nos debates.
Ele disse aos padres sinodais para não temerem dizer aquilo que acham que devem dizer, que sentem que tenham o dever de dizer. Sejam abertos, sejam francos, tenham um diálogo muito aberto um com outro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo não vai mudar doutrina sobre os gays, diz cardeal brasileiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV