O Papa convida ex-escravas sexuais sul-coreanas para uma missa em Seul

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: André | 02 Julho 2014

Um grupo de mulheres sul-coreanas, que foram submetidas à escravidão sexual pelo Exército japonês durante a II Guerra Mundial, foi convidado para participar de uma missa que o Papa Francisco presidirá em Seul em meados de agosto.

A reportagem é da Agência Efe, 01-07-2014. A tradução é de André Langer.

Segundo indicou à Efe uma das suas porta-vozes, a máxima autoridade da Igreja católica na Coreia do Sul convidou, para participar do serviço religioso, estas sobreviventes de um cruel episódio, que continua provocando fortes tensões diplomáticas entre Seul e Tóquio.

Prevê-se que o Papa Francisco dedique uma mensagem àquelas que são conhecidas como “mulheres de conforto” durante a missa que presidirá na Catedral de Myeongdong, da capital sul-coreana, no dia 18 de agosto, último dia da visita do Pontífice à Coreia do Sul, confirmaram autoridades locais da Igreja católica.

No entanto, não se sabe se o Papa terá tempo para reunir-se pessoalmente com as escravas sexuais sobreviventes, muitas das quais são católicas.

Francisco visitará a Coreia do Sul entre os dias 14 e 18 de agosto para participar da VI Jornada da Juventude Asiática, em uma visita histórica por ser a terceira de um pontífice ao país asiático e a primeira em 25 anos desde a de João Paulo II, em 1989.

As 54 “mulheres de conforto” que ainda vivem na Coreia do Sul, todas elas de mais de 80 anos, fazem parte das 200.000 crianças, adolescentes e jovens recrutadas de forma forçada durante a II Guerra Mundial (1939-1945) pelo Exército Imperial japonês para proporcionar serviços sexuais aos seus soldados.

Embora o Japão já tivesse pedido perdão formalmente mediante uma declaração, em 1993, a Coreia do Sul continua reclamando desculpas mais sinceras e indenizações, razão pela qual o assunto continua provocando fortes tensões entre ambos os países.