A Igreja salvadorenha inicia triênio para honrar o arcebispo Romero

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura”

    LER MAIS
  • Uma heresia pós-moderna: o uso distorcido da religião para sustentar teorias da conspiração

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 19 Agosto 2014

O arcebispo de San Salvador, José Luis Escobar, anunciou no último domingo, dia 17 de agosto, um “triênio” dedicado a honrar a memória do arcebispo Óscar Arnulfo Romero, assassinado por esquadrões da morte em 1980.

A reportagem está publicada no portal Terra, 17-08-2014. A tradução é de André Langer.

Os três anos dedicados a “comemorar” a obra do chamado arcebispo mártir iniciaram na sexta-feira, dia 15, e culminarão no dia 15 de agosto de 2017, quando se completam os cem anos do nascimento de Romero, explicou Escobar em entrevista coletiva após oficiar a missa dominical na catedral da capital.

“Dentro de três anos estaremos celebrando os cem anos do seu nascimento (de Romero). Por isso, dedicaremos estes três anos a ele”, destacou.

Durante o primeiro ano, as paróquias de todo o país se dedicarão a promover uma “catequese” sobre a pessoa de mons. Romero “como homem de Deus”, o segundo como “bispo e homem da Igreja” e o terceiro ano como “servidor dos pobres”.

“O objetivo é que conheçamos mais o nosso arcebispo mártir, (e) também queremos intensificar a nossa oração pedindo a Deus sua pronta canonização”, explicou Escobar.

Considerado “a voz dos sem voz” por denunciar as injustiças e a repressão militar vigente em El Salvador, Romero foi assassinado por um francoatirador contratado pela ultradireita, que deu um tiro no coração quando presidia a missa em uma capela do hospital de câncer da Divina Providência, no dia 24 de agosto de 1980, marcando o início da sangrenta guerra civil que se prolongou até 1992.

O ex-presidente Mauricio Funes, em março de 2010, em nome do Estado, pediu perdão pelo assassinato do arcebispo, com o qual terminou com o silêncio oficial que a direita manteve durante 20 anos (1989-2009).

A causa da beatificação de Romero foi aberta em 1993 e, após vários anos de estancamento no Vaticano, foi desbloqueada pelo Papa Francisco em abril de 2013 e agora encontra-se nas mãos da Congregação para a Causa dos Santos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja salvadorenha inicia triênio para honrar o arcebispo Romero - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV