“O crescimento já é um genocídio em câmara lenta”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • EUA. Padre é suspenso por celebrar a missa rejeitando Francisco como Papa

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 09 Julho 2014

Cerca de 250 cientistas, acadêmicos, intelectuais, ativistas e políticos, entre eles Ada Colau, Pablo Iglesias ou Alberto Garzón, assinaram um manifesto para pedir uma “mudança radical” de modelo diante da crise ecológica e civilizatória em andamento.

A reportagem é de L. Villa e publicada no jornal espanhol Público, 07-07-2014. A tradução é de André Langer.

Cerca de 250 autores, entre eles Ada Colau, Pablo Iglesias, Alberto Garzón, Cayo Lara, Joan Herrera, Florent Marcellesi, Juantxo López de Uralde, Teresa Forcades, Juan Diego Botto ou Yayo Herrero, tornaram público um manifesto pelo qual pedem de maneira urgente uma mudança de modelo de consumo diante do provável “colapso civilizatório” que virá no século XXI.

“Atualmente, acumulam-se as notícias que indicam que a via do crescimento já é um genocídio em câmara lenta. A diminuição na disponibilidade de energia barata, os cenários catastróficos da mudança climática e as tensões geopolíticas em torno dos recursos mostram que as tendências de progresso do passado estão sendo interrompidas”, assinala o texto intitulado ‘Última chamada’ e que está aberto a novas assinaturas na sua página na internet.

O texto, promovido por vários grupos sociais, é um apelo aos novos partidos e organizações que surgiram com o “despertar de dignidade e democracia que representou o 15M” diante da necessidade de assumir “mudanças radicais nos modos de vida”.

Escritores, cientistas, jornalistas, intelectuais, professores universitários, representantes de movimentos sociais, partidos políticos e sindicatos, reivindicam, sobretudo, que já não servem as receitas apoiadas sobre o capitalismo keynesiano, nem “os mantras cosméticos do desenvolvimento sustentável, a mera aposta nas tecnologias ecoeficientes, nem uma suposta economia verde”.

“Necessitamos de uma sociedade que tenha como objetivo recuperar o equilíbrio com a biosfera e utilize a pesquisa, a tecnologia, a cultura, a economia e a política para avançar rumo a esse fim. Necessitaremos para isso de toda a imaginação política, generosidade moral e criatividade técnica que conseguirmos desdobrar”, afirmam.

Além disso, recordam que a crise ecológica não é um tema “parcial” que afete exclusivamente os ecossistemas ou os recursos, mas que a urgência da mudança está precisamente em que “determina todos os aspectos da sociedade: alimentação, transporte, indústria, urbanização, conflitos bélicos... Trata-se, em suma, da base de nossa economia e das nossas vidas”.

“Uma civilização está acabando e devemos construir outra nova. As consequências de não fazer nada – ou fazer muito pouco – nos levam diretamente ao colapso social, econômico e ecológico. Mas, se começarmos hoje, ainda poderemos ser as e os protagonistas de uma sociedade solidária, democrática e em paz com o planeta”, sentencia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O crescimento já é um genocídio em câmara lenta” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV