Bolívia reelege Evo Morales para um terceiro mandato

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma Cúria Romana reformada e um novo grupo de cardeais

    LER MAIS
  • Assalto ao Vaticano

    LER MAIS
  • “Todo corpo humano é sacramento, é Corpus Christi.” Entrevista com Carlos Castillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Outubro 2014

Evo Morales voltou a ganhar as eleições bolivianas. Segundo os primeiros dados das pesquisas de boca de urna e um cálculo rápido elaborado pelos meios de comunicação bolivianos, o candidato do Movimento ao Socialismo (MAS) teria conseguido entre 59,5% e 61% dos votos. Quando cumprir seu mandato, Morales se converterá no presidente que mais anos (14) terá permanecido no poder na democracia boliviana, que, na semana passada, cumpriu 32 anos.

A reportagem é de Javier Lafuente, publicada pelo jornal El País, 13-10-2014.

Os bolivianos votaram entre a quase certeza de uma reeleição esmagadora do presidente e a esperança opositora de não terminar derrubada. Assim, segundo as primeiras pesquisas, o empresário Samuel Doria Medina (Unidade Democrata) teve entre 24% e 25,3% dos votos, quase 10 pontos a mais do que mostravam as últimas pesquisas presidenciais. O ex-presidente Tuto Quiroga chegaria aos 9% dos votos. Os outros dois candidatos, o ex-prefeito de La Paz, Juan del Granado, e o ambientalista Fernando Vargas, conseguiriam 3% dos votos cada um.

Morales conseguiu também, pela primeira vez, o triunfo no Estado de Santa Cruz, o motor econômico do país, bastião opositor e um dos focos de maior tensão durante seu primeiro mandato, com o desafio autonomista de 2008. Apesar de seu discurso esquerdista e anticapitalista, Morales aplicou uma lógica liberal com os empresários e assumiu como próprio o caminho que aqueles apresentaram no último ano. Da realização ou não destas promessas dependerá seu avanço no leste do país.

A propaganda estatal e os índices de popularidade de Morales propiciaram uma campanha muito morna, sem debates. O presidente não quis participar de um debate com o resto dos candidatos. O empresário da indústria do cimento, Doria Medina, da União Democrata (UD), um dos homens mais ricos do país, enfrentava Morales pela terceira vez. Partidário de manter o Estado Plurinacional criado pelo mandatário, seu cartão de apresentação é a experiência como homem de negócios. A figura de Doria Medina diminuiu com a entrada de Tuto Quiroga (Partido Democrata Cristão) na disputa no meio do ano. Residente nos Estados Unidos, é o único dos candidatos que defende a ruptura do atual caminho tomado no país. No final, teria conseguido aglutinar o que ele denominou na última semana como “voto útil”.

O ex-prefeito de La Paz, Juan del Granado (Movimento Sem Medo) era apoiado por sua boa gestão à frente da prefeitura da capital, entre 1999 e 2010. Seu slogan foi: “Nem com o passado neoliberal nem com o presente estancado”. O candidato com pior colocação nas pesquisas era Fernando Vargas (Partido Verde da Bolívia), um dos líderes das marchas indígenas que conseguiram interromper parcialmente a construção de uma estrada no Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), um dos episódios mais criticados e obscuros do segundo mandato de Morales. Sua candidatura é considerada, em certa medida, a das comunidades indígenas que não concordam com o oficialismo.

Se existe uma data marcada a fogo em toda a América Latina certamente é a de 12 de outubro.

Na Bolívia, a chegada de Evo Morales ao poder em 2005 permitiu a progressiva inclusão do setor mais discriminado, os indígenas mestiços, graças ao crescimento econômico vivido pelos altos preços das matérias-primas e dos hidrocarbonetos. Desde que se instalou no Palácio Quemado, Morales fixou como objetivo a ruptura com qualquer vestígio de colonialismo, seja na prática ou de forma simbólica. Por isso, não é circunstancial a data escolhida pelo presidente para convocar eleições que marcam uma continuidade no país andino, depois de uma década de crescimento e de estabilidade política.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolívia reelege Evo Morales para um terceiro mandato - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV