O que permitiu a virada de Aécio na reta final da corrida presidencial?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • Massacragem dos Chiquitanos vai à ONU. Artigo de Aloir Pacini

    LER MAIS
  • Um confinamento frutífero: em que o papa Francisco trabalhou durante a pandemia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 06 Outubro 2014

A BBC Brasil, 05-10-2014, ouviu uma dezena de especialistas, entre cientistas políticos e fundadores do PSDB. Apesar de divergências pontuais, o consenso entre eles é de que a guinada do tucano pode ser atribuída, em menor parte, a uma mudança de estratégia de sua campanha, e, em grande parte, à irreparável sangria de votos que acometeu Marina – reflexo, principalmente, dos ataques contra ela.

Erosão eleitoral

"Marina perdeu, pouco a pouco, a confiabilidade do eleitorado. Se antes despontava como a principal oponente de Dilma Rousseff no segundo turno, com chances reais de chegar à presidência, a ex-senadora viu seu eleitorado começar a rarear depois de uma série de problemas durante sua campanha", afirmou à BBC Brasil o cientista político Antônio Carlos Mazzeo, da Unesp de Marília (SP).

"Marina havia ganhado eleitores de Aécio e de Dilma, mas era com o tucano que ela disputava o voto dos conservadores. Ela não conseguiu sustentar por muito tempo essa disputa", acrescentou Mazzeo.

Segundo os especialistas, pesou principalmente contra Marina os ataques feitos à sua candidatura pelo PT, mas também pelo PSDB. "Houve uma 'desidratação' eleitoral de Marina Silva, orquestrada, principalmente, pela campanha da presidente Dilma Rousseff. Dilma é a grande vitoriosa desse embate. Foi uma estratégia muito acertada", disse à BBC Brasil o cientista político Paulo Baía, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

"Aécio também mudou sua estratégia. Sabia que estava perdendo votos para Marina, considerada favorita em um eventual segundo turno com Dilma. A partir daí, o tucano partiu para o ataque contra a ex-senadora, vinculando-a com a petista e explorando suas inconsistências", acrescentou. O desempenho de Marina no último debate – realizado na quinta-feira pela TV Globo – pode ter reforçado o cenário de enfraquecimento de Marina e fortalecimento de Aécio.

Para o especialista em expressão corporal Paulo Sérgio de Camargo, autor do livro Linguagem Corporal (Editora Summus, 2010), no debate Aécio "falou com convicção da primeira à última fala. Falou com muita clareza, com voz incisiva, não vacilou em momento algum." Já Marina "estava cansada. Acho que a campanha tirou muita energia dela, e nesse último debate ela sentiu esse peso", disse Camargo.

Desunião

A própria estratégia adotada pela ex-senadora pode ter colaborado para que Aécio pudesse dar sua virada. A candidata do PSB acusou seus concorrentes de mentir e espalhar boatos "injustos", mas assumidamente optou por não partir para o ataque com a mesma agressividade.

"Prefiro sofrer uma injustiça do que praticar uma injustiça. Nós queremos fazer a nossa campanha oferecendo a outra face", declarou Marina durante a campanha. Um outro elemento importante de enfraquecimento pode ter sido a desunião em torno de seu nome dentro do PSB.

E um dia depois de ser confirmada como candidata, o secretário-geral do partido, Carlos Siqueira, deixou a coordenação da campanha presidencial do partido. "Não participo de campanha de Marina Silva. Ela não é do PSB", disse. Neste domingo, o presidente do PSB em São Paulo, Márcio França, reforçou essa visão: "A Marina é a Marina. Ela sempre fez questão de mostrar que é da Rede, não do PSB", disse.

Velha guarda

Lideranças do PSDB, por sua vez, concordam que os ataques contra Marina, explorando suas aparentes contradições, foram um fator crucial para a sua derrota. Outros fator, porém, seria o fato de os eleitores passarem a conhecer melhor o candidato tucano.

Para o deputado Carlos Mosconi (PSDB-MG), um dos fundadores do PSDB, a candidatura de Marina Silva foi "impulsionada pela morte de Eduardo Campos." "Aos poucos os eleitores enxergaram que Aécio, apesar de jovem (o tucano tem 54 anos), não é um aventureiro e tem propostas mais consistentes do que Marina. As críticas que ele faz nas áreas da educação, segurança e economia são muito relevantes. Aécio é o candidato mais preparado para se contrapor à política do PT", disse Mosconi à BBC Brasil.

"Por outro lado, Marina foi corroída por suas incoerências. Ela diz querer uma nova política, mas faz concessão para grupos religiosos, ambientalistas, entre outros. Como uma pessoa assim quer se tornar presidente da República? Ela não tem credibilidade", critica o deputado.

Na avaliação de Euclides Scalco, outro fundador do PSDB e também ex-ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República durante o governo Fernando Henrique, Aécio cresceu na medida em que o PT "iniciou uma campanha de desconstrução de Marina."
"Nunca houve no Brasil uma campanha tão agressiva contra um candidato, como a que o PT fez contra Marina", disse Scalco à BBC Brasil.

"Só na reta final das eleições Aécio conseguiu ultrapassar Marina em Minas Gerais, seu reduto eleitoral. (…) As últimas semanas das eleições são sempre decisivas", concluiu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que permitiu a virada de Aécio na reta final da corrida presidencial? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV