Venezuela. Papa Francisco, um testemunho de boa fé

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A barbárie com rosto humano. Artigo de Slavoj Zizek

    LER MAIS
  • A vida após a emergência do vírus não será a mesma de antes: como mudarão as lojas, escolas, viagens, restaurantes

    LER MAIS
  • ‘Após o coronavírus, o mundo não voltará a ser o que era’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 01 Abril 2014

Sobre o espírito mediador do papa Francisco havia sido falado, insistentemente, quando uma poderosa guerra internacional esteve a ponto de se desencadear na Síria. Armas químicas, em poder da Síria, e que o governo aparentemente havia usado contra seus opositores internos haviam desencadeado a crise. O Papa se mexeu, comentou-se sobre ligações telefônicas entre a Síria e o Vaticano. Francisco instituiu um dia de jejum e oração pela paz na Síria e escreveu uma carta sobre este assunto para Vladimir Putin, por ocasião do G-20 que ocorreu em São Petersburgo. E o certo é que os Estados Unidos e a Rússia se sentaram para conversar sobre como evitar a guerra e a evitaram.

 
Fonte: http://goo.gl/pzXqjC  

A reportagem é de Elena Llorente, publicada por Página/12, 31-03-2014. A tradução é do Cepat.

Claro, alguns poderão dizer que o Papa não foi um verdadeiro mediador. Porém, teve a sua influência, e assim muitos reconheceram. Agora, poderia ser a vez da Venezuela, fundada em uma difícil situação, com enfrentamentos entre setores governamentais e opositores que, até agora, provocaram 38 mortes e centenas de feridos. A possibilidade de uma mediação foi aberta, claramente, após as palavras do porta-voz vaticano, o padre Federico Lombardi, nesta semana. Lombardi disse que o Vaticano e seu secretário de Estado, Pietro Parolin (na foto, à esquerda do Papa), “que conhece bem e ama a Venezuela, já que foi núncio apostólico ali, estão dispostos e desejosos de fazer o que for possível pelo bem e a serenidade do país”. Contudo, Lombardi esclareceu que para tomar uma decisão desta natureza a Santa Sé, previamente, deve “aprofundar alguns aspectos para melhor avaliar” a situação e poder apreciar se sua intervenção poderia conduzir ao “objetivo desejado”, e que isso está sendo feito neste momento. Isto significa que o Vaticano, por meio de um enviado ou da própria nunciatura (embaixada) em Caracas, está reunindo informação e sobrepesando cuidadosamente os prós e contras de uma ação desta natureza.

Sabe-se que as partes em batalha, ou seja, o governo de Nicolás Maduro e seus opositores, aceitariam muito bem a mediação do Vaticano e em especial de Parolin. Foi assim que se manifestou Maduro: “Que venha o secretário de Estado, o chanceler do Vaticano, Pietro Parolin? Que venha!”, disse. Durante seus quatro anos como núncio apostólico em Caracas, isto é, como embaixador da Santa Sé, Parolin, segundo a imprensa italiana, conseguiu tecer uma boa relação com o governo de Hugo Chávez. Maduro fez este comentário após ter recebido muito bem a sugestão realizada pela comissão de chanceleres da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) de aceitar uma testemunha de boa fé, que facilite a aproximação entre as partes em conflito.

Não se dá por certo que Parolin será o mediador diretamente, uma vez que, como virtual primeiro-ministro do Vaticano, deve ter sua agenda cheia. Na realidade, o mediador oficial costuma ser o papa pessoalmente, mas este nomeia um encarregado do ofício mediador, que na realidade é quem se ocupa dos detalhes e conversa com as partes, apresentando, em reuniões separadas, propostas para um acordo.

Francisco e Parolin, certamente, já terão em mente alguma pessoa apropriada para esta eventualidade. Ao final das negociações, geralmente se assina um acordo entre as partes, como ocorreu durante a mediação de João Paulo II, em razão do Estreito de Beagle, entre Argentina e Chile.

Argentina e Chile, ambas sob ditaduras militares, estiveram à beira de uma guerra em 1978. João Paulo II se ofereceu como mediador, em 1979, e nomeou encarregado do ofício mediador o cardeal Antonio Samoré. A mediação durou cinco anos e, apesar da morte do cardeal Samoré em 1983, o Tratado de Paz e Amizade entre os dois países se firmou em 1984, no Vaticano, e foi sancionado pelos governos dos dois países um ano depois.

Desde que foi eleito papa, há um ano, Francisco várias vezes mencionou a situação na Venezuela. A última vez, no último dia 26 de fevereiro. “Sigo com preocupação o que está ocorrendo nestes dias na Venezuela”, disse ao concluir a audiência geral da quarta-feira. E acrescentou: “Espero vivamente que as violências e as hostilidades parem o quanto antes e que todo o povo venezuelano, desde os responsáveis políticos e institucionais, favoreça a reconciliação por meio do perdão recíproco e do diálogo sincero, respeitoso da verdade e da justiça”. Para alguns, este foi o primeiro passo de uma mediação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Venezuela. Papa Francisco, um testemunho de boa fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV