Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Argentina. “É inadmissível que o capital seja mais importante que a vida e o futuro do povo”

O bispo Frank de Nully Brown (foto) manifestou-se, como representante da Igreja Evangélica Metodista Argentina – IEMA, sobre a situação política e econômica que envolve as últimas negociações da dívida.

A reportagem está publicada no sítio da Agencia Latinoamericana y Caribeña de Comunicación, 02-07-2014. A tradução é de André Langer.

 
Fonte: http://bit.ly/1of4PzL  

“Mas Deus lhe disse: ‘Insensato, nesta mesma noite ser-te-á reclamada a vida. E as coisas que acumulaste, de quem serão? Assim acontece àquele que ajunta tesouros para si mesmo, e não é rico para Deus’” (Lc 12,20-21).

A crescente especulação financeira em nível local e global foi gerando uma grave situação econômica e social em muitos países no mundo. O incessante avanço de um sistema econômico de livre comércio fez da especulação e do lucro seu objetivo principal, concentrando o poder e a hegemonia global no Ocidente. Sua expansão tem efeitos diretos sobre o desenvolvimento da democracia com graves consequências para a dignidade humana, fazendo com que enormes setores da sociedade vejam cerceadas suas possibilidades de desenvolvimento, educação, trabalho, saúde e vida digna.

O nosso país [Argentina] está enfrentando uma complexa situação. Enquanto tenta cumprir seus acordos com a maioria dos bonistas que aceitaram a troca, o julgamento promovido por um pequeno grupo de especuladores internacionais, que se negaram a aceitá-lo, coloca em perigo tudo o que foi feito até agora.

Argumenta-se que assim é o mundo da economia e, portanto, se está sujeito “às leis do mercado”. Mas a economia não é uma ciência natural. Não se pode aceitar que o capital seja mais importante que a vida e o futuro do povo.

A crise da economia mundial colocou de manifesto como nunca antes a perversidade de um sistema que impõe a miséria e a exclusão das populações. Não há dúvida de que o exacerbado liberalismo econômico não é o mecanismo mais eficaz para produzir uma distribuição mais justa dos recursos e constituiu-se numa idolatria que pisoteia e destrói o ser humano.

Há poderes econômicos transnacionais que procuram e conseguem dobrar a vontade dos dirigentes e de seus povos, e impedem o desenvolvimento da comunidade. Quando a rapina econômica se apodera da vida da população surge o dilema entre o que é legal e o realmente legítimo.

Desde a perspectiva da fé cristã, reiterou-se que a economia tem que estar a serviço do ser humano e da comunidade, exigindo de nós que, como cidadãos, procuremos a busca da defesa dos interesses comunitários.

Com Jesus Cristo somos chamados a nos opor a todos os sistemas que geram e aumentam a destruição da vida na sociedade e no meio ambiente. Hoje, as Igrejas são chamadas a acompanhar com seu compromisso e sua reivindicação o desenvolvimento de uma comunidade, justa, pacífica e fraterna.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium