“Aqui não tem mídia, agora você vai morrer”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A ONU alerta que a covid-19 acelerará a transferência do poder econômico e político para as elites ricas

    LER MAIS
  • “Em nossa história moderna nunca sofremos duas revoluções tão profundas, em tão pouco tempo”. Entrevista com Ángel Bonet Codina

    LER MAIS
  • #MeToo e os novos movimentos eclesiais. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 03 Julho 2014

Preso nesta terça-feira ao pedir a identificação de uma policial militar, o advogado Daniel Biral conta que foi agredido e ameaçado por PMs.

Advogado com marcas da agressão em delegacia. Foto: Divulgação / Advogados Ativistas

A reportagem é de Piero Locatelli e publicada por CartaCapital, 03-07-2014.

“Um policial me pegou pelo pescoço e me deu uma gravata. Outro me pegou pela perna. No meio de uma escada no caminho para o camburão, o que segurava a minha cabeça me soltou. Comecei a gritar ‘mídia, mídia’. Depois, no DP, os caras abriram a caçamba e falaram: ‘ó, aqui não tem mídia, agora você vai morrer.”

Preso nesta terça-feira 1º no centro de São Paulo, Daniel Biral tem um relato semelhante aos de muitos outros detidos em manifestações na cidade. Integrante do grupo Advogados Ativistas, Biral trabalha na defesa destes manifestantes. Desta vez, era ele quem sofria o que normalmente busca evitar.

Biral foi preso durante um debate na praça Roosevelt, no centro de São Paulo. No local, de acordo com os organizadores do evento, deveria ocorrer “uma plenária ampla para arregimentar apoio à luta contra as prisões políticas”. O ato foi motivado pela prisão de dois manifestantes em um protesto contra a Copa do Mundo na última semana.

Alguns militantes acompanhavam com câmeras a ação da polícia que cercava a praça. Os Observadores Legais, como se autodenominam, são um grupo que busca registrar  como o Estado tem lidado com as manifestações.

Ao acompanhar um dos observadores, Biral pediu a identificação de uma policial. “Você é funcionaria pública e tem o dever de identificar”, disse o advogado, diante da recusa dela. Em seguida, ele gritou “não encosta em mim” repetidas vezes, antes de ser levado para trás dos escudos da Tropa de Choque.

Biral conta que foi mais agredido depois, durante o transporte até a delegacia. “Os caras me bateram, tomei várias porradas. Três foram mais fortes, porque foram na têmpora. Aí eu apaguei. Quando acordei, estava fora do camburão, jogado lá na frente do DP. Foi então que começam a me arrastar para dentro da delegacia.”

Mesmo se identificando como um advogado no exercício da sua profissão, Biral foi levado a duas delegacias naquela noite. Durante as duas horas e meia em que ficou detido, diz que não soube a alegação da sua prisão. “O delegado falando que advogado não tira foto, que aquilo não era exercício de advocacia. Eu falei que só falava com advogado ao meu lado, com membro da OAB junto, porque essa prisão era ilegal,” lembra Biral.

Além de Biral, a advogada Silvia Daskal e ao menos seis manifestantes também foram presos naquela noite. Os advogados devem se encontrar com representantes da OAB de São Paulo nesta quarta-feira 2 para pedir providências sobre o caso.

Veja vídeo, feito pelo grupo Advogados Ativistas, que mostra o momento da prisão de Biral.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Aqui não tem mídia, agora você vai morrer” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV