Calvino, uma lápide sem túmulo. Artigo de Giorgio Tourn

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Julho 2014

Calvino não só não tem túmulo, mas também está fora do templo, está entre os mortos da cidade; na catedral, resta apenas a sua Bíblia.

A opinião é do pastor e teólogo valdense Giorgio Tourn, em artigo publicado na revista Riforma, das Igreja evangélicas batista, metodista e valdense italianas, 04-07-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

No dia 27 de maio de 1564, morria, em Genebra, João Calvino, aos 55 anos, idade para nós hoje de plena maturidade, à época nos limites da existência. Ele se apagava serenamente, depois de ter participado, já muito provado, do término do encontro semanal com os pastores da cidade, depois de almoçar com eles.

A notícia se espalhou na cidade, e muitos forasteiros, que vieram para encontrá-lo, gostariam de ter podido vê-lo, atitude compreensível em uma sociedade que não conhecia as fotografias e os tablets, mas foi sepultado às 16h, de acordo com a sua vontade, no cemitério de Plainpalais, na vala comum.

Hoje, no jardim do parque municipal, encontra-se uma pequena laje de pedra de poucos centímetros, com a gravação "J. C.", as iniciais do seu nome, Jean Cauvin, e é preciso saber onde busca essa pedra. Talvez, o que inspirou essa escolha foi a ideia, para ele quase obsessiva, de que a criatura humana é, naturalmente, idólatra, sempre busca algo para adorar no lugar de Deus, e os mortos sempre foram objeto de particular devoção.

Pensando na Praça Vermelha e nas grutas vaticanas, é preciso se perguntar se a sua dúvida não tinha algum fundamento. Sem túmulo, ao invés, não se poderia idolatrá-lo, e, sobre esse autoapagamento da própria pessoa, se poderiam fazer muitas reflexões também do ponto de vista evangélico.

Diante dessa pedra na grama de um jardim público, onde as crianças brincam e os aposentados leem o jornal, enquanto ao fundo flui o tráfego da cidade, o pensamento se volta imediatamente para os túmulos dos dois personagens que foram, na cristandade do século XVI, os seus interlocutores: Lutero e Inácio.

O primeiro está sepultado na igreja de Wittenberg, aos pés do púlpito onde ele pregara durante toda a sua vida; o segundo, na igreja do Gesú, em Roma, o centro espiritual da Companhia de Jesus; uma lápide, no primeiro caso; um santuário em um grandioso altar de construção barroca, no segundo. Ambos em lugar eclesiástico, onde se reúne a comunidade dos fiéis, duas igrejas em evidente contraposição, a da Palavra (a cujo serviço Lutero viveu), a do altar, do poder sacramental (à qual Inácio dedicou a vida).

O nosso irmão Calvino não só não tem túmulo, mas também está fora do templo, está entre os mortos da cidade; na catedral, resta apenas a sua Bíblia. Evidentemente, trata-se de outro modo de ver tanto a Igreja, quanto a cidade, quanto a sua relação. A igreja está no templo, em torno da Palavra, não na cidade; na cidade,está o crente vivo e morto.

Um segundo pensamento surge em mim, no entanto, lembrando aquela sua lápide anônima (se você não sabe que "J. C." são as suas iniciais, você pode pensar em qualquer coisa, de fato): esse despojamento tão radical de si mesmo não está no limite do desumano? Dar glória ao Senhor implica o anulamento de si mesmo e da própria própria humanidade? Não leva a uma religião sem coração, sem sentimento, rigorosa, mas esquemática, fria?

Os nossos concidadãos pensam isso, porque o italiano é acima de tudo um latino, não só na arte da retórica, no jogo das imagens, na criatividade, na concretude (como demonstraram as últimas eleições), mas latino no paganismo da humanitas. Primeiro, há o homem, depois Deus.

O desafio da nossa pregação talvez esteja nisto: ser filhos da humanitas latina, isto é, não fazer da fé uma ideologia, mas sim a premissa de uma identidade; mas, ao mesmo tempo, não ser escravos dela, ser libertados do paganismo da humanitas para realizar o humanismo dos discípulos de Cristo. Aquele túmulo não é desumano, mas é a plena realização da humanidade.

Não é por acaso que, nessa fronteira de um humanismo da fé e não da "carne" (para usar a expressão de Paulo), isto é, da natureza, jogou-se toda a questão valdense ao longo do séculos: a pobreza dos "barba" [expressão italiana para "pastor valdense"] contraposta à dos filhos de Francisco, a pregação dos ministros à dos filhos de Inácio. Leigos os primeiros, clérigos os segundo, usando linguagens muito semelhantes, mas dizendo coisas opostas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Calvino, uma lápide sem túmulo. Artigo de Giorgio Tourn - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV