Carta de um padre secularizado ao Papa Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • “Segurança alimentar não basta: o alimento exige uma série de direitos”

    LER MAIS
  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Caroline | 06 Agosto 2014

“Melhor que se sentar para estruturar uma nova organização pastoral, fazendo marcas d’água, unindo paróquias, celebrando missas “secas” sem cura, seria que todos os bispos, de maneira uníssona, pedissem ao Papa a reintegração desses cem mil sacerdotes secularizados – se assim ele o desejarem – ao ministério”. É o que escreve José María Lorenzo Amelibia, presidente da Associação de Sacerdotes Casados da Espanha (ASCE), e publicada por Religión Digital, 04-08-2014. A tradução é do Cepat.

Eis a carta.

Santidade: Quando assinei o pedido de secularização inclui, em uma folha a parte, um posfácio com esta anotação: “Saio do clero porque, devido a minha maneira de ser, necessito, para meu equilíbrio interior, contrair o matrimônio. Não renuncio ao sacerdócio. No momento em que necessitarem de mim, podem me chamar; sigo com vocação sacerdotal”.

Cinquenta e seis anos depois de ter sido ordenado, continuo com essa mesma vocação. Mas ninguém me chamou, apesar da enorme carência de “operários da colheita”. Hoje eu de pouco serviria, dada minha velhice: com oitenta anos, não posso fazer muito, mas posso fazer algo.

E aqui vem a minha iniciativa, a questão que trago. Melhor que se sentar para estruturar uma nova organização pastoral, fazendo marcas d’água, unindo paróquias, celebrando missas “secas” sem cura, seria que todos os bispos, de maneira uníssona, pedissem ao Papa a reintegração desses cem mil sacerdotes secularizados – se assim ele o desejarem – ao ministério. Mas ainda há tempo! E ele urge!

Também poderia se ter conseguido que em cada povoado houvesse um sacerdote, um homem casado, que atendesse o pequeno rebanho de maneira desinteressada, isto é, sem nenhuma despesa. E ainda há tempo, e ele urge! Não seria difícil encontrar um presbítero para cada povo, e haveria mais voluntários que apoiariam do que possamos imaginar. Uma vez ordenados como sacerdotes, a ação pastoral da diocese seria realizada de uma maneira muito mais eficaz do que se comparada às extravagâncias de nossos pastores da década passada.

Com frequências fazemos projetos eclesiais. E me parece estupendo que hoje nos abram os canais de opinião.

Santidade, aqui estou disponível e, mais do que eu, milhares que são mais jovens e têm muita fé. Um abraço.

José María Lorenzo Amelibia

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carta de um padre secularizado ao Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV