O cardeal Cañizares alerta para alguns “abusos” no rito eucarístico da paz

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Conferência Eclesial da Amazônia é um banco de provas para a Igreja universal”. Entrevista com Dom David Martínez de Aguirre

    LER MAIS
  • Pico no Brasil em agosto e 88 mil mortes: as novas previsões sobre a pandemia

    LER MAIS
  • Por que um Jesus branco é um problema

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 01 Agosto 2014

O prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, o cardeal Antonio Cañizares Llovera, dirigiu um documento ao presidente da Conferência Episcopal da Espanha onde apresenta as conclusões do debate aberto sobre a viabilidade ou não de manter o sinal da Paz na forma e no momento que está tendo durante a missa.

A reportagem está publicada no sítio espanhol Religión Digital, 31-07-2014. A tradução é de André Langer.

Este debate originou-se no Sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia (2005, Propositio 23) e no convite do Papa Bento XVI em sua Exortação Apostólica Sacramentum Caritatis (2007), onde convidava as congregações competentes para estudar a questão.

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos iniciou a tarefa de levar em consideração as opiniões das diferentes Conferências Episcopais do mundo, o que resultou neste documento no qual há, basicamente, a proposta de manter o ‘rito’ e o ‘sinal’ da Paz no lugar e forma que tem no Ordinário da Missa, ao considerá-lo uma característica do rito romano e ao não crer conveniente para os fiéis introduzir mudanças estruturais na celebração eucarística neste momento.

Ao mesmo tempo, o documento faz observações e aponta considerações práticas para expressar melhor o conteúdo do sinal da paz e para moderar os excessos que produzem confusão na assembleia litúrgica momentos antes da Comunhão. Neste sentido, a Congregação para o Culto Divino diz que, se os fiéis não compreendem ou demonstram não entender o significado deste sinal, debilita-se o conceito cristão da Paz e torna-se infrutuoso este gesto. Por tudo isso, convida para aproveitar a oportunidade de fazer catequese, oferecendo orientações.

Uma das recomendações é esclarecer que o Rito da Paz chega ao seu significado mais profundo com a oração e o contexto mesmo da Eucaristia, razão pela qual dar-se a paz corretamente entre os participantes da missa enriquece seu significado. Além disso, também aponta o documento que, por isso mesmo, não é necessário convidar “mecanicamente” a dar-se a paz, se se prevê que este intercâmbio não se dará de maneira adequada. Neste caso, convida-se a omiti-lo.

Neste sentido, a Congregação para o Culto Divino recomenda evitar abusos como a introdução de um canto pela Paz, inexistente no rito romano; desaconselhar o deslocamento dos fiéis para darem-se a Paz, ou que o sacerdote abandone o altar para dar a paz a alguns fiéis.

Para ler o documento na íntegra em espanhol, clique aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O cardeal Cañizares alerta para alguns “abusos” no rito eucarístico da paz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV