Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Não há alternativa para a austeridade, caso a social-democracia continue prisioneira de Merkel

O cientista político e catedrático francês Sami Naïr (foto) está convencido que o candidato socialista que irá presidir a Comissão Europeia, Martin Schulz, não mudará a política de austeridade da União Europeia (UE) porque é “prisioneiro” da aliança entre a chanceler alemã, Angela Merkel, e o partido social-democrata.

 
Fonte: http://goo.gl/16XdCf  

A reportagem é de María Salas, publicada por Público.es, 12-05-2014. A tradução é do Cepat.

Em uma entrevista, motivada pela publicação de seu livro ‘El desengaño Europeo’ (Galaxia Gutenberg), Naïr explica que com as eleições europeias, que ocorrerão no próximo dia 25 de maio, é necessário acabar com a “Europa da punição” e dos países ricos frente aos pobres, dos dominantes e os dominados.

Europarlamentar até 2004, Naïr afirma que Schulz é “um bom deputado e um homem de elevada qualidade pessoal, progressista e humanista no sentido profundo”, mas adverte que não poderá acabar com esta Europa da punição, nem desenvolver uma política contra a vontade de Merkel.

Desta forma, o cientista político prediz que a campanha europeia será “demagógica”, porque os partidos progressistas e conservadores maximizarão de maneira fictícia suas diferenças, que no Parlamento Europeu costuma desembocar em um voto comum para a mesma orientação. Assim, denuncia que a Europa vive seu pior momento, com uma Comissão Europeia que segue uma política de “austericídio”, seguindo o modelo norte-americano baseado em “acabar com o conceito de interesse geral, serviços públicos e igualdade de oportunidades”, um sistema que resulta “insustentável”, em sua avaliação.

Em sua opinião, o Parlamento Europeu deve ter uma alternativa ao liberalismo “devastador” da Comissão, estar ligado à soberania popular e desenvolver políticas que se distanciem dos dirigentes “tecnocratas” e “atuem em nome dos cidadãos”, com uma dimensão política na UE. E enfatiza que a Alemanha não permitirá a criação de um governo político europeu, mas confia que países como Itália, Grécia, Portugal ou Espanha criem uma “relação de força” frente à política de austeridade alemã.

Além disso, avalia que a hegemonia alemã ultrapassou o espaço econômico e chegou ao político, com uma nação “que quer dominar o restante”. A única solução que acredita ser possível é que os cidadãos estabeleçam controles sobre o trabalho dos partidos políticos e que estas formações estabeleçam um programa de salvação europeia frente à política “imposta pela Alemanha e a Comissão”.

No caso de não desenvolver este programa de salvação política, a UE verá crescer o auge dos extremismos, com o aumento do “desprezo” em relação aos países pobres da UE, uma visão que só pode ser mudada “com políticas sociais”, segundo o cientista político. Explica que os extremismos se devem a uma desvinculação, “cada vez mais importante”, entre as elites dominantes e a imensa maioria do povo. Uma desvinculação que, segundo Naïr, chegou também à imigração, um assunto em relação ao qual acredita que a UE é “demasiada egoísta”, e mostra-se uma “fortaleza” para os imigrantes que ainda conservam a UE como modelo de qualidade de vida.

Esta reação para com aqueles que vêm de outros países foi “lamentável” também na Ucrânia, um país para o qual, segundo Sami Naïr, a UE “prometeu muitas coisas sabendo que não as cumpriria” e que utilizou como “elemento de oposição” em relação à Rússia. “Há alternativas e há esperanças”, conclui Naïr, que confia que a UE opte em deixar de ser um “pesadelo” e favoreça os interesses comuns.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium