17 de maio de 1915 – Primeira Guerra Mundial faz superior-geral dos jesuítas se mudar para a Suíça

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • Flávio Rocha lança manifesto pelo Estado mínimo após receber R$ 1,4 bi do BNDES

    LER MAIS
  • Francisco no Chile. Papa causou 'muito sofrimento' em vítimas de abuso no Chile, diz cardeal Cardeal O'Malley

    LER MAIS
  • Líder camponês paraibano é reconhecido como ‘Herói da Pátria’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2014

Quando a Itália entrou na guerra contra a Áustria, ficou insustentável para Ledochowski (foto) permanecer em Roma. Então, ele se mudou com a Cúria para Zizers, na Suíça, onde ele foi capaz de governar com menos interrupções.

A nota é publicada por Jesuit Restoration 1814, 18-05-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A Primeira Guerra Mundial começou em 1914 com o assassinato do arquiduque Francisco Fernando da Áustria. Houve um confronto entre a Áustria e a Sérvia (ele foi morto por um nacionalista bósnio). Esse confronto inicial desencadeou uma série de alianças e levou ao fim do Império Austro-Húngaro e ao confronto dos alemães contra os ingleses, franceses e russos.

Assim, essa guerra foi, essencialmente, uma batalha de impérios. A Itália fazia parte da tríplice aliança com os alemães e os austríacos, mas optou inicialmente por não entrar na guerra por entender isso como uma aliança defensiva e viu a Áustria como a agitadora. Em 1915, ela mudou de ideia e entrou na guerra ao lado dos britânicos.

Enquanto isso, em Roma, morria o Pe. Wenz em 1914. Um dia depois morreria Pio X. Alguns dizem que Pio X morreu de coração partido ao testemunhar a Europa se desintegrar, apesar de seus notáveis esforços pela paz. Seis meses depois, os jesuítas elegeram seu 26º superior-geral. Wlodimir Ledochowski era de uma família aristocrática austríaco-polonesa e foi superior entre 1915 e 1942. Quando a Itália entrou na guerra contra a Áustria ficou insustentável para Ledochowski permanecer em Roma. Então, ele se mudou com a Cúria para Zizers, na Suíça, onde ele foi capaz de governar com menos interrupções.

Os jesuítas serviram como capelães durante a guerra em ambos os lados. O padre jesuíta irlandês William Doyle foi um excelente capelão, premiado e elogiado por sua bravura. Ele morreu durante a batalha de Passchendeale depois de correr aqui e ali, no campo de batalha, como um anjo de misericórdia. A publicação de seus escritos e diários espirituais gerou grande interesse na Irlanda. Ele foi declarado servo de Deus e sua causa de beatificação está aberta. Um blog com seus escritos, em inglês, pode ser acessado aqui.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

17 de maio de 1915 – Primeira Guerra Mundial faz superior-geral dos jesuítas se mudar para a Suíça - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV