''Todos os princípios do Islã foram violados''

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “A pandemia é a maior ameaça para a democracia na América Latina, desde os anos 1980”. Entrevista com Steven Levitsky

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Agosto 2014

É uma condenação sem apelo nem ambiguidade a que foi proferida no dia 12 passado contra os milicianos do Estado Islâmico (Isis) pelo grão-mufti do Egito, Shawki Allam, logo publicado pela agência de imprensa nacional Menae e divulgado pelos principais meios de comunicação árabes.

A reportagem é de Federica Zoja, publicada no jornal Avvenire, 13-08-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Allam acusou os milicianos Daash – esse é o acrônimo utilizado no mundo árabe e pelas mídias iranianas – de "violarem todos os princípios do Islã" e advertiu os fiéis muçulmanos dizendo que "esse grupo sangrento representa um perigo para o Islã e para os muçulmanos no mundo". O grão-mufti apelou a todos os árabes para que combatam esses perigos.

Até agora, enquanto o avanço do extremismo islâmico no Iraque assumia o ritmo da tragédia inevitável, os mais altos cargos religiosos muçulmanos se esforçaram para encontrar linguagens, canais e autoridade necessários para rejeitar o horror. Como se os guias espirituais mais confiáveis também não soubessem como agir para deixar as coisas claras.

O resultado foi um silêncio ambíguo, pontuado pelo pronunciamento, embora significativo, de intelectuais, políticos, figuras de destaque até, mas nunca de ponta.

No dia 12, no entanto, o posicionamento, seco e claro, do grão-mufti egípcio, cujas declarações foram precedidas, na segunda-feira passada, pelas do grande imã Ahmad al-Tayyeb, a mais alta autoridade da mesquita universitária de al-Azhar, no Cairo. Ainda nada de direto, mas extrapolado do encontro ocorrido com Fouad Siniora, ex-primeiro-ministro libanês, e confiado à sempre fiel agência Mena: "Al-Azhar acompanha com atenção o que está acontecendo no mundo árabe e muçulmano e fará de tudo para combater pensamentos desviantes e anormais".

A prestigiada universidade islâmica representa o ponto de referência dos muçulmanos sunitas no mundo. Com Siniora, muçulmano sunita, o grande imã abordou questões cruciais, como extremismo, terrorismo, relações entre sunitas e xiitas, diálogo inter-religioso entre cristãos e muçulmanos.

A crise política no Iraque e a dramática situação das minorias religiosas, incluindo os cristãos, também estiveram no centro do recente encontro (9 de agosto) entre a mais alta autoridade xiita iraquiana, o grande aiatolá Ali al-Sistani, e o patriarca caldeu Louis Raphael I Sako. "Vocês fazem parte de nós, e nós fazemos parte de vocês. Vocês estão nos nossos corações, e sofremos por aquilo que está acontecendo com vocês, com os sunitas e com os xiitas, porque todos estão na mira", declarou al-Sistani, o mais influente líder religioso iraquiano.

Ao patriarca caldeu, encontrado em Najaf, al-Sistani sublinhou a disponibilidade para acolher os cristãos deslocados, que são "bem-vindos".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Todos os princípios do Islã foram violados'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV