Tatu em extinção reaparece nos campos do Mundial da Fifa

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Junho 2014

Dois exemplares de tatu-bola, um deles enrolado em si mesmo. Foto: Acervo Associação Caatinga

O mascote do Mundial da Fifa 2014 se inspirou no tatu-bola, uma espécie que pode fechar seu corpo como uma bola e que está ameaçado de extinção na região semiárida do Brasil, país sede desse torneio. A ideia nasceu em 2012 com uma campanha nas redes sociais da ecologista Associação Caatinga, que propunha o tatu-bola (Tolypeutes tricintctus) como mascote do campeonato, que acontecerá de 12 de junho a 13 de julho em 12 cidades brasileiras.

A reportagem é Fabiana Frayssinet, publicada por  Envolverde, 02-05-2014.

A Fifa (Federação Internacional de Futebol Associado) aceitou e batizou o mascote com o nome de Fuleco, derivado das palavras “futebol” e “ecologia”. “Trata-se de uma espécie exclusivamente brasileira, ameaçada de extinção”, disse ao Terramérica o secretário-executivo da Associação Caatinga, Rodrigo Castro. “Vive em um ecossistema pouco conhecido e protegido (a Caatinga) e tem a incrível capacidade de se fechar como um bola quando se sente ameaçado, devido à sua carcaça flexível”, explicou.

A Caatinga é o bioma semiárido do Nordeste brasileiro e cobre cerca de 10% do território nacional, entre 700 mil e um milhão de quilômetros quadrados. O Fuleco se multiplicou em milhões de bonecos e outros produtos com sua imagem comercializada pela Fifa – gerando também milhões de dólares em ganhos – exatamente ao contrário do pequeno animal, cada vez mais raro em seu habitat.

Na lista mundial de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), o tatu-bola está passando da categoria “vulnerável” para a “em perigo”. Isso “significa que, se nada for feito, o animal poderá ficar extinto nos próximos 50 anos”, disse ao Terramérica a bióloga e veterinária Flávia Miranda, do Projeto Tamanduá.

alt
Um tatu enrolado em sua armadura pode caber na mão de uma pessoa. Foto: Marco A. Freitas

O Tolypeutes tricinctus é uma das duas espécies de tatu com a faculdade de se enrolar formando uma bola. A outra é o Toypeutes matacus, presente em vários países sul-americanos. O tatu-bola pode medir até 45 centímetros e pesar um quilo e meio. Sua armadura é composta por três camadas térmicas ossificadas. Alimenta-se principalmente de insetos. Estima-se que tenham desaparecido 30% de sua população original. “Calculamos que perdeu 50% de seu habitat nos últimos 15 anos”, destacou Miranda, também consultora da Associação Caatinga.

A redução do habitat é a principal razão do perigo de extinção, afirmou Castro, causada pelo desmatamento da Caatinga e do Cerrado, a vizinha ecorregião de savana tropical que o tatu-bola também habita. Mas não se pode ignorar a caça. “Trata-se de uma prática cultural e tradicional de comunidades rurais”, acrescentou. “Todos apreciam sua carne. Inclusive muitos o matam para vendê-lo porque custa cerca de R$ 50 (cerca de US$ 23) o quilo”.

Às vésperas do Mundial, o Ministério do Meio Ambiente lançou um Plano de Ação Nacional para a Conservação do Tatu-Bola, de cinco anos, elaborado com a Associação Caatinga. Trata-se de um compromisso público com a preservação da espécie. “Vamos trabalhar associados a universidades e organismos públicos e privados para reduzir o desmatamento e a caça”, detalhou Miranda.

O plano estimulará também a criação de unidades de conservação e de reflorestamento. Ugo Eichler Vercillo, coordenador geral do governamental Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, disse ao Terramérica que o plano permitirá criar uma “força-tarefa” para combater a caça. Também serão promovidas ações para compensar a perda de recursos das comunidades pobres que caçam o animal para subsistência, graças às proteínas de sua carne.

Entre outras iniciativas, receberão a Bolsa Verde, uma ajuda mensal de R$ 100, além de benefícios de outros programas sociais e de transferência de renda para setores em extrema pobreza. São “populações que vivem do que coletam, plantam e caçam” em lugares como o interior de Bahia, Pernambuco, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte, explicou Vercillo. Esses habitantes de poucos recursos em áreas de difícil acesso cobiçam o tatu-bola “por não terem outra fonte de proteína”, acrescentou.

Em 2013, a Associação Caatinga, a UICN e a The Nature Conservancy puseram em marcha o programa Eu Protejo o Tatu-Bola, destinado a reduzir o risco de extinção. “Nosso projeto, estimado em dez anos, mapeará as áreas de presença natural e histórica e coletaremos dados de ameaças para trabalhar sobre eles”, contou Miranda.

Colocar a rolar o tatu-bola nos campos do Mundial busca convertê-lo “em uma espécie de símbolo da preservação da Caatinga, e de outras espécies da fauna e da flora que habitam”, afirmou Miranda. A Fifa adotou o tatu-bola como mascote por considerar que ajudará a “aumentar a conscientização no país sobre a vulnerabilidade” da espécie.

Porém, Castro espera algo mais da Fifa. “Nossa pergunta à Fifa é simples: o tatu-bola deu vida ao Fuleco, mas o Fuleco nada está fazendo pelo tatu-bola. Por que?”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tatu em extinção reaparece nos campos do Mundial da Fifa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV