Sabatina do agronegócio: Aécio é o mais aplaudido e Dilma desagrada

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Incêndio na Ilha do Bananal coloca em risco vida de indígenas isolados

    LER MAIS
  • Derrubar estátuas. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A queda de Becciu na neblina de Londres: um adeus após um encontro chocante com o papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 07 Agosto 2014

Tucano prometeu mais verbas, menos poder para a Funai e um "superministério" da Agricultura

A CNA, entidade que representa os grandes produtores rurais brasileiros, promoveu nesta quarta-feira 6 aquele que foi o segundo grande embate entre os três principais presidenciáveis. Como se viu uma semana antes em sabatina na CNI, entidade da indústria, Dilma Rousseff voltou a defender o governo, em vez de apresentar novidades de um outro mandato. Na oposição, porém, o jogo se inverteu. Se perante industriais Eduardo Campos havia falado mais abertamente e arrancado mais aplausos, agora foi Aécio Neves quem entusiasmou a plateia.

A reportagem é de André Barrocal e publicada por CartaCapital, 06-08-2014.

No painel de uma hora a que cada um teve direito, o tucano prometeu que, se eleito, estará à frente das grandes decisões no setor rural e criará um “superministério da Agricultura”. Que dará tratamento diferenciado aos usineiros produtores de álcool e açúcar. Que terá uma política externa orientada para o comércio. Que apoia uma lei de terceirização de trabalhadores. Que a Fundação Nacional do Índio "não pode ser a única voz" a definir demarcação de terras indígenas. E que será duro com ocupações de terra. “Fazendas invadidas não serão desapropriadas por dois anos”, afirmou Aécio, a resgatar ideia de uma medida provisória baixada pelo ex-presidente Fernando Henrique no ano 2000.

A exposição do senador do PSDB tocou em quase todas as reivindicações dos fazendeiros. A jornalista que conduzia o debate e que em seguida faria a ele perguntas formuladas pela CNA disse que o tucano havia abordado paticamente toda a agenda da entidade. O conteúdo da fala de Campos e Dilma não inspirou o mesmo comentário. O senador mineiro foi o mais aplaudido dos três (19 vezes durante todo seu painel, contra 13 vezes de Campos e quatro de Dilma).

O ex-governador de Pernambuco e candidato pelo PSB também fez uma exposição alinhada com as preocupações ruralistas. Primeiro dos presidenciáveis a falar, Campos igualmente disse que será um presidente que vai liderar as decisões no setor e que fortalecerá o ministério da Agricultura. Que tentará abrir mercados em outros países, que a demarcação de terras indígenas é uma dívida histórica do país mas que não pode ser feita infinitamente, que apoiará os usineiros. E prometeu tratar o agronegócio “sem preconceitos, sem ranços”.

Unido à ambientalista Marina Silva, vice em sua chapa, o esforço de Campos para falar a língua do setor rural e mostrar-se amigável tem razão de ser. A ex-ministra do Meio Ambiente é vista pelos fazendeiros como um inimigo. No debate, a antipatia ficou evidente. Uma das perguntas a Campos falava em um “ambientalismo radical” que havia capturado o Ministério do Meio Ambiente e que hoje não capturaria mais. Uma referência a Marina, embora sem citá-la. Campos defendeu a vice como uma líder mundial, ao mesmo tempo em que afirmava que era preciso que as áreas urbanas do Brasil parassem de encarar o campo como um lugar onde há trabalho escravo, por exemplo.

Última a se apresentar, Dilma foi quem menos encantou os fazendeiros, embora seja a candidata preferida da presidente licenciada da CNA, Katia Abreu. A senadora pelo PMDB do Tocantins fez questão de entrar no auditório do debate ao lado de Dilma e de acompanhá-la na entrevista coletiva que os três candidatos deram individualmente depois do painel de cada um. Só Dilma mereceu tal gesto por parte de Katia. A senadora é filiada desde outubro de 2013 ao PMDB, partido do vice-presidente, Michel Temer, e do ministro da Agricultura, Neri Geller.

A presidenta centrou fogo na defesa das políticas do governo que estariam beneficiando o setor. O crédito público destinado a cada safra aos produtores rurais subiu, disse ela, de 22 bilhões de reais para 180 bilhões de reais desde a chegada do PT ao poder. E ficou mais barato (o juro ia de 8,75% a 11,95% e está entre 4,5% e 6,25%). O investimento em estradas, ferrovias e portos foi retomado, o que baixa o custo dos fazendeiros. Foram criados o Moderfrota, programa de modernização da frota de tratores, o seguro-agrícola e uma agência de apoio à assistência técnica voltada para os pequenos e médios produtores, a Anater. O governo, disse Dilma, trabalha por uma “classe média rural”.

Questionada sobre uma lei de terceirização trabalhista, sonho de industriais e produtores rurais, Dilma repetiu que apoia uma discussão que tenha na mesa representantes dos trabalhadores. Foi a única candidata a condenar o trabalho escravo que às vezes é flagrado em fazendas. “É uma chaga a ser exterminada em nosso país.”

Nos bastidores da sabatina, ruralistas do setor de etanol reclamavam que Dilma não havia tratado dos problemas dos usineiros, como Campos e Aécio. Com a política de reajuste moderado de preços da gasolina na gestão Dilma, os usineiros estão entre os maiores críticos da presidenta no meio empresarial atualmente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sabatina do agronegócio: Aécio é o mais aplaudido e Dilma desagrada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV