A defesa de Thomas Piketty. “É possível que a realidade seja pior do que medi”

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS
  • Representante do Papa participa de Encontro "Economia de Francisco" na PUC-SP

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 29 Maio 2014

O popular economista francês, que ganhou fama por causa de seu livro “O Capital no século XXI”, no qual critica duramente o capitalismo, recebeu a maior reprovação por parte do jornal Financial Times, que afirma que seus cálculos sobre a desigualdade são errôneos. Contudo, Piketty (foto) não se calou e quis responder com uma dura advertência.

 
Fonte: http://goo.gl/bSFfpq  

A reportagem é publicada por El Economista America, 27-05-2014. A tradução é do Cepat.

“Segundo a averiguação do jornal Financial Times, o economista francês parece ter feito mal os seus cálculos... O volume de 577 páginas, de Piketty, contém uma série de erros que distorcem suas descobertas”, explica Chris Giles, editor do jornal britânico, em referência às estatísticas que o economista utiliza para provar sua principal tese, a de que a riqueza aumentou em maior velocidade do que o crescimento econômico, nos últimos 300 anos, com um forte aumento da desigualdade.

O jornal “encontrou erros e dados inexplicáveis em suas folhas de cálculo, semelhantes aos que foram encontrados, no último ano, dentro do trabalho sobre dívida pública e crescimento, dos professores Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff”. Segundo explica o texto, “a pesquisa aponta que há pouca evidência nas fontes originais utilizadas pelo professor Piketty, a partir das quais tenta mostrar o crescimento da riqueza dos mais ricos”.

Piketty responde

No entanto, o “Karl Marx” do século XXI, como foi apelidado pelo The Economist, não ficou calado. Em uma carta-resposta ao jornal britânico, divulgada pela BBC Mundo, Piketty defendeu suas conclusões. “Temos que trabalhar com a informação que há, que é muito heterogênea: dados sobre a herança, a propriedade, escassa informação sobre a propriedade e riqueza e as declarações de impostos”.

“É preciso fazer ajustes nesses dados, além disso, para homogeneizar as comparações entre diferentes países. De fato, é possível que minha estimativa da concentração da riqueza seja conservadora e que, na realidade, seja pior do que medi”, adverte o economista, de 35 anos, que disse que a crítica do Financial Times é ridícula e desonesta.

Além disso, em uma entrevista à agência France Presse, divulgada pelo jornal The Guardian, Piketty afirma que não tem “nenhuma dúvida” de que seus dados “podem melhorar e que melhorarão no futuro”, mas que ficaria muito surpreso se “algumas das conclusões de fundo, sobre a evolução da desigualdade, fossem gravemente afetadas” por essas descobertas.

Foi limitado em suas conclusões?

Piketty não só foi criticado pela direita, também há quem opine que, na realidade, o economista subestimou a desigualdade ao utilizar um cálculo muito conservador da riqueza em paraísos fiscais.

Em sua obra, o economista francês se baseia nos dados de outro pesquisador da Paris School of Economics, Gabriel Zucman, que estima que a riqueza escondida nos paraísos fiscais seja de 8 trilhões de dólares. No entanto, este estudo se baseia nos dados disponíveis em estudos macroeconômicos, como a balança de pagamento, por exemplo, e que inclui apenas ativos financeiros (deixa de fora outro tipo de riqueza, como iates ou obras de arte, entre outros).

Dentre aqueles que pensam a limitação de Piketty, está James Henry, professor do Centro para o Investimento Internacional Sustentável, da Universidade de Columbia. Segundo explicação dada a BBC Mundo, na realidade, há “21 bilhões de dólares ocultos em paraísos fiscais. A metade desta soma está nas mãos das 91.000 pessoas mais ricas do mundo, 0,001% da população mundial, que controla um terço de toda a riqueza mundial. Todavia, para além deste erro sobre a quantidade e o crescimento desta riqueza oculta, que o próprio Piketty admitiu, os questionamentos que lhe foram feitos são triviais, critica Henry.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A defesa de Thomas Piketty. “É possível que a realidade seja pior do que medi” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV