Zapatistas sofrem emboscada; um morre e 15 ficam feridos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 21 Mai 2014

Atentado no início do mês, que culminou com a morte de um professor da escuelita, faz com que o Exército Zapatista de Liberação Nacional (EZLN) cancele eventos que aconteceriam em breve no território rebelde.

A reportagem é de Waldo Lao e publicada por Brasil de Fato, 20-05-2014.

No último dia 2 de maio, em um dos cinco caracóis do território Zapatista, o caracol 1 – da Realidade, o guardião e professor da escuelita José Luis Solís López, o “Sargento Galeano”, foi assassinado com um tiro à queima-roupa. No atentado, outros 15 zapatistas das bases de apoio foram feridos com pedras e facões e os agressores destruíram ainda uma clínica, uma escola e um veículo de transporte autônomo.

Enquanto a imprensa local afirma que as agressões foram fruto de um enfrentamento entre zapatistas e o grupo paramilitar Central Independiente de Obreros Agrícolas y Campesinos Histórico (CIAOC-H), a realidade é outra. Nas palavras do Subcomandante Insurgente Marcos, tratou-se de uma agressão planejada e detalhada, uma emboscada.

O atentado fez com que o Exército Zapatista de Liberação Nacional (EZLN) cancelasse alguns eventos que aconteceriam em território rebelde, como a reunião que manteriam através do Congresso Nacional Indígena – com mais de 30 povos originários do país – nos dias 26 a 30 de maio; a homenagem ao filósofo Luis Villoro Toranzo (1922/2014) prevista para o dia 1º de junho no caracol Oventik e sua participação no se¬minário “Ética frente ao despojo”, que aconteceria de 2 a 8 do mesmo mês – e que contaria com a presença de mais de 60 convidados nacionais e estrangeiros.

Também foi suspenso, por tempo indefinido, o processo da escuelita zapatista, em seus próximos níveis.

Por conta das agressões, uma série de debates e fóruns nacionais e internacio¬nais que exigem o fim da guerra contra as comunidades zapatistas vem sendo realizada.

Um grupo de intelectuais e organiza¬ções tanto nacionais quanto internacionais publicou uma carta na qual não só repudia o assassinato de Galeano como também questiona o presidente Enrique Peña Nieto e o governador de Chiapas, Manuel Velasco Coello, do Partido Verde Ecologista do México (PVEM). “O que se pode entender com esta agressão paramilitar que chegou ao centro da Realidade?”, questionam os intelectuais.

“Como ler esta provocação relacionada com a volta do governo do PRI se o PRI não voltou? O que vemos, na verdade, é a continuação e a coalizão instável de máfias, que se unem para propósitos pontuais, mas se mantêm em contínua tensão em suas disputas de interesses. Isso é o que propicia o clima de violência e instabilidade que caracteriza a trágica situação que o país vive”, ressalta em conversa com o Brasil de Fato, um dos signatários do documento o ativista social Gustavo Esteva.

“O assassinato do companheiro Galeano significa que os governos estão dis¬postos a tudo para seguir em frente com suas iniciativas. Trata-se de um crime de Estado, com premeditação, traição e vantagem. Significa também que os go¬vernos reconhecem a importância do zapatismo em resistência diante do des¬pojo”, prossegue Esteva. Sobre os modos e mecanismos da guerra contrainsur¬gente, Esteva diz que uma das vertentes principais é “o uso assustador e obsceno de programas sociais para cooptar gen¬te, a fim de debilitar os zapatistas e criar tensões com quem quer se colocar nas mãos do governo, com quem eles cha¬mam de seus irmãos confundidos”.

Atenco e Acteal

É importante recordar que o presidente Enrique Peña Nieto é um dos respon¬sáveis pela violência ocorrida em Atenco (estado do México), quando era governa¬dor do estado, em maio de 2006, quando duas pessoas foram mortas e mais de 40 mulheres foram violentadas.

Oito anos depois, ainda não foi feita justiça. O atual secretário de educação de Peña Nieto, Emilio Chuayffet foi, durante o governo de Ernesto Zedillo (1994-2000), secretário de governo e também um dos responsáveis pe¬lo massacre de Acteal, ocorrido em 22 de dezembro de 1997, no município de Chenalhó (Chiapas). Na ocasião foram assassinados 45 indígenas tzotziles – tanto crianças quanto mulheres grávi¬das – que estavam rezando dentro de uma igreja.

Uma das primeiras provocações do go¬verno do presidente Peña Nieto às comunidades zapatistas ocorreu em 21 de janeiro de 2013, quando lançou oficialmente o programa “Campanha Nacional contra a Fome”, em um dos estados mais pobres do país, na porta das comunida¬des zapatistas, em um município simbólico que foi tomado em 1994 pelo EZLN, “Las Margaritas”, que abarca parte da Selva Lacandona.

O evento aconteceu um mês depois da marcha silenciosa, quando mais de 40 mil indígenas que compõem bases de apoio zapatistas ocuparam simbolica¬mente algumas cidades do estado. Seu comunicado “Escutaram?”, mostrava ao governo que os zapatistas continuam presentes e organizados.

A guerra de baixa intensidade ou de contrainsurgência se mantém presente ao longo destes 20 anos de luta, seja com planos, programas ou políticas assisten¬cialistas, com o suborno de lideranças locais e regionais, seja por pressões de organizações como a CIOAC-H ou a Organização para a Defesa dos Direitos Indígenas e Camponeses (OPDDIC), mecanismos que pretendem fragmentar, isolar e romper com o processo da construção da autonomia territorial, um processo integral que abarca tanto educação, saúde, agroecologia, justiça e democracia.

Quando os zapatistas falam de um mundo onde caibam muitos mundos, não estão falando de um futuro próximo. Sua utopia já é prática nas suas comunidades em resistência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Zapatistas sofrem emboscada; um morre e 15 ficam feridos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV