Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

O samaritano digital: como superar a intolerância com a proximidade

Na internet, o contato com o outro se torna muito mais fácil, simples e cômodo: com um clicar de botões, instantaneamente temos acesso ao mundo – e o mundo pode ter acesso a nós. E o que era para ser uma inter-relação – uma ação com o outro –, muitas vezes, acaba desmoronando para uma ação sobre o outro e, facilmente, para uma ação contra o outro.

A opinião é de Moisés Sbardelotto, jornalista, doutorando em Ciências das Comunicação pela Unisinos e autor do livro E o Verbo se fez bit: A comunicação e a experiência religiosas na internet (Ed. Santuário, 2012). O artigo foi publicado na revista O Mensageiro de Santo Antônio, de abril de 2014.

Eis o texto.

“Um homem ia descendo de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes, que lhe arrancaram tudo e o espancaram. Depois foram embora e o deixaram quase morto” (Lc 10, 25-37). A parábola contada por Jesus é bastante conhecida e, infelizmente, muito atual em tempos de internet. São muitas as pessoas, especialmente crianças e jovens, que caem nas mãos de “assaltantes digitais”, que lhes arrancam tudo, espancam-nas, vão embora e as deixam quase mortas – em termos pessoais, familiares, comunitários e sociais.

A intolerância, a agressividade, a humilhação e o ódio na internet (formas de violência também chamadas de ciberbullying) não são uma novidade e se tornam cada vez mais crescentes e alarmantes. A organização britânica Ditch the Label, que combate as diversas formas de bullying, realizou em 2013 a maior pesquisa sobre ciberbullying feita até hoje, com mais de 10 mil jovens. O resultado: 7 em cada 10 entrevistados (ou 69%) são vítimas de agressões na internet. Do total, 37% sofrem as agressões em um nível considerado “altamente frequente”, e 20% experimentam modalidades de “ciberbullying extremo” diariamente. De acordo com a pesquisa, redes sociais digitais como Facebook e Twitter são as principais fontes de agressões.

Essas agressões envolvem questões de gênero, política, economia, etnia... e também religião. Até mesmo no interior de sites e páginas autodenominados católicas, a intolerância e a agressividade se fazem presentes: o “ser católico” se torna uma propriedade exclusiva de alguns poucos guardiões ferrenhos da doutrina e da moral, que se arrogam o direito de apontar “ateus”, “pagãos” e “hereges” por toda a parte, sempre com um mesmo destino: a excomunhão (ou mesmo o inferno). Pessoas que só se sentem “católicas” se tiverem um inimigo explícito a combater, sempre entrincheiradas contra eles. E, assim, a autêntica catolicidade – a universalidade do ser cristão – dá lugar ao sectarismo mais canhestro.

Há muitos elementos que colaboram com esse fenômeno, principalmente a facilidade de acesso e de uso das tecnologias digitais, e sua abrangência e disseminação como ambientes de interação pessoal e de comunicação social. Na internet, o contato com o outro se torna muito mais fácil, simples e cômodo: com um clicar de botões, instantaneamente temos acesso ao mundo – e o mundo pode ter acesso a nós. Expormo-nos e expor os outros, para o bem ou para o mal, passa a estar ao alcance das mãos. A facilidade da interação também pode se somar ao anonimato das conversas, que esconde o pior de cada um. A tecnologia que nos aproxima, ao mesmo tempo, nos distancia. Estamos “juntos”, mas às vezes não nos reconhecemos. E o que era para ser uma inter-relação – uma ação com o outro – acaba desmoronando para uma ação sobre o outro e, facilmente, para uma ação contra o outro.

E não se trata de “coisas do mundo virtual”. Bento XVI já afirmava que “o ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade cotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens”. Não existe oposição entre “mundo real” e “mundo virtual”. Há apenas um ambiente digital (ou seja, mediado por uma tecnologia específica) dentro de uma mesma realidade humana. A culpa não é da internet. O ciberbullying é apenas a versão digital de algo que já existe na vida cotidiana. A dor da ofensa recebida na internet tem o mesmo peso se fosse dita face a face – ou é até mais forte, já que na internet ela pode ser pública e acessível por qualquer pessoa, a qualquer momento, em qualquer lugar.

E aqui voltamos à parábola de Jesus. O homem ferido foi ignorado pelo sacerdote e pelo legista, que passaram “pelo outro lado”. Quem o socorreu foi um samaritano (um desconhecido, estranho, forasteiro, diferente), que “se aproximou dele, viu, e teve compaixão” (v. 33). O Papa Francisco, em sua mensagem ao 48º Dia Mundial das Comunicações, chama esse relato evangélico de “parábola do comunicador”. Na comunicação também, portanto, o desafio é superar a intolerância e a agressividade dos assaltantes, e a indiferença e o preconceito do sacerdote e do legista. Para isso, o papa propõe a proximidade: pois “comunicação é proximidade”, e “quem comunica faz-se próximo”.

Para entender o valor da proximidade, podemos recorrer a uma antiga parábola da cultura tibetana. Ela conta que um viajante caminhava sozinho pelo deserto. Lá ao longe, percebeu que algo de confuso se mexia. Começou a ter medo: na solidão absoluta, esse ser obscuro e misterioso talvez pudesse ser um animal, uma fera. Porém, o viajante avançou, se aproximou um pouco mais e entreviu que não se tratava de uma fera, mas sim de uma pessoa. O medo, contudo, não passou: ao contrário, aumentou com o pensamento de que aquela pessoa podia ser um ladrão. Mas o viajante continuou, avançou ainda mais, até estar frente a frente com o outro. Foi então que o viajante o reconheceu e, com surpresa e comoção, exclamou: “Meu irmão! Há tantos anos não nos víamos!”.

A distância gera medo. Por medo do desconhecido e do diferente, preferimos ficar longe, muitas vezes encastelados em indiferença e preconceito, ou abrindo espaço apenas para a intolerância e a agressividade. Mas, para superar o temor, é preciso me aproximar do outro. Reconhecer esse outro que me desafia – e que não era nem percebido, ou era percebido negativamente. Colocar-me frente a frente dele para reconhecer nossas semelhanças e diferenças. E também para me dar conta de que a alteridade e a heteronomia do outro são fundamentais para a constituição da minha própria identidade e autonomia pessoais.

Proximidade, portanto, não é mera tolerância ao outro. Muitas vezes, somos tolerantes porque somos indiferentes. Toleramos o diferente porque todos são indiferentes para mim: “Que façam o que quiserem, contanto que não interfiram na minha vida!”.

Proximidade também não é “ter pena” do outro. Sentir pena é tornar o outro inferior a mim, vitimizando-o e fragilizando-o ainda mais. “Eu, que estou ‘ótimo, obrigado’, sinto pena de você, que se encontra na pior”.

Proximidade não é apenas viver uma comunicação de “conto de fadas”: o conflito também é uma forma de interação. Comunica-se algo no conflito. Mas – para que não se esvazie na indiferença ou não exploda no ódio – ele deve ser superado e vivido como reconhecimento do outro na sua diferença. Trata-se de dia-logar: permitir que dois saberes diferentes se encontrem. No encontro dialógico, já dizia Paulo Freire, não há um ignorante absoluto, nem um sábio absoluto: há duas pessoas que, em comunhão, buscam saber o que ainda não sabem, ou saber mais do que já sabem. Trata-se de passar do duelo ao dueto: o outro que me assusta e me questiona se torna desafio positivo para a minha própria superação, e não obstáculo a ser ignorado ou destruído.

Na parábola evangélica, ao contrário do sacerdote e do legista, o samaritano viu no homem ferido e jogado pela estrada um ser humano. Reconheceu um “outro” semelhante a ele e “teve compaixão”. Com-padeceu-se. Viveu junto com ele aquele padecimento, aquela paixão, aquele sofrimento. Sentiu na sua própria carne a agressão dos assaltantes. E assim pôde cuidar do homem ferido, porque se fez semelhante a ele. O samaritano foi ao encontro, se fez próximo, sentiu compaixão e cuidou dele, como Jesus, que tinha a condição divina, mas não se apegou a ela. Ao contrário, esvaziou-se e assumiu a condição de servo, de ser humano, por puro amor a nós (cf. Fil 2, 6-7).

Com a parábola do bom samaritano, afirma o papa, “Jesus inverte a perspectiva”. “Não se trata de reconhecer o outro como um semelhante meu, mas da minha capacidade de me fazer semelhante ao outro”. Fazer-me próximo é ir além do mero reconhecimento indiferente ou tolerante do outro. É “fazer-me semelhante ao outro”. O maior desafio de qualquer processo comunicativo não é apenas reconhecer o outro na sua diferença – mas sim aceitá-lo e amá-lo nessa diferença. É reconhecer que somos iguais na diferença, e por isso nos “aproximamos”, criamos “proximidade”, nos fazemos próximos e nos comunicamos.

Hoje, embora nos achemos tão “desenvolvidos” tecnologicamente, precisamos resgatar com urgência alguns aspectos básicos e milenares dos processos comunicativos, como o encontro e a proximidade. Ainda temos muito a aprender com as culturas originais. As tribos africanas, nesse sentido, nos deixaram como legado o valioso princípio ético do ubuntu, que significa: “Eu sou porque nós somos”. Existo porque existimos juntos. Coexistimos. Por isso, destruir a existência do outro, na internet ou não, é destruir a todos nós. Cuidar do outro, como o bom samaritano, é cuidar de todos nós. Pois, como diz o ditado, “se todos portarem uma faca, é fácil surgir a violência. Mas, se todos carregarem violões, é fácil surgir música”.

Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4

O samaritano digital: como superar a intolerância com a proximidade

 

Uma sugestão de imagem é a pintura “O bom samaritano”, de Van Gogh: http://goo.gl/AZewUp

Se possível, também, manter os itálicos na versão impressa. Obrigado!

 

Moisés Sbardelotto

 

Um homem ia descendo de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes, que lhe arrancaram tudo e o espancaram. Depois foram embora e o deixaram quase morto” (Lc 10, 25-37). A parábola contada por Jesus é bastante conhecida e, infelizmente, muito atual em tempos de internet. São muitas as pessoas, especialmente crianças e jovens, que caem nas mãos de “assaltantes digitais”, que lhes arrancam tudo, espancam-nas, vão embora e as deixam quase mortas – em termos pessoais, familiares, comunitários e sociais.

A intolerância, a agressividade, a humilhação e o ódio na internet (formas de violência também chamadas de cyberbullying) não são uma novidade e se tornam cada vez mais crescentes e alarmantes. A organização britânica Ditch the Label, que combate as diversas formas de bullying, realizou em 2013 a maior pesquisa sobre cyberbullying feita até hoje, com mais de 10 mil jovens. O resultado: 7 em cada 10 entrevistados (ou 69%) são vítimas de agressões na internet. Do total, 37% sofrem as agressões em um nível considerado “altamente frequente”, e 20% experimentam modalidades de “cyberbullying extremo” diariamente. De acordo com a pesquisa, redes sociais digitais como Facebook e Twitter são as principais fontes de agressões.

Essas agressões envolvem questões de gênero, política, economia, etnia... e também religião. Até mesmo no interior de sites e páginas autodenominados católicos, a intolerância e a agressividade se fazem presentes: o “ser católico” se torna uma propriedade exclusiva de alguns poucos guardiões ferrenhos da doutrina e da moral, que se arrogam o direito de apontar “ateus”, “pagãos” e “hereges” por toda a parte, sempre com um mesmo destino: a excomunhão (ou mesmo o inferno). Pessoas que só se sentem “católicas” se tiverem um inimigo explícito a combater, sempre entrincheiradas contra eles. E, assim, a autêntica catolicidade – a universalidade do ser cristão – dá lugar ao sectarismo mais canhestro.

Há muitos elementos que colaboram com esse fenômeno, principalmente a facilidade de acesso e de uso das tecnologias digitais, e sua abrangência e disseminação como ambientes de interação pessoal e de comunicação social. Na internet, o contato com o outro se torna muito mais fácil, simples e cômodo: com um clicar de botões, instantaneamente temos acesso ao mundo – e o mundo pode ter acesso a nós. Expormo-nos e expor os outros, para o bem ou para o mal, passa a estar ao alcance das mãos. A facilidade da interação também pode se somar ao anonimato das conversas, que esconde o pior de cada um. A tecnologia que nos aproxima, ao mesmo tempo, nos distancia. Estamos “juntos”, mas às vezes não nos reconhecemos. E o que era para ser uma inter-relação – uma ação com o outro – acaba desmoronando para uma ação sobre o outro e, facilmente, para uma ação contra o outro.

E não se trata de “coisas do mundo virtual”. Bento XVI já afirmava que “o ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade cotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens”. Não existe oposição entre “mundo real” e “mundo virtual”. Há apenas um ambiente digital (ou seja, mediado por uma tecnologia específica) dentro de uma mesma realidade humana. A culpa não é da internet. O cyberbullying é apenas a versão digital de algo que já existe na vida cotidiana. A dor da ofensa recebida na internet tem o mesmo peso se fosse dita face a face – ou é até mais forte, já que na internet ela pode ser pública e acessível por qualquer pessoa, a qualquer momento, em qualquer lugar.

E aqui voltamos à parábola de Jesus. O homem ferido foi ignorado pelo sacerdote e pelo legista, que passaram “pelo outro lado”. Quem o socorreu foi um samaritano (um desconhecido, estranho, forasteiro, diferente), que “se aproximou dele, viu, e teve compaixão” (v. 33). O Papa Francisco, em sua mensagem ao 48º Dia Mundial das Comunicações, chama esse relato evangélico de “parábola do comunicador”. Na comunicação também, portanto, o desafio é superar a intolerância e a agressividade dos assaltantes, e a indiferença e o preconceito do sacerdote e do legista. Para isso, o papa propõe a proximidade: pois “comunicação é proximidade”, e “quem comunica faz-se próximo”.

Para entender o valor da proximidade, podemos recorrer a uma antiga parábola da cultura tibetana. Ela conta que um viajante caminhava sozinho pelo deserto. Lá ao longe, percebeu que algo de confuso se mexia. Começou a ter medo: na solidão absoluta, esse ser obscuro e misterioso talvez pudesse ser um animal, uma fera. Porém, o viajante avançou, se aproximou um pouco mais e entreviu que não se tratava de uma fera, mas sim de uma pessoa. O medo, contudo, não passou: ao contrário, aumentou com o pensamento de que aquela pessoa podia ser um ladrão. Mas o viajante continuou, avançou ainda mais, até estar frente a frente com o outro. Foi então que o viajante o reconheceu e, com surpresa e comoção, exclamou: “Meu irmão! Há tantos anos não nos víamos!”.

A distância gera medo. Por medo do desconhecido e do diferente, preferimos ficar longe, muitas vezes encastelados em indiferença e preconceito, ou abrindo espaço apenas para a intolerância e a agressividade. Mas, para superar o temor, é preciso me aproximar do outro. Reconhecer esse outro que me desafia – e que não era nem percebido, ou era percebido negativamente. Colocar-me frente a frente dele para reconhecer nossas semelhanças e diferenças. E também para me dar conta de que a alteridade e a heteronomia do outro são fundamentais para a constituição da minha própria identidade e autonomia pessoais.

Proximidade, portanto, não é mera tolerância ao outro. Muitas vezes, somos tolerantes porque somos indiferentes. Toleramos o diferente porque todos são indiferentes para mim: “Que façam o que quiserem, contanto que não interfiram na minha vida!”.

Proximidade também não é “ter pena” do outro. Sentir pena é tornar o outro inferior a mim, vitimizando-o e fragilizando-o ainda mais. “Eu, que estou ‘ótimo, obrigado’, sinto pena de você, que se encontra na pior”.

Proximidade não é apenas viver uma comunicação de “conto de fadas”: o conflito também é uma forma de interação. Comunica-se algo no conflito. Mas – para que não se esvazie na indiferença ou não exploda no ódio – ele deve ser superado e vivido como reconhecimento do outro na sua diferença. Trata-se de dia-logar: permitir que dois saberes diferentes se encontrem. No encontro dialógico, já dizia Paulo Freire, não há um ignorante absoluto e um sábio absoluto: há duas pessoas que, em comunhão, buscam saber o que ainda não sabem, ou saber mais do que já sabem. Trata-se de passar do duelo ao dueto: o outro que me assusta e me questiona se torna desafio positivo para a minha própria superação, e não obstáculo a ser ignorado ou destruído.

Na parábola evangélica, ao contrário do sacerdote e do legista, o samaritano viu no homem ferido e jogado pela estrada um ser humano. Reconheceu um “outro” semelhante a ele e “teve compaixão”. Com-padeceu-se. Viveu junto com ele aquele padecimento, aquela paixão, aquele sofrimento. Sentiu na sua própria carne a agressão dos assaltantes. E assim pôde cuidar do homem ferido, porque se fez semelhante a ele. O samaritano foi ao encontro, se fez próximo, sentiu compaixão e cuidou dele, como Jesus, que tinha a condição divina, mas não se apegou a ela. Ao contrário, esvaziou-se e assumiu a condição de servo, de ser humano, por puro amor a nós (cf. Fil 2, 6-7).

Com a parábola do bom samaritano, afirma o papa, “Jesus inverte a perspectiva”. “Não se trata de reconhecer o outro como um semelhante meu, mas da minha capacidade de me fazer semelhante ao outro”. Fazer-me próximo é ir além do mero reconhecimento indiferente ou tolerante do outro. É “fazer-me semelhante ao outro”. O maior desafio de qualquer processo comunicativo não é apenas reconhecer o outro na sua diferença – mas sim aceitá-lo e amá-lo nessa diferença. É reconhecer que somos iguais na diferença, e por isso nos “aproximamos”, criamos “proximidade”, nos fazemos próximos e nos comunicamos.

Hoje, embora nos achemos tão “desenvolvidos” tecnologicamente, precisamos resgatar com urgência alguns aspectos básicos e milenares dos processos comunicativos, como o encontro e a proximidade. Ainda temos muito a aprender com as culturas originais. As tribos africanas, nesse sentido, nos deixaram como legado o valioso princípio ético do ubuntu, que significa: “Eu sou porque nós somos”. Existo porque existimos juntos. Coexistimos. Por isso, destruir a existência do outro, na internet ou não, é destruir a todos nós. Cuidar do outro, como o bom samaritano, é cuidar de todos nós. Pois, como diz o ditado, “se todos portarem uma faca, é fácil surgir a violência. Mas, se todos carregarem violões, é fácil surgir música”.

 

* * *

 

Moisés Sbardelotto é jornalista e autor do livro E o Verbo se fez bit: A comunicação e a experiência religiosas na internet (Editora Santuário).

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium