Dirigente pagou R$ 11 mi por escolha de Qatar para Copa de 2022, diz jornal

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Justiça de São Paulo anula julgamentos de PMs pelo massacre do Carandiru

    LER MAIS
  • "Inadequado": jesuíta alemão liquida o último livro de Bento XVI

    LER MAIS
  • “Sem Cerrado, sem água, sem vida”: campanha nacional em defesa do Cerrado é lançada em Brasí

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

03 Junho 2014

O dirigente Mohamed Bin Hammam teria feito pagamentos totalizando US$ 5 milhões, cerca de R$ 11,1 milhões, para que o Qatar fosse escolhido para sediar a Copa do Mundo de 2022. A denúncia foi feita pelo jornal britânico The Sunday Times, que obteve documentos de transferências bancárias, e-mails e cartas.

A informação é publicada pelo portal Uol, 31-05-2014.

Hammam, que foi banido do futebol pela Fifa em 2011, teria feito lobby pelo Qatar ao menos um ano antes da escolha do país como sede do Mundial, segundo a reportagem. O dirigente foi rival do atual presidente da entidade, Joseph Blatter, na disputa pela presidência da Fifa.

Os documentos mostram que Hammam teria feito pagamentos diretamente a dirigentes de futebol na África para ter seu apoio na eleição do Qatar. O país negou com veemência qualquer irregularidade, e insiste que Hammam nunca teve um papel oficial apoiando a candidatura, e sempre trabalhou independentemente da campanha Qatar 2022.

Embora os funcionários não tivessem direito a voto, a estratégia de Hamman seria criar uma onda de apoio à candidatura do Qatar, que passaria então a influenciar os quatro integrantes africanos do comitê executivo da Fifa que tomavam parte na eleição.

O investigador-chefe da Fifa, Michael Garcia, está conduzindo uma longa averiguação sobre alegações de corrupção e irregularidades durante as eleições para as sedes das Copas de 2018 e 2022. Ele deve se reunir na próxima segunda-feira com funcionários do Comitê Organizador do Qatar.