Apenas 30% das cidades estabeleceram metas para diminuição de resíduos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2014

"'Simplesmente acumulamos e não devolvemos nem regeneramos nada. Um dos grandes esforços do século 21 é mudar a natureza e o aglomerado urbano, transformando-o em espaço de reciclagem', declarou o vereador Ricardo Young (PPS)."

A reportagem é de Flávia Albuquerque, publicada por Agência Brasil , 12-05-2014.

Apenas 30% das cidades brasileiras estabeleceram metas para a redução de resíduos sólidos, disse ontem (12) o coordenador do Instituto Lixo Zero, Rodrigo Sabatin. Ele participou de seminário na Câmara Municipal de São Paulo e defendeu o planejamento e a mudança de rotina para encaminhar quase todo o lixo de forma correta.

Para Sabatini, se a humanidade tem capacidade para criar e fabricar produtos, é capaz também de planejar e gerenciar o descarte ou a reutilização do lixo. “Primeiro é preciso estabelecer uma meta e planejar. Se encaminharmos 90% do lixo corretamente já é ótimo. Uma vez estabelecendo uma meta, teremos profissionais estudando como chegar a essa meta. Esse é o princípio do lixo zero. Queremos estimular a mudança de hábitos”, declarou.

Segundo o coordenador, o conceito de lixo zero precisa ser compreendido pela população como algo que deve ser planejado para reduzir ao mínimo o envio de material para aterros sanitários ou incineradores.

Ele ressaltou que a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que obriga os grandes geradores de lixo a estabelecer metas para a diminuição dos resíduos, pôs os municípios numa corrida contra o tempo.

“Agora estamos em uma corrida muito perigosa porque não sabemos a qualidade dos projetos que virão para planejarmos a administração dos resíduos. A lei diz que o grande gerador tem de ter seu plano de gestão de resíduos sólidos. O número, nesse caso, é muito menor do que o de cidades. Existe uma crença de que a lei vai ser prorrogada de alguma forma, mas o Ministério Público já se pronunciou dizendo que vai fazer a lei ser cumprida”, alertou.

O vereador Ricardo Young (PPS) ressaltou que a única forma de transformar as cidades em sustentáveis é transformá-las em espaços urbanos regeneradores de serviços ambientais. No entanto, os centros urbanos funcionam recebendo os recursos naturais e os degradando.

“Simplesmente acumulamos e não devolvemos nem regeneramos nada. Um dos grandes esforços do século 21 é mudar a natureza e o aglomerado urbano, transformando-o em espaço de reciclagem”, declarou.

Young defendeu a ampliação da reciclagem para transformar centros urbanos em concentrações capazes de reutilizar os resíduos: “Quanto mais conseguirmos recuperar, menor será nossa agressão ao meio ambiente e mais condições teremos de reduzir o enorme risco gerado pelas cidades”. Ele ressaltou que o município de São Paulo é pioneiro na aplicação da Lei de Resíduos Sólidos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Apenas 30% das cidades estabeleceram metas para diminuição de resíduos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV