Sínodo: a medida do Papa Francisco na direção da misericórdia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Outubro 2014

Uma medida do papa, tomada nessa sexta-feira, reitera a perspectiva da misericórdia e da gradualidade em relação aos desafios da família, que pouco a pouco se delineou nos últimos meses e ao longo do Sínodo. É uma escolha que revela uma intenção.

O comentário é do teólogo italiano Christian Albini, em nota publicada no blog Sperare per Tutti, 10-10-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O Papa Francisco, segundo o boletim da Sala de Imprensa vaticana, para a redação da Relatio Synodi, decidiu colocar ao lado do relator-geral, Peter Erdö, do secretário especial, Bruno Forte, e do secretário-geral, Lorenzo Baldisseri, os seguintes padres sinodais:

S.Emª Card. Gianfranco Ravasi;
S.Emª Card. Donald W. Wuerl;
S.Exª Dom Víctor Manuel Fernández;
S.Exª Dom Carlos Aguiar Retes;
S.Exª Dom Peter Kang U-Il;
Rev. Pe. Adolfo Nicolás Pachón S.I.

São nomes em que aparece como consistente a orientação em direção à perspectiva da misericórdia e da gradualidade em relação aos desafios da família, que pouco a pouco se delineou nos últimos meses e ao longo do Sínodo. É uma escolha que revela uma intenção.

Ravasi, em um artigo publicado no jornal Il Sole 24 Ore às vésperas do Sínodo, citou favoravelmente a contribuição de Walter Kasper e evocou novamente o texto em que Giovanni Cereti, há décadas, havia se inclinado em favor da reconciliação para os divorciados em segunda união, encontrando não pouco ostracismo.

Fernández, teólogo argentino muito próximo do papa, nestes dias, falou também em um encontro com os jornalistas. O matrimônio cristão é um "belíssimo ideal", disse, mas, quando se fala de "gradualidade", entende-se que é preciso levar em consideração "a realidade concreta das pessoas que não podem chegar a esse ideal", remetendo à categoria de "bem possível" evocada pelo Papa Francisco na Evangelii gaudium, a ser buscado "até mesmo com o risco de nos sujarmos na lama do caminho".

O Pe. Adolfo Nicolás é o superior geral dos jesuítas e, em uma recente entrevista sua, declarou ver se realizar no Sínodo as expectativas de Carlo Maria Martini, convidando a ouvir o mundo e acrescentando:

"É equivocado absolutizar. Tomemos o caso das uniões de fato. Não é que, se há um defeito, tudo está mal. Ao contrário, há algo de bom onde não se faz mal ao próximo. Francisco reiterou isto: 'Somos todos pecadores'. Deve ser alimentada a vida em todos os campos. A nossa tarefa é aproximar as pessoas da graça, não rejeitá-las com os preceitos. Para nós, jesuítas, é práxis cotidiana.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo: a medida do Papa Francisco na direção da misericórdia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV