Papa dá luz amarela para ataques aéreos americanos no Iraque

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O ataque ao Capitólio e a tentativa de golpe contra o Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “A pandemia demonstrou as consequências de 40 anos de neoliberalismo”, avalia Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • Carta ao Povo Brasileiro: por vacina para todos, retorno do auxílio emergencial, mais recursos para o SUS e Fora Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Agosto 2014

Nesta segunda-feira o Papa Francisco se manifestou sobre os ataques aéreos dos EUA no Iraque, dizendo que, embora seja legítimo, em termos morais, parar um agressor injusto, assim como os americanos dizem estar fazendo com relação ao grupo radical Estado Islâmico no norte iraquiano, um um único país não deveria decidir por si mesmo quando – ou não – o uso da força se justifica.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada pelo jornal The Boston Globe, 18-08-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

À luz da história recente oposição vaticana para com, praticamente, qualquer intervenção norte-americana no Oriente Médio, a linguagem do papa provavelmente irá ser recebida pelos analistas como uma luz amarela de cautela.

O pontífice revelou ter considerado a possibilidade de viajar ao Iraque num futuro próximo para demonstrar sua preocupação com a crise, incluindo o impacto dela sobre os cristãos locais, e que esta viagem continua sendo uma opção.

Por enquanto, disse Francisco, uma tal viagem “não é a melhor coisa a fazer”.

Francisco também confirmou a sua intenção de viajar para a Filadélfia em setembro de 2015 para um encontro organizado pelo Vaticano sobre a família. Já que foi também convidado para ir a Washington discursar ao Congresso e a Nova York para falar às Nações Unidas, “talvez a viagem”, diz ele, “irá envolver estas três cidades juntas”.

Apesar de ter sido forçado meses atrás a cancelar vários compromissos devido à exaustão, Francisco minimizou as preocupações sobre a sua saúde. O pontífice de 77 anos concordou, no entanto, que talvez preciso ser “um pouco mais prudente” na conservação de suas energias.

Os comentários foram feitos durante uma coletiva de imprensa a bordo do voo que trouxe Francisco de volta à Itália após a viagem feita à Coreia do Sul entre os dias 13 e 18 de agosto. Ele falou aos jornalistas por uma hora, respondendo a 15 perguntas que cobriram uma ampla gama de assuntos.

Ao ser perguntado se aprova o bombardeio americano no Iraque, Francisco disse: “Posso dizer apenas que é lícito parar um agressor injusto”.

O pontífice claramente manifestou dúvidas sobre a ação unilateral.

“Um único país não pode julgar como parar um agressor injusto”, falou.

Segundo Francisco, a ONU é “onde esta questão deve ser debatida e onde devemos nos perguntar: ‘Há uma agressão injusta?’” e, em caso afirmativo, “como podemos pará-la?”

O papa também falou que o mundo precisa se lembrar dos exemplos passados em que países fortes reivindicaram proteger grupos minoritários, mas na realidade estavam usando suas forças para levar adiante a própria agenda política.

“Quantas vezes, sob a desculpa de parar um agressor injusto, as potências tomaram o poder sobre os povos e lançaram uma verdadeira guerra para a conquista?”, perguntou.

Embora a minoria cristã do Iraque esteja entre os principais alvos do Estado Islâmico, Francisco insistiu que não são apenas os cristãos que estão sob risco.

“Há homens e mulheres, minorias religiosas, não apenas cristãos, e todos são iguais perante Deus”, acrescentou.

A posição sobre a ação americana delineada pelo papa não marca um distanciamento do que pensa normalmente o Vaticano sobre o uso das forças militares, dado que Roma há muito insiste que qualquer intervenção, para ser legítima, deve ter uma garantia internacional.

No entanto, os comentários foram mais contidos do que aqueles feitos por altos funcionários vaticanos que, recentemente, pareceram endossar os ataques americanos. O embaixador papal no Iraque descreveu os ataques como “algo que tinha de ser feito”, enquanto que o enviado do Vaticano às Nações Unidas, em Genebra, as considerou “provavelmente necessárias”.

Quanto a uma possível viagem ao Iraque, Francisco falou que discutiu sobre isso com seus assessores.

“Dissemos que talvez, se necessário, quando voltarmos da Coreia podemos ir para o Iraque”, reconhecendo que uma tal viagem esteve sob consideração.

“Estou disposto a ir”, disse Francisco. “No momento não é a melhor coisa a fazer, mas estou aberto a esta ideia”.

Logo a seguir, Francisco disse que viajaria para a China “amanhã mesmo” caso a oportunidade se apresentasse.

A China está entre uns poucos países que, hoje, não mantêm relações diplomáticas com o Vaticano, e os cerca de 13 milhões de católicos do país frequentemente são alvos de assédio e perseguição. Melhorar as relações com Pequim se tornou uma das maiores prioridades do Vaticano.

Alguns viram uma pequena melhora nesta relação quando Francisco, na semana que passou, se tornou o primeiro papa a voar sobre o espaço aéreo chinês a caminho da Coreia do Sul no último dia 13, tendo despachado um telegrama cordial invocando “bênçãos divinas” para o país.

O pontífice falou que a Igreja busca “apenas a liberdade para fazer o seu dever e o seu trabalho” na China, não impondo “nenhuma outra condição”, e que o Vaticano está “sempre aberto” para melhorar as suas relações.

Quanto a viagens futuras, disse que idas ao México e à Espanha estão sendo consideradas para 2015, mas não podem ainda ser confirmadas.

Ao ser perguntado sobre como lida com a grande popularidade que tem, Francisco disse que tenta se focar “nos meus próprios pecados e nos meus próprios erros”, bem como busca se lembrar de que, dada a sua idade avançada, “isso tudo não irá durar muito tempo”.

O papa disse estar trabalhando na produção de uma encíclica, a forma mais desenvolvida do ensinamento papal, sobre o meio ambiente. Disse que uma primeira versão lhe foi apresentada para consideração, mas que quer ainda fazer algumas mudanças no intuito de distinguir “certezas” do credo católico em relação a teorias científicas, “algumas das quais podem ser bastante certas e outras nem tanto”.

Por fim, o pontífice defendeu a sua iniciativa de paz na sequência de sua viagem no mês de maio ao Oriente Médio, quando convidou os presidentes israelense e palestino para se juntarem a ele numa oração pela paz nos jardins do Vaticano no dia 8 de junho.

Poucos dias após esta oração pela paz seguiram-se uma ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza e um novo confronto entre Israel e o Hamas. Nesse sentido, perguntaram ao papa se o seu esforço fracassou.

“De forma alguma foi um fracasso”, insistiu Francisco.

O papa disse que tanto o presidente Mahmoud Abbas, dos Territórios Palestinos, quanto o ex-presidente Shimon Peres, de Israel – os líderes que se juntaram a ele e a Bartolomeu I, o patriarca ortodoxo de Constantinopla, para a oração no Vaticano –, são “homens de paz”.

“Sob a fumaça e as bombas lançadas neste momento, é difícil enxergar a porta que se abriu”, disse Francisco, “mas esta porta ainda está aberta”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa dá luz amarela para ataques aéreos americanos no Iraque - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV