"Creio que Edir Macedo, como todo empresário bem-sucedido, quer garantir sua posição no “ranking da fé”

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2014

Um templo que é 4 vezes maior que o Santuário de Aparecida, equivalendo a 5 campos de futebol.

De Hebron, na Terra Santa, foram trazidos 40 mil metros quadrados de pedras. Doze oliveiras foram importadas do Uruguai para reproduzir o Monte das Oliveiras. Nas paredes, grandes menorás – candelabros de sete braços. E Edir Macedo orando, de barba branca, vestido com uma indumentária judaica – o kipá, o talit (xale utilizado pelos hebreus nas preces).

Estamos no Templo de Salomão, da igreja Universal, em São Paulo, que acaba de ser inaugurado, a um custo de R$ 680 milhões e capacidade para 10 mil pessoas.

A reportagem e a entrevista, sob o título "Sobre Edir Macedo e o Rei Salomão", é de Morris Kachani, jornalista e consultor, publicada no seu blog, 31-07-2014.

Os últimos números apresentados IBGE dão conta de que a Universal tem perdido fiéis e espaço para as concorrentes. No último censo a igreja fundada pelo bispo Edir Macedo perdeu 229 mil adeptos, passando de 2,102 milhões para 1,873 milhão. Já a Igreja Mundial do Poder de Deus, de Valdemiro Santiago, ganhou 315 mil seguidores.

De acordo com Ricardo Bitun, professor do departamento de pós graduação de ciências da religião do Mackenzie, a construção do templo marca uma nova fase da Universal. “Pelos comerciais que estão sendo veiculados na TV Record, muito bem feitos por sinal, se projeta um novo perfil para o fiel da Universal: bem sucedido, bom cidadão, classe média, um homem de família, o famoso bordão: ‘Eu sou Universal’. Ali você tem uma dentista muito bonita, um médico, um advogado”.

“Existe uma transformação em curso. A Universal captou a ascensão de uma nova classe social e passou a trabalhar de outra forma”.

“A Universal, veio pra ficar, criar raízes e disputar fiéis no interior do campo religioso brasileiro, bem diferente de seu início modesto, quando realizava seus cultos em velhos barracões alugados”.

Eis a entrevista.

O que significa a construção do Templo de Salomão no contexto religioso brasileiro atual?

Penso que de alguma forma ao construir o Templo de Salomão, a Universal ganha capital simbólico, ou seja, até então grandes catedrais (que representam capital simbólico) eram monopolizadas pela igreja Católica romana. Por exemplo o marco zero da cidade de São Paulo – Catedral da Sé -, ou na cidade de Aparecida do Norte, localizada entre duas grandes metrópoles, onde temos a maior catedral do Brasil, e assim por diante.

Em toda grande capital, você é capaz de vislumbrar uma grande catedral católica romana encravada no meio da cidade, com suas torres e sinos, dando visibilidade à religião e simbolizando a força da mesma na cidade.

Quem utiliza este termo capital simbólico é Pierre Bourdieu, sociólogo francês, ressaltando que a religião é portadora de um “capital religioso”, que por não ser obrigatoriamente quantificado ou mensurado, pode ser chamado de “capital simbólico”. Significa dizer que no chamado “campo religioso” há uma disputa por parte das instituições para disponibilizar e manipular os “bens simbólicos de salvação” que compõem o capital (areia abençoada, mesa branca energizada, óleo orado, rosa ungida, entre outros).

Com a construção do Templo de Salomão o eixo simbólico religioso é no mínimo compartilhado (ou deslocado) para uma outra religião que mostra sua força e vontade de competir numérica e simbolicamente com a religião que até então (500 anos) detinha o monopólio religioso.

Além disso, mostra por parte da liderança da Universal a firme decisão de querer estabelecer suas raízes em solo pátrio, não que já não tenha estabelecido, mas a construção de um templo destas proporções reforça a ideia de que ela, Universal, veio pra ficar, criar raízes e disputar fiéis no interior do campo religioso brasileiro, bem diferente de seu início modesto, quando realizava seus cultos em velhos barracões alugados.

Como a Universal se inscreve no cenário pentecostal? O número de fieis cresce ou diminui? Quem são os principais concorrentes da Universal e quem os apóia?

A Universal é descrita por sociólogos e pesquisadores da religião como pertencente ao chamado neopentecostalismo – pentecostais que se distanciaram da antiga matriz pentecostal clássica como por exemplo as Assembleias de Deus e tantas outras. Utilizam a Teologia da Prosperidade - teologia que interpreta os textos bíblicos a fim de que os fiéis creiam que Deus tem saúde e bênçãos materiais para entregar ao seu povo -, como sua principal alavanca na conquista de novos fiéis, prometendo-lhes a riqueza terrena ao invés das futuras riquezas celestiais. As benesses do céu são para o “aqui e o agora”.

Os últimos números apresentados pelo IBGE dão conta de que a Universal tem perdido fiéis e espaço para as concorrentes, também pertencentes ao neopentecostalismo: Mundial do Poder de Deus, Internacional da Graça de Deus e outras menores.

Qual a diferença entre o público delas e da Universal?

Além de curiosos, pesquisadores e público em geral, penso que o próprio fiel da Universal terá muito interesse e “orgulho” em estar dentro do templo da sua igreja. Arrisco a dizer que o imaginário medieval pode aqui muito bem ser reproduzido na cabeça do fiel moderno (guardada as devidas proporções espaciais e temporais). Imagine um camponês saindo de sua pequena casa e entrando numa grande igreja europeia da Idade Média, com afrescos e ouro por todos os lados? Qual a sensação que passaria por sua cabeça? Poder, riqueza, luxo, etc.? Voce poderia me dizer: -“Isto num primeiro momento, mas depois não viria a raiva, o sentimento de opressão, exploração, etc?”. Provável. Mas, também o de construção de algo que lhe dê orgulho, grandeza, etc.

Penso que o mesmo acontece, (numa análise bem simples e informal) com o fiel da Universal, aquela é a sua “casa”, a “sua” igreja.

No que o público da Universal se diferencia das outras neopentecostais?

O público é também das classes menos favorecidas, mas não só. Você vê pelas propagandas na TV. Nas outras o poder aquisitivo dos fieis é mais baixo, de forma geral.

Por exemplo, Valdemiro Santiago, da Mundial, dá mais ênfase para a cura divina, e a Universal vem se distanciando disso. A tendência está em buscar a nova classe média. Talvez a Universal tenha mais apelo com ela, sem esquecer o pessoal lá de baixo.

Os cultos e a mitologia da Universal mudaram ao longo do tempo ou continuam os mesmos? Tem alguma ideia ou projeção de quanto a igreja arrecada em termos de dízimos?

A ênfase da Universal em seu começo (1977) foi o exorcismo, a “guerra santa” contra os poderes diabólicos, encarnados principalmente nas religiões afro. Possuía até então um forte viés maniqueísta vendo o mundo como o palco de uma luta constante entre Deus e o Diabo, dividindo assim todas as suas estratégias e atividades.

Na década de 80 e 90 eles mudam sua ênfase, migrando para a teologia da prosperidade como seu principal foco. Isto é facilmente verificável através do chamados “testemunhos” via TV (Record). Antes era o “eu era pobre, desempregado, miserável…”, agora é “tenho dois carros do ano, casa própria e uma próspera empresa”. Este é o rosto da Universal pós década de 80 e 90.

Estamos presenciando agora uma outra fase, que tem seu início, ao que me parece desde a construção do templo. Pela TV se projeta um novo perfil para o fiel da igreja: bem sucedido, bom cidadão, classe média, um homem de família, o famoso bordão: “Eu sou Universal”.

Não quero dizer com isso que ela abandone as outras fases (exorcismo, prosperidade, etc), apenas que ela não mais as enfatiza.

Quanto à arrecadação ninguém nunca soube ao certo e asseguro que nunca saberá, este segredo é guardado a sete chaves.

Como se dá a interface entre Universal e Record? Qual o nível de representatividade política da igreja?

A igreja ocupou com muita habilidade o espaço público, principalmente o espaço político. Hoje presenciamos no Rio de Janeiro Garotinho e Crivella numa disputa acirrada pelo governo. Crivella, sobrinho de Edir Macedo, foi ministro da pesca no atual governo. Vereadores, deputados e senadores ligados à igreja são cuidadosamente eleitos e colocados estrategicamente em postos-chave nas comissões que interessam a Universal, principalmente as ligadas a rádio e televisão. Voltando um pouco ao tempo, percebemos a importância da Universal no cenário político quando da derrota eleitoral de Lula representado pela esquerda, assim como na eleição de Fernando Collor (89) e Fernando Henrique (94).

O que sabe sobre o momento atual de Edir Macedo? Na última foto ele aparece vestindo toda a indumentária religiosa judaica, além da barba branca. Tem um por que? Ou ainda, qual seria sua opinião pessoal a respeito disso tudo?

Sua indumentária judaica, sua longa barba branca, etc., compõe o cenário “religioso espetacular” o qual ele, Edir Macedo está pronto a encenar.

Sabe-se pelo último censo do IBGE que a Universal perdeu fiéis para seus concorrentes diretos, principalmente a Mundial do Poder de Deus. Um “contra-ataque” se faz necessário para todo aquele que deseja manter-se na liderança e em pleno crescimento. Creio que Edir Macedo, como todo empresário bem-sucedido, quer garantir sua posição no “ranking da fé”.

Por que a indumentária judaica?

Não só a Universal como outras igrejas neopentecostais, resgatam uma tendência judaizante. Os pentecostais estão muito mais próximos do judaísmo que os católicos. É uma forma de se diferenciarem do arcabouço católico romano que formou a nação brasileira nestes primeiros 500 anos.

E o ritual judaico é riquíssimo, ele dá uma liga. O Antigo Testamento é extremamente simbólico e afinal, constitui aproximadamente ¾ da Bíblia.

A Universal utiliza muitos elementos do judaísmo em suas campanhas. Por exemplo, tem a campanha da Pedrinha de David, na qual o fiel vai lá na frente, faz uma oferta e ganha uma pedrinha simbolizando David. Esta pedrinha supostamente serve para ser usada na hora das dúvidas. O fiel é orientado a pegá-la na mão e orar, em busca de uma solução.

Segundo a Bíblia David destruiu o inimigo filisteu representado pelo gigante Golias, com apenas três pedrinhas.

Por que decidiram chamar este complexo religioso de Templo de Salomão?

O cristianismo sai do judaísmo. São muito próximos no começo. Salomão é filho de David. O Templo de Salomão foi o primeiro grande templo judaico (o Muro das Lamentações, em Jerusalém, é o que sobrou dele). Segundo a Bíblia no templo original havia uma arca de aliança toda de ouro com querubins em cima, e dentro três elementos: as duas tábuas da lei que Moisés recebeu, a vara de Arão (irmão de Moisés), e o maná – o pão que descia do céu durante a travessia no deserto. Isso se perdeu, após a destruição do templo. Mas no templo da Universal, vai ter uma réplica dessa arca.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Creio que Edir Macedo, como todo empresário bem-sucedido, quer garantir sua posição no “ranking da fé” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV