O “mea culpa” de Francisco aos evangélicos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 30 Julho 2014

As sóbrias palavras que o Papa usou nesta manhã, durante a conversa com a comunidade evangélica pentecostal do pastor Giovanni Traettino, em Caserta, fazem parte do caminho inaugurado por São João Paulo II, por ocasião do Jubileu do ano 2000. Naquela ocasião e para aquela ocasião, o Papa Wojtyla quis um gesto penitencial, um pedido de perdão pelas culpas e os erros cometidos pelos cristãos e pelos homens da Igreja, durante a história. A iniciativa, que provocou a fúria de alguns cardeais que temeram pedidos de perdão pouco fundados na realidade dos fatos históricos, correspondia ao coração de João Paulo II: a Igreja não tinha medo de reconhecer a infidelidade, os excessos, as instrumentalizações, a violência, que em nome do Deus cristão tinham sido perpetradas por séculos. Comportamentos que nada tem a ver com o Evangelho.

 
Fonte: http://goo.gl/CFuaW7  

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada por Vatican Insider, 28-07-2014. A tradução é do Cepat.

O pedido de desculpas do Papa Francisco (na foto, com os evangélicos) aos pentecostais recordou, principalmente, o que aconteceu durante o fascismo, quando os pastores foram deportados e as Igrejas destruídas; em seguida, os movimentos evangélicos foram declarados “nocivos à identidade física e psíquica da raça” italiana. Muitos eclesiásticos se calaram e, inclusive, graças às denúncias de alguns párocos, a polícia secreta do regime deteve muitos evangélicos. As leis e as medidas foram aprovadas por cristãos, por batizados. Francisco, agora, pretende conter o uso muito exagerado que os católicos dão à palavra “seita” para se referir a estas novas realidades.

Para além da amizade pessoal entre Bergoglio e Traettino (que foi a que permitiu este encontro), Francisco se dirigiu novamente a Caserta para visitar a comunidade, porque conhece muito bem os pentecostais e, em geral, os novos movimentos carismáticos cristãos. São grupos que estão conquistando muitas pessoas, especialmente nos países da América Latina.

Desafiando os receios e contrariedades, tanto os que são vividos entre os católicos, como os dos pentecostais e de outros protestantes (que consideraram escandaloso que Traettino tenha recebido o Papa), Francisco demonstra que vê com muita atenção uma realidade que não pode continuar sendo ignorada e que, hoje em dia, como apontou o professor italiano Massimo Introvigne, conta com mais de 600 milhões de fiéis, ou seja, quase um terço dos cristãos no mundo (além de representar três quartos dos cerca de 800 milhões de protestantes). Uma realidade que está crescendo e que tem um grande dinamismo missionário.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O “mea culpa” de Francisco aos evangélicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV